Sábado, 28 de Agosto de 2010
Novas Viagens na Minha Terra

Manuela Degerine


Capítulo XCII

Vigésima terceira etapa: de Redondela a Pontevedra (continuação III)

Por que carga de água nos desviaram de um caminho que, no fim de contas, não passava pela zona das obras? Outro mistério.

Apressamo-nos a sair daqui. Chegamos ao que Gérard Rousse assinala como “antiga estrada medieval”, sem dúvida há pouco restaurada; parece que acaba de ser construída. Miramo-la consternados porém, percorridos poucos metros, acabamos por nos rir, tais intentos raro perseveram: alguns metros bastam para a informação nos telejornais.

Respiramos, aliviados. Neste espaço talvez corramos outros riscos, escorregarmos, torcermos um pé, sermos picados por uma víbora, apanharmos com uma faísca ou uma árvore na cabeça – mas não seremos atropelados. Apenas acaba a parte restaurada onde, claro, aproveitaram para cortar as árvores, o caminho torna-se magnífico, à sombra de belos carvalhos e castanheiros, no meio de grandes giestas em flor, entre muros cobertos de hera e musgo.

Faz agora calor e eu, pouco previdente quanto à água que, no momento de encher as garrafas, me parece sempre pesada – sinto sede. Trago de novo as peúgas penduradas na mochila, as quais continuam molhadas e malcheirosas e, nestas andanças, começam a sujar-se. Em contrapartida o odor da camisola que, vestida, depressa secou, atenuou-se. Ou habituei-me e já não o sinto?

O caminho prolonga-se durante vários quilómetros de felicidade pedestre através desta paisagem excepcional.

Passamos Canicouva. Chegamos à capela de Santa Marta, tocante pela harmonia e simplicidade; onde nos sentamos um instante.

Em seguida caminhamos à beira de uma estrada não agressiva mas pouco agradável; e as mochilas encheram-se entretanto de chumbo – ou de ouro, quem sabe? Cada passo é uma vitória dura de alcançar. E... Se, pelos meus cálculos, devemos encontrar-nos a sete quilómetros de Pontevedra, quando olho para o roteiro de Gérard Rousse, vejo cinco linhas até ao albergue dos peregrinos... O autor não irá menos cansado do que nós ou, o mais provável, não terá encontrado onde restaurar o ânimo. Aliás, ao longo de toda a etapa, assinala uns seis cafés e restaurantes, sem recomendar algum com aquele entusiasmo que vem do estômago, passa pelo coração e enleva toda a sua alma gastronómica.

De novo caminhamos, caminhamos... e nunca mais chegamos. Avaliamos um “pouco depois” em mais de três quilómetros todavia, nestas circunstâncias, não desconfiamos menos das nossas percepções do que da falta de rigor do nosso guia espiritual, alcançamos enfim o café Paf, cujo nome exprime sem dúvida a queda dos peregrinos esgotados, um café que julgávamos haver passado, sem o ver, meia hora antes, no mínimo, deparamos com a família franco-germânica, que nos ultrapassou em Arcade, a qual ali devora extasiados hambúrgueres e declara a incapacidade para prosseguir, por agora, um agora com duração indeterminada, nem vale a pena esperarmos, ignoram se conseguirão lançar os pés – em sangue – ao caminho.

Nas minhas botas, avaliando pelas sensações, vai tudo normal. Doem-me as costas, sinto-me porém optimista: hoje já não choveu, a temperatura subirá. Se deixar de fazer frio amanhã, poderei desembaraçar-me do blusão e, a partir daí, a mochila, sem ficar leve, tornar-se-á sofrível.

Passamos enfim debaixo de uma ponte e, poucos metros adiante, cento e cinquenta, segundo Gérard Rousse que, na euforia da vitória, até indica números exactos – vemos o albergue de Pontevedra. Chegámos!



São seis e meia. Houve algumas pausas, embora todas breves: carregámos com as mochilas durante mais de dez horas.

tags:

publicado por Carlos Loures às 10:00
link do post | comentar

1 comentário:
De Luis Moreira a 28 de Agosto de 2010 às 12:38
Que alegria, no cansaço, nas paisagens, na natureza, em obter objectivos. É preciso ser uma mulher coragem.


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Apply now for all kinds of loans and get it urgent...
Sou do Bat. Caç. 4613/72 que foi para Angola em fi...
Aí meu Deus eu tenho um pavor a esses bichos! Un d...
ei pessoal do bat cav 1927 e ex combatentes boa pa...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
I recebeu um empréstimo em um notável credores, ho...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Recebi um empréstimo de um credores excepcionais, ...
Para a sua atençãoMais preocupação por seus proble...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links