Terça-feira, 21 de Setembro de 2010
Novas Viagens na Minha Terra
div class="separator" style="clear: both; text-align: center;">
</>


Manuela Degerine

Capítulo CXIV

Vigésima sexta etapa: de Padrón a Santiago de Compostela (continuação)

O sol brilhou durante a manhã e agora começa a haver calor. As peúgas, que viajam há dois dias penduradas na mochila, estão outra vez sujas mas finalmente secas. São – no último dia – as primeiras peças de roupa que, de Águeda para cá, secaram sem o complemento térmico dos meus 37°.

Talvez o leitor se interrogasse numerosas vezes sobre esta mania de lhe comunicar cada compra de pão e lavagem de camisola. Talvez, numa primeira impressão, isto possa sugerir futilidade natural ou desmazelo narrativo porém, tal como o praticante de ioga repete determinados sons ou frases com o objectivo de esvaziar o espírito de pensamentos e preocupações que o impeçam de alcançar uma concentração profunda, também aqui, no Caminho de Santiago, o pão, os pés, a roupa, o albergue e a mochila são as constantes que, associadas ao ritmo e ao esforço da caminhada, construem um estado de espírito – e importa que os meus leitores o compreendam. Numerosas agências tratam disto tudo no Camiño Francés porém, nestas circunstâncias, o Carreiro de Santiago – como foi designado noutras épocas – não passa de um vulgar passeio (ou apenas de ginástica; o que não me interessa).

Achamo-nos a menos de dez quilómetros de Santiago de Compostela, por conseguinte agora, se atravessamos um fragmento de mata, durante algumas centenas de metros, logo regressamos a zonas habitadas. Passamos junto ao parque empresarial da Grela. Vemos os primeiros prédios. Entramos noutra zona de eucaliptos...

De Padrón até aqui temos, uma ou outra vez, encontrado a N550; sempre em percursos curtos. Apesar de caminharmos nos arredores de uma cidade, este itinerário conduz-nos, durante quase todo o dia, de maneira muito hábil, pelo campo ou por estradas sossegadas – é o que falta em grande parte da rota portuguesa.

De Lisboa a Vilarinho, o Caminho de Santiago, mesmo quando sinalizado, o que não é constante, foi-o por quem não o percorreu a pé; ou então percorreu-o sem compreender que estes caminhantes (ao contrário dos de Fátima) gostam de caminhar. Por consequência: é indispensável encontrar-lhes verdadeiros percursos pedonais onde não fiquem surdos, não se intoxiquem e não corram, a cada segundo, o risco de morrer. Esta possibilidade existe na maior parte das etapas, importa procurar, marcar e depois explicar no site da Associação Portuguesa dos Amigos do Caminho de Santiago (por exemplo).

Alcançamos o Monte Agro dos Monteiros: avistamos Santiago de Compostela. Alguns peregrinos contam que, quando viram a catedral – choraram. Não me sinto emocionada. (Doem-me as costas. E antecipo, sim, naquelas duas torres, o fim de caminhada. Já?...) Começa a descida para Rocha Velha. Ainda atravessamos uma pequena mata de eucaliptos. Últimos pinheiros e carvalhos. Últimas giestas. Últimos tojos e silvas e fetos.

O caminho conduz-nos à beira de uma linha de comboio. Devemos seguir à direita para chegar à ponte e, após atravessarmos, virar na direcção oposta, isto é, à esquerda; por isso, quando agora chegamos perto da linha, avistamos do outro lado, a caminhar em sentido inverso ao nosso, os caminhantes que nos precederam. Qual não é o meu espanto?...

- Paul!

Ele procura quem chamou. E vê-me deste lado da linha.

- Manuela!

Vai com Gerhardt.

- Encontramo-nos daqui a bocado?... No albergue.

- Até logo.

Como caminhei duas vezes duas etapas e agora nos encontramos, Paul foi directo de S. João da Madeira a Vilarinho. (E, como Martine ficou um dia no Porto, ela chega decerto hoje a Padrón.) Poucos metros mais adiante, encontramos a rapariga espanhola; a qual agora se associa a uma romena com quem Sérgio visitou as caves do vinho do Porto. O Caminho de Santiago é uma aldeia em movimento.

Passamos por cima do rio Sar através da Ponte Velha de Arriba. Estamos a entrar em Santiago de Compostela... O hospital, a rua do Campo de Santa Marta, a avenida Rosalía da Castro, a praça do Obradoiro...

Começamos a procurar o albergue.


publicado por Carlos Loures às 10:00
link do post | comentar

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
OláEu sou Ibrahim Mohammed do Emirado árabe unido,...
Eu sou um disposo privada de um fons de that em ro...
Eu sou um disposo privada de um fons de that em ro...
Potrebuješ pôžičku? Máte nízke kreditné skóre a ne...
Atenção; Você é um homem de negócios ou uma mulher...
Viveu bastantes anos em Portugal, mais precisament...
Empréstimo e InvestimentoOlá a buscar um empréstim...
No dia 08/01/1974, faleceu o furriel Zeca Rachide,...
Cheguei aqui pelo link no blogue O Cantinho da Jan...
Apply now for all kinds of loans and get it urgent...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links