Terça-feira, 6 de Julho de 2010
Dois jesuítas oliventinos do século XVII - os irmãos Couto na Revolta do "Manuelinho" de Évora (1637)

Carlos Luna


Entre os vultos de destaque do nosso Alentejo, alguns há que são tão raramente lembrados que dir-se-ia que algum tipo de maldição os persegue. Estão neste caso dois irmãos, de apelido Couto, de nomes Estêvão
(1554-1638) e Sebastião (1567?-1639), ambos originários de Olivença, onde viveram na Rua da Pedra... hoje denominada, com pouco respeito pela História, "Calle Cervantes".

Estêvão do Couto formou-se na Universidade de Évora em 24 de Junho de 1539, doutorando-se em Teologia, na mesma Instituição, em 1596. Foi, aliás, Cancelário e Lente na mesma Universidade. Autor de vários textos e trabalhos, manuscritos, sobre Física e Metefísica, assim como de uma obra intitulada "Retórica", é mencionado na "Biblioteca Lusitana" de Barbosa Machado. É em geral considerado um dos grandes cérebros jesuítas do Século XVII, sendo muitas vezes citado elogiosamente.

Sebastião do Couto, tal como o irmão, entrou na Companhia de Jesus. Tinha então apenas 15 anos. Formou-se na Universidade de Évora em 23 de Janeiro de 1605. Foi Lente da Prima de Teologia em Évora e em Coimbra. Muito afamado, há notícias de ter pregado no Auto de Fé de 19 de Junho de 1619, em Évora... algo que hoje não se considerará muito elogioso, antes pelo contrário.

Parece que os dois irmãos se mantiveram sempre muito próximos, intelectual e fisicamente, excepto por pequenos períodos. Por isso, não causa espanto encontrá-los juntos em 1637, por ocasião da Revolta do "Manuelinho" em èvora. Ambos tiveram nela papel de destaque, em especial Sebastião.

Como é sabido, a Revolta do "Manuelinho" foi um protesto generalizado com algumas manifestações de violência à mistura ( queima de Arquivos, por exemplo ). Constituíu a primeira ameaça séria de revolta contra o Governo Filipino. Opressão fiscal, miséria social, falta de um governo próprio com efectiva capacidade de decisão, e outros, foram os motivos variados que levaram a tal levantamento, particularmente dinâmico no Alentejo e no Algarve, que abrangeu com poucas excepções ( Elvas, Moura, e pouco mais ), assolando ainda partes do Ribatejo e da Beira Baixa, e uma ou outra localidade fora dessas áreas (Guarda, Bragança). Só na Região de Évora, em sentido lato, ergueram-se Évora (centro do movimento), Montemor-o-Novo, Alandroal, Vila Viçosa, Borba, Canha, Vimieiro, Sousel, Avis, Olivença, Mourão, Viana do Alentejo, Alcáçovas, Vila Nova da Baronia, Alcácer do Sal, e outras localidades ainda.


As classes possidentes portuguesas, dado o carácter eminentemente popular da Revolta, hesitaram no procedimento a ter. Acabaram por ajudar a reprimir o levantamento, muitas vezes procurando ser elas próprias a fazê-lo com um mínimo de interferência de Madrid.

Curiosamente, os Jesuítas apoiaram maioritariamente os rebeldes, apesar do reconhecido pendor ultracatólico do Rei de Espanha. Foram mesmo acusados de estarem entre os principais instigadores.

Seria interessante tentar compreender todas estas tomadas de posição, mas tal foge ao âmbito do presente trabalho. Para este.

interessa, isso sim, que os dois irmãos Couto estiveram envolvidos na rebelião. Pela palavra e pela escrita, ambos, principalmente Sebastião, incitaram ao levantamento, percorrendo várias localidades.

O próprio Duque de Bragança ( futuro rei D. João IV ) assinalou a presença do mais novo e activo dos irmãos, relatando estar "escondido na Igreja de Jesus". Nada há a estranhar na posição do duque, que se colocou contra os revoltosos, mesmo porque algumas das zonas rebeladas eram domínios seus.

A repressão obrigou Estêvão e Sebastião do Couto a esconderem-se, julga-se que principalmente em Conventos, vários porque não podiam estar muito tempo no mesmo sítio. Estêvão faleceu logo em 1638, sem nunca ter sido apanhado.

O Conde-Duque de Olivares, espécie de Primeiro Ministro espanhol, imaginou entretanto uma artimanha. Convocou a Madrid algumas individualidades portuguesas, para que lhe explicassem em detalhe o que ocorrera durante a Revolta. A artimanha estava em querer proceder à prisão dos suspeitos de instigação em Espanha, já que entre os Portugueses convocados estavam conhecidos opositores a Madrid, com especial realce para... Sebastião do Couto !

Parece que este saíu de Portugal com aparente normalidade, mas não chegou ao seu destino. Porque tinha uma idéia do que o esperava, desapereceu. As buscas em Portugal não resultaram. Faleceu em 21 de Novembro de 1639, ao que parece de morte natural. Estava sob disfarce num Convento... mas em Espanha, onde Olivares nunca sonharia procurá-lo... e muito menos encontrá-lo !

Aqui, surge uma grande confusão, pois em Borba diz-se que Sebastião Couto morreu na vila alentejana. Eis algo que merece ser averiguado!!!

Afinal, nenhum dos dois irmãos vivia já no Primeiro de Dezembro de 1640, o que foi de facto lamentável, pois teriam decerto sentido uma imensa alegria. A História tem destas ironias. E foi o próprio Duque de Bragança que, com outros elementos das elites portuguesas, se pôs à frente duma nova e maior revolta, desta vez vitoriosa. A História ainda hoje se interroga se terão compreendido os sentimentos populares, se terão agido por interesse próprio, ou se terão tentado antecipar-se a uma nova revolta plebeia tomando a direcção do movimento em vez de serem ultrapassados. Talvez tudo um pouco. Mas esta discussão não cabe aqui.


publicado por Carlos Loures às 09:00
link do post | comentar

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
HOLA...¿NECESITA PRESTAR DINERO PARA PAGAR CUENTAS...
Bom-dia Senhoras e Senhores.Sou uma mulher de negó...
Sou uma mulher de negócio Portuguesa e ofereço emp...
Dude, if you were trying to sound portuguese let m...
Olá Andreia! Sei que esta publicação já é antiga. ...
Patricia Deus vai abençoar você e sua empresaMeu n...
Meu nome é Fábio João Pedro e eu sou de Portugal. ...
Meu nome é jose matheus Giliard Alef sou do brasil...
Bom dia a todosMeu nome é Damián Diego Alejandro, ...
Olá a todosEu sou Tainara izabella paola e sou da ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links