Quarta-feira, 16 de Junho de 2010
Nós é que amamos - I
Raúl Iturra


Parte da festa de um matrimónio Mapuche, festa de vários dias. A cerimónia é praticada por uma mulher, a machi da tribo, que representa a sua divindade, o deus Pillán. A machi cura, casa, educa, tem muitas tarefas para fazer dentro das reduções nas que moram. Os católicos têm uma cerimónia privada, de madrugada ou de noite à que assistem os noivos e os seus padrinhos apenas. A festa é a maneira ritual antiga, e divertimento para a redução e os que casam, fazem parte da festa. O que interessa no é o ritual, é a familia, que está definida assim: a sua organização social estava baseada principalmente na família e na relação entre eles. A família estava conformada pelo pai, as suas mulheres e os filhos. A linha de parentesco mais importante era a materna. Por não serem considerados parente os filhos do mesmo pai com as sua outras mulheres, não existia tabu sexual do incesto. Crença e comportamento mal interpretado pelos espanhóis como pratica de generalizada do incesto. Actualmente a poligamia tradicional nãoo existe entre los mapuche.

Os grupos de famílias relacionados por um antepassado comum, denominava-se lof, normalmente escrito como lov, levo ou caví pelos historiadores. As famílias que conformavan un lof, moravam rucas vizinhas, colaborando entre elas. Havia um Chefe, um lonco ("cabeza" en mapudungun). Fonte: a mina memoria, meus diários de campo Bravo, a minha investigação e o texto de Patrícia Bravo (1999).
«[http://www.mapuche.info/news01/punto991029.htm ¿La pobreza es una infiltrada? Pregunta alcalde mapuche de Tirúa.]».

La familia mapuche desempeña, esencialmente, dos funciones: económica y cultural.
• En el ámbito económico, se manifiesta como una unidad de producción y consumo. Todos los miembros desempeñan un rol económico, diferenciado según el sexo y la edad.
• En el cultural, la familia es el ámbito donde los jóvenes miembros de la familia son socializados, aprehendiendo la cultura e incorporando el estilo de vida tradicional.
Pero estos dos aspectos, el económico y el cultural, no se hallan disociados: el desarrollo cultural se efectúa en el mismo proceso de producción y consumo, y viceversa. Es por esto que el desarrollo cultural es indisociable del desarrollo económico. La transmisión de los saberes culturales se efectúa en el ámbito doméstico (de padres-madres a hijos, de abuelos a nietos, de tías y tíos a sobrinas y sobrinos, etc.) y a través de las prácticas: en el mismo momento en que se realiza una actividad se está enseñando y aprendiendo (la cría del ganado, la elaboración de comidas, la confección de tejidos, etc). Mientras en las grandes sociedades humanas son principalmente la familia, la escuela y los medios de comunicación quienes administran y transmiten la cultura; en las comunidades o grupos humanos más pequeños, tales como las comunidades mapuche, estas funciones suelen estar mezcladas con otras de índole económica y social.
Reglas de vida familiar mapuche
• El patrilinaje: Los miembros de la familia están unidos por vínculos de parentesco que vienen desde la línea paterna. La nomenclatura de las relaciones es de tipo omaha.
• La exogamia: Se busca pareja fuera del grupo familiar propio.
• La patrilocalidad: La mujer sigue al hombre a su residencia. Fonte: mencionada antes



Pareciam-me importante fornecer estes dados, para entender a questão colocada como título de cabeçalho e entender o que passo a analisar na base da minha teoria de etnopsicologia da infância.

Queira o leitor lembrar de que gostava de debater, enquanto transfiro parcialmente para si meus dados de trabalho de campo, pelo menos dois assuntos centrais. Um, é que as crianças que crescem, é feito em quanto memória social impinge novos dados na sua memória individual. A criança que temos em frente de nós a crescer, é resultado do saber acumulado cronologicamente no tempo. Tempo que a criança vive no nosso presente de adultos e que nós, adultos, vivemos como eles, anos antes, a realizar as mesmas tarefas de aprendizagem que nós fizemos e que eles, em frente de nós, realizam hoje. O saber é contínuo, com essa
qualificação de conjuntural nas suas mudanças, que me parece adequado pensar. O processo educativo resulta da interacção dentro de um mesmo povo, a traves da Historia, ou com outros povos a traves também da cronologia do tempo, essa Historia que faz de nós o que somos e como amamos. Um segundo assunto, é que esta racionalidade da criança, essa pessoa que acumula uma epistemologia também, é diferente da racionalidade cognitiva do adulto durante o tempo infantil da criança e de vida adulta dos que antes, os seus pais, foram também crianças. As formas do entendimento são diferentes, quer pela idade, quer pelo contexto histórico que contextualiza esse saber. O saber está marcado pela cronologia do tempo e pelas novas descoberta que a ciência nos fornece. Há varias gerações que vivem dentro do mesmo tempo com experiências diversificadas, quer pelos ciclos, quer pelo tempo que a pessoa incute na Historia do seu ser social. Experiências que, apesar de emotivas, são orientadas pela razão, porque a criança observa para calcular o que deve fazer, e aprende esse calcular.
Sou consciente de ter levado ao leitor ao longo da cronologia, para trás e para frente, da maneira que a linguagem Internet permite, reiterando casos e a abrir lentamente as historias, em torno ao elo processual que Victoria, Pilar e Anabela, estruturam do processo racional da reprodução social. Comparar três povos de diferentes línguas e experiências, não é simples, mas é interessante para quem trabalha com os dados do quotidiano. Um quotidiano prolongado para mim, porque os Picunche os conheci sempre, os de Vilatuxe faz 36 anos hoje, e aos de Vila Ruiva, vinte e dois.


publicado por Carlos Loures às 15:00
link do post | comentar

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
I recebeu um empréstimo em um notável credores, ho...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Recebi um empréstimo de um credores excepcionais, ...
Para a sua atençãoMais preocupação por seus proble...
Carlos Loures a Anália já aqui disse tudo. Ter em ...
Caro Carlos Loures, Obrigada pela sua resposta. Es...
Agradeço o seu depoimento. Só agora respondo porqu...
Tanto quanto soube recentemente, foi o próprio Car...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links