Segunda-feira, 20 de Setembro de 2010
José Pedro Machado – II
Carlos Loures

Foi aí que, em 1931, no 6.º ano, teve Marques Braga como professor de Literatura Portuguesa. Um mestre que nunca mais esqueceria. Seguir-se-á a Faculdade de Letras.

Logo no segundo ano do curso universitário, José Pedro Machado teve como professor de árabe David de Melo Lopes, o grande arabista, autor de obras como Expansão da Língua Portuguesa no Oriente nos Séculos XVI, XVII e XVIII (1936). Por essa altura, foi convidado a trabalhar no Centro de Estudos Filológicos, vindo grande parte da investigação aí feita a ser posteriormente publicada. Em 1939, concluída a licenciatura, David Lopes e José Leite de Vasconcelos recomendaram-no para o lugar de leitor de português na Universidade de Argel. Chegou mesmo a ser nomeado. Teria sido uma grande oportunidade para José Pedro aprofundar o seu conhecimento da língua e da cultura árabe. Porém, nesse mesmo ano eclodiu a Segunda Guerra Mundial e essa interessante hipótese esfumou-se. Ainda a convite do professor David Lopes, integrou a Comissão do Dicionário que a Academia das Ciências de Lisboa projecta para 1940 (e que só viria a ser editado mais de 60 anos depois, em 2001 pela Editorial Verbo e sob o patrocínio da Fundação Calouste Gulbenkian).

Além do incentivo de David Lopes, aprendeu e foi estimulado pelos elogios de outros mestres: Leite de Vasconcelos, João Martins da Silva Marques, de brasileiros como Antenor de Veras Nascentes, Serafim Silva Neto e Lima Coutinho, do sueco Gunnar Tilander, do grande filólogo galego Ramón Menéndez Pidal... Nunca esquecendo Marques Braga, o seu professor do liceu. É assim que, num texto de 1991, José Pedro recorda os seus mestres: «Quando iniciei o curso da Faculdade de Letras» (...) «Leite de Vasconcelos já estava aposentado, desde 1929. Mas o seu nome não me era desconhecido. Marques Braga citava-o nas aulas de Português dos 6.º e 7,º anos do Liceu e em Agosto de 1930 eu comprara um exemplar, usado, das Lições de Filologia Portuguesa. Lera-as cheio de interesse e, graças a isso, fizera figura nas aulas daquele Professor, a quem me ligou tanta amizade» (...)» Na Faculdade encontrei os estudos filológicos já em decadência. Dos professores que tanto a prestigiaram nesse campo apenas restava David Lopes de quem fui aluno de Árabe. Manda a justiça afirmar que lá conheci outro Mestre» (...) Refiro-me a João Martins da Silva Marques. Competentíssimo na matéria que ensinava, sabia criar discípulos e também me transmitiu admiração por Leite de Vasconcelos:» Conta depois como David Lopes lhe apresentou Leite de Vasconcelos: «Sentado numa poltrona da sala, com aspecto cansado, estava o senhor que eu há pouco vira entrar. Era Leite de Vasconcelos. Após os cumprimentos da praxe, ficou aprazada a minha comparência em sua casa às quartas-feiras pelas 3 da tarde. E, logo na seguinte, apresentei-me no n.º 40 da rua D. Carlos de Mascarenhas, a Campolide»2

A colaboração entre José Pedro e o Mestre só iria terminar em 1941, com a morte deste último. Aliás, referindo-se ao desaparecimento dos seus professores e amigos, dizia num texto de 1992: «Não posso esquecer uma comemoração triste: podermos (e devermos) iniciar o cinquentenário daquele espaço de cerca de um ano durante o qual perdemos três Grandes Mestres: em 17 de Janeiro de 1941, Leite de Vasconcelos; em 20 de Janeiro de 1942, José Maria Rodrigues e, pouco depois, em 3 de Fevereiro, David Lopes. Todos sabemos o quanto a Cultura Portuguesa deve a cada um deles e qual o prestígio internacional conseguido pelos três.»3

José Pedro Machado viria a concluir a licenciatura em 1938, apresentando no ano seguinte a respectiva dissertação – Comentários a Alguns Arabismos do Dicionário de Nascentes. Para quem possa não saber, Antenor de Veras Nascentes era um distinto professor e filólogo brasileiro, autor de uma obra importante, onde avultam um Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa (1932-1952), as Bases para a Elaboração do Atlas Linguístico do Brasil (1958) e um Dicionário da Língua Portuguesa (1961-1967). Como recorda o Professor Joaquim Veríssimo Serrão no texto de abertura da colectânea de homenagem publicada pela Academia Portuguesa da História em 2004, ao falar da viagem que fez com José Pedro Machado, ambos integrados na delegação portuguesa ao IV Colóquio Internacional de Estudos Luso-Brasileiros, realizado no Brasil em 1959: «Como não hei-de, pois, recordar a fidelidade do primeiro encontro que então tivemos? Como não evocar o eminente filólogo Doutor Antenor Nascentes (1886-1972) que, à chegada do avião à Cidade do Salvador, o veio receber com a calorosa saudação: “José Pedro, seja bem-vindo a esta sua terra”.»4

Foi também na Faculdade de Letras que viria a conhecer Elza Paxeco, a primeira mulher a doutorar-se em Letras pela Universidade de Lisboa (em 1938). Com ela viria a casar em 1940. Do casamento resultaram três filhos (um deles, o nosso João Machado) e a colaboração de ambos em numerosos e importantes projectos comuns, como, por exemplo, a edição comentada do Cancioneiro da Biblioteca Nacional, (antigo Colocci- Brancuti), publicada em oito volumes entre 1949 e 1964. Abre-se aqui um breve parêntesis para recordar a importância de Elza Fernandes Paxeco Machado. Nascida em 1912 em São Luís do Maranhão, no Brasil, frequentou as Universidades de Gales, Londres e Lisboa, tendo cursado Filologia Românica e Germânica, bem como Literatura Inglesa. Foi, como já dissemos, a primeira mulher a doutorar-se em Letras pela Universidade de Lisboa, onde leccionou entre 1940 e 1948. Viria neste último ano a sair da Universidade. Faleceu em Lisboa em 1989.

(Continua)


publicado por Carlos Loures às 12:00
link do post | comentar

1 comentário:
De Luis Moreira a 20 de Setembro de 2010 às 12:03
Bela homenagem. O nosso João tem a quem sair.


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Sou James Roland, de Portugal. Alguns meses atrás,...
Oferece empréstimos de dinheiro variando de 5000 a...
Here is a good news for those interested. There i...
oferta para todosOlá, volto para todos os indivídu...
esse dalmaso nao e brasileiro ele deu depoimento e...
Meu nome é Patricia Martins, de Portugal, um pai s...
Dia bom, Meu nome é Laura Pablo, eu quero testemun...
Afinal em que ficamos? Esta coisa do Daflon do Ven...
UPDATE ON LOAN REQUIREMENT If you are in need of ...
Olá, sou ivani suarez, atualmente morando em santi...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links