Terça-feira, 10 de Agosto de 2010
Direita e esquerda, continuam a existir?
Carlos Loures

Vem este texto na sequência de outro que aqui publiquei há dias - “Esquerda, precisa-se”. 

Num dos comentários, a querida amiga Carla Romualdo perguntava: «crês que ainda faz sentido falar em "esquerda" e "direita", quando estes conceitos se esvaziaram de tal modo nos últimos anos? Não lanço a pergunta como uma picadela irónica, mas sim como uma honesta interrogação. Será que ainda faz sentido esta divisão?». Escolhi este comentário por me parecer aquele que coloca a questão mais importante e ao responder à Carla tentarei dissipar outras dúvidas, eventualmente suscitadas por não ter sido suficientemente claro.

Direita e esquerda – faz ainda sentido esta divisão?

Sempre ouvi dizer que as designações de "esquerda" e "direita", tiveram origem no facto de nas assembleias políticas anteriores e posteriores à Revolução de 1789, os políticos mais conservadores se sentarem à direita da mesa da presidência e os mais radicais à esquerda.

Na Assembleia Nacional (1789), a expressões «gauche» e «droite» eram aplicadas respectivamente a republicanos e a monárquicos; na Convenção Nacional (1792), o termo usou-se para distinguir jacobinos de girondinos. Os primeiros eram defensores dos chamados sans-cullotes, os deserdados da fortuna; os segundos eram deputados que representavam a burguesia ilustrada, hesitante entre a monarquia constitucional e a república. 
 
De então para cá, o campo semântico dos dois termos foi-se alargando e especializando, incorporando contributos e empréstimos vindos de todas as áreas do conhecimento e, da localização, aleatória de duas facções nos hemiciclos da França de fins do século XVIII, os conceitos de direita e esquerda saltaram para a liça das grandes lutas sociais e políticas. Como disse no texto anterior, para mim a definição ideal de esquerda resulta de uma frase do poeta Jean-Arthur Rimbaud, que disse ser preciso «mudar a vida» e de outra de Karl Marx, que afirmou ser indispensável «transformar o mundo». Mudar a vida e transformar do mundo significa apenas uma coisa – Revolução.

Quanto à direita - e reconheço não ser a pessoa mais indicada e isenta para a analisar) - diria evitando entrar nos consabidos maniqueísmos, que com contributos os mais diversos, vindos também de todos os quadrantes do conhecimento (até mesmo do marxismo), procura conservar o que considera serem valores intemporais – reage mal à mudança da vida e pior a todas as transformações do mundo que não se traduzam na conservação de privilégios.
Existe desde há uns anos a esta parte, eu diria desde que, na prática, PS e PSD se fundiram num só partido, esta tendência para afirmar que os conceitos de esquerda e de direita deixaram de fazer sentido. Outro elemento que contribuiu para a criação desta ideia foi o colapso do chamado «socialismo real».

Mal ou bem (eu penso que mal), esse tipo de socialismo era associado à esquerda e, tendo ruído e com ele a dicotomia que justificava os blocos militares, as pessoas, ficando sem uma das suas referências básicas, entenderam que todas essas coisas de que se falou muito depois de 1974, nomeadamente a luta de classes, tinham tido o seu acto final. Tal como num mapa, se não tivermos a indicação de onde se situa o Norte, nunca encontraremos o Sul (e vice-versa). Era, dizia-se, o fim da História e o fim da Política. Saturadas da interminável querela, as pessoas suspiraram de alívio.

A conclusão de que já não faz sentido a dicotomia esquerda/direita, ouvi-a a políticos profissionais, comentadores e analistas políticos, politólogos, gente com responsabilidade. Porque, meus amigos, atenção Carla, o fim do conceito de esquerda e direita, o fim da concepção da luta de classes, a extinção do conceito de classe, são tudo coisas que interessam muito à direita e à falsa esquerda e à direita travestida. Porém todos esses conceitos só deixarão de fazer sentido quando a vida tiver mudado e o mundo se tiver transformado num local onde não existam desigualdades sociais; a fome, a miséria, a doença, todas as chagas sociais, tiverem sido erradicadas O «fim» dos dois conceitos, já era, desde há anos, tema de discussão por essa Europa fora, sobretudo em democracias mais antigas do que a nossa, como a italiana. Vejamos.
Em meados dos anos noventa, saiu em edição portuguesa a obra do italiano Norberto Bobbio, Direita e Esquerda (Destra e Sinistra), com o subtítulo Razões e significados de uma distinção política. Definindo as palavras que constituem o título, diz Bobbio: «Os dois conceitos - «direita» e «esquerda» - não são conceitos absolutos. São conceitos relativos. Não são conceitos substantivos ou ontológicos. Não são qualidades intrínsecas do universo político. São locais do «espaço» político, representam uma determinada topologia política, que nada tem a ver com a ontologia política: Não se é de direita ou de esquerda, no mesmo sentido em que se diz que se é «comunista», «liberal» ou «católico». Por outras palavras, «direita» e «esquerda» não são termos que designam conteúdos definitivamente assentes. Podem designar conteúdos diferentes, de acordo com as épocas e as situações». Isto parece-me correcto – Lembro como a generalidade dos oposicionistas à ditadura do Estado Novo eram considerados «de esquerda», vindo-se a revelar depois da Revolução que uma boa parte deles passou, em função das opções político-partidárias que fez, a ser considerada de «direita». Mais adiante, Bobbio acrescenta: «Convirá também notar que «esquerda» e «direita» são termos que a linguagem política veio utilizando desde o século XIX até aos nossos dias para representar o universo conflitual da política. 

Todavia, esse mesmo universo pode ser representado, e foi-o de facto noutros tempos, por outros pares de opostos, alguns dos quais têm um valor descritivo forte, como «progressistas» e «conservadores», e outros têm um descritivo fraco, como «brancos» e «negros». O par «brancos- negros», também só exprime uma polaridade, isto é, significa apenas que não se pode ser ao mesmo tempo branco e negro, mas não permite de modo algum perceber quais são as tendências políticas de uns e de outros». Como se infere do que nos diz Bobbio, não se é de esquerda ou de direita tout court; é-se de esquerda ou de direita em relação a um determinado referencial, nem que seja apenas relativamente à mesa da presidência. Esta «geometria variável» que acompanha a aplicação dos conceitos de opostos em política é um dado a ter em conta, sempre que falamos de «esquerdas» e de «direitas» e que nos deve levar a ser um pouco mais rigorosos.

Num outro texto aqui publicado chamava a atenção para o facto de os dirigentes revolucionários provirem sempre da burguesia, quando não mesmo da aristocracia. Falando de Portugal e das últimas décadas,verifica-se que os dirigentes políticos da esquerda e da direita, do CDS ao Bloco de Esquerda, são gente da mesma classe social e que muitos deles se cruzaram na Universidade. O PSD tem diversos militantes que foram de esquerda – Durão Barroso, Pacheco Pereira. Paulo Portas e Miguel Portas, dois irmãos (amigos, e ainda bem) ocupando os dois extremos do leque parlamentar uma parte substancial dos dirigentes do PS veio de partidos mais à esquerda, a começar por Mário Soares. Esta promiscuidade, ajuda a consolidar a ideia de que não faz sentido a divisão.
Mas faz todo o sentido. Mais diploma, menos gravata, continua a haver quem queira mudar a vida e transformar o mundo. E há quem veja os avanços da ciência e da tecnologia, bem como as próprias aquisições do conhecimento filosófico e científico, como instrumentos ao serviço da manutenção do statu quo. Esquerda e direita.


publicado por Carlos Loures às 12:00
link do post | comentar

5 comentários:
De adão cruz a 10 de Agosto de 2010 às 14:00
"A conclusão de que já não faz sentido a dicotomia esquerda/direita, ouvi-a a políticos profissionais, comentadores e analistas políticos, politólogos, gente com responsabilidade. Porque, meus amigos, atenção Carla, o fim do conceito de esquerda e direita, o fim da concepção da luta de classes, a extinção do conceito de classe, são tudo coisas que interessam muito à direita e à falsa esquerda e à direita travestida".

Bom texto Carlos, cuja conclusão não é outra senão esta tua que transcrevo. Carla, faz e nunca deixou de fazer sentido a tal dicotomia esquerda/direita. Talvez o faça mais, nesta altura, do que em outras épocas. Ela é, em síntese, o cerne do problema que traduz os opostos do comportamento sócio-político do ser humano. E por ser a mais genuína expressaão da existência do conceito de classe e da luta de classes. Por isso, tal dicotomia tende a ser esbatida, rebatida e abatida pela direita. Agora mais do que nunca, tão empenhada está a direita na confusão das mentes e na eliminação artificial dos limites e dos contornos. Não quero dizer com isto que a Carla, ao pensar assim, seja de direita, mas o que é certo é que esta tendência anuladora se tem espalhado mesmo no seio de pessoas inteligentes e politicamente intocáveis.


De carlos loures a 10 de Agosto de 2010 às 15:13
Exactamente, Adão. O que me alarmou foi o ter sido a Carla, tão lúcida e bem informada, a expender uma opinião destas, tão perigosa. Não me lembro se o digo no texto, mas a primeira vez que ouvi tal opinião, foi ao Professor Freitas do Amaral (há muitos anos atricarmos preocupadosás). Mas, vinda dele, tal opinião faz todo o sentido. Quando dentro da própria esquerda a ideia abre caminho, é caso para ficarmos preocupados. Daí o ter escrito este texto.


De Luis Moreira a 11 de Agosto de 2010 às 17:52
Sempre ouvi dizer. A direita à volta dos seus interesses e a esquerda à volta dos seus valores!O que Freitas do Amaral dizia é que era "rigorosamente ao centro" o que era a maneira mais perigosa de dizer que se podia estar na política sem se ser da esquerda ou da direita.E levanta-se outra questão que é saber se em determinado contexto (como tu afirmas) uma determinada solução instrumental é ou não de esquerda.Ser de esquerda pode querer dizer que se quer ter um emprego com poder reinvindicativo,com vínculo para toda a vida e priveligiado em relação aos que não têm emprego ou trabalham na privada.É ser de esquerda, estar de acordo com as corporações que infestam e abocanham o Estado em detrimento de quem não tem voz?


De carlos loures a 11 de Agosto de 2010 às 19:54
Ser de esquerda nada tem a ver com as reivindicções corporativas. Há pessoas assumidamente de direita que quando vêem os seus interesses beliscados, vêm para a rua de punho cerrado invocar as conquistas de Abril. Isto nada tem a ver com a esquerda nem com a direita. Acho que deixo clara no texto a minha concepção de esquerda – mudar a vida (mudar os valores que regem a vida das pessoas, colocando os valores morais acima dos materiais) e transformar o mundo (acabando com a exploração do homem pelo homem). Claro que é uma utopia. Tal como entender que o neoliberalismo vai acabar com a miséria no mundo. Cada um escolhe a utopia que prefere e nessa escolha (não só, mas também) se faz actualmente a clivagem entre direita e esquerda.


De Luis Moreira a 11 de Agosto de 2010 às 21:12
Mas é no que a esquerda se transformou.A direita insaciável nos seus lucros e fortunas e a esquerda nos seus previlégios para toda a vida que o estado lhe confere. A esquerda deixou de ter valores para ter interesses tal como a direita.E a esquerda de que todos somos crentes é a esquerda dos valores, solidária, voz de quem não a tem. Por isso me irrita tanto ver pessoas que aos trinta anos já têm um emprego assegurado para toda a vida, e entre dois wisquies e um arroto, vão-se afirmando de esquerda.são da esquerda volver!


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
HOLA...¿NECESITA PRESTAR DINERO PARA PAGAR CUENTAS...
Bom-dia Senhoras e Senhores.Sou uma mulher de negó...
Sou uma mulher de negócio Portuguesa e ofereço emp...
Dude, if you were trying to sound portuguese let m...
Olá Andreia! Sei que esta publicação já é antiga. ...
Patricia Deus vai abençoar você e sua empresaMeu n...
Meu nome é Fábio João Pedro e eu sou de Portugal. ...
Meu nome é jose matheus Giliard Alef sou do brasil...
Bom dia a todosMeu nome é Damián Diego Alejandro, ...
Olá a todosEu sou Tainara izabella paola e sou da ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links