Sábado, 5 de Junho de 2010
Coisas breves. Santana Lopes quer o PCP no governo.

Carlos Mesquita


Apesar do ex-líder do PPD/PSD, Santana Lopes, ter dito que “o PCP tem de ser chamado a fazer parte do governo”, ninguém passou cartão ao que disse o ex-primeiro ministro laranja. E disse mais Santana, na SIC; que não era por causa da paz social mas sim da produtividade. O que é que o PCP tem a ver com a produtividade? Tenho andado a matutar no assunto. Produtividade sei o que é, até já fiz profissão disso, mas ligar o PCP à produtividade não é fácil. Não será através das empresas ligadas ao partido; as que conhecia (da minha área) ou fecharam ou foram vendidas, até para Espanha. Com apelos aos trabalhadores também não será, basta os patrões a pedir-lhes isso. Seria com trabalho do Comité Central? Há realmente lá gente com conhecimentos de arqueologia industrial, podiam ajudar como cicerones o turismo que agora se faz para ver cadáveres de fábricas. Explicar às criancinhas que antes dos telemóveis, os telefones tinham fios, e que ainda antes tinham de se plantar postes e passar fios que eram seguros a canecas…mas não, não pode ser por isso que Santana Lopes quer o PCP no governo. Explicar como segurar fios com canecas é um malabarismo que pode prender a atenção dos garotos, mas não é razão para ir para o governo.

O melhor é usar outro método (agora científico), e recuar aos anos em que o PCP esteve no governo, no passado longínquo dos governos provisórios. Nessa altura os ordenados eram baixos, embora alguém do PCP tenha dito que vivia bem com o salário mínimo, mas a produtividade não era grande coisa, também porque parte do tempo decorria a lutar pelos direitos, (chamam-se hoje, direitos adquiridos). O tempo do PCP no governo não foi fecundo em ganhos de produtividade. A não ser (eureka) durante um dia em que os portugueses trabalharam à borla, chamado “Um dia de trabalho para a Nação”. Não há nada mais produtivo que os trabalhadores não quererem remuneração, é ainda mais proveitoso que os baixos salários, que como se deve ensinar nas universidades da especialidade é condição sine qua non para conseguir produtividade, é o que dizem os porta-vozes do saber. À luz desta breve mas produtiva pesquisa entende-se a proposta de Santana Lopes; ele quer o PCP no governo, porque considera que assim, quando Carvalho da Silva for ao Hotel Vitória buscar inspiração para novas jornadas de luta, trará de lá em vez de propostas de greve geral, mais uns dias de trabalho pela Nação. Muita cultura política tem o estudioso Santana Lopes.

Aqui abre-se um parêntesis que fecha do fim do texto, para ir à história e enquadrar o dia de trabalho voluntário. Quem teve a lembrança do dia de dádiva foi Vasco Gonçalves, nomeado primeiro-ministro do II governo provisório em Julho de 1974, fez a proposta em Setembro de 74, ainda durante o II governo, para esse dia ser no 5 de Outubro, entretanto a 30 de Setembro Spínola renúncia à Presidência da República e Costa Gomes assume o cargo. Em 1 de Outubro toma posse o III governo provisório chefiado por Vasco Gonçalves. O primeiro-ministro do III governo, manteve a proposta do primeiro-ministro do governo anterior, e o dia de trabalho lá se realizou, não no feriado, mas no dia seguinte que era de descanso. Vasco Gonçalves amado por uns e odiado por outros manteve nos seus quatro governos (o ultimo foi o quinto) o ministro do trabalho Costa Martins e como secretário de estado do trabalho Carlos Carvalhas, que viria a ser secretário (agora geral) do PCP. O “companheiro Vasco” como primeiro-ministro foi controverso, e mais seria como treinador de futebol, como se vê ele era apologista da máxima; em equipa que perde não se mexe.


publicado por Carlos Loures às 09:00
link do post | comentar

1 comentário:
De Luis Moreira a 5 de Junho de 2010 às 19:09
O PCP sabe como e porquê os países comunistas são todos miseráveis.Deve ser da produtividade. Com o Pedro nunca se sabe...


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
bom dia meu tio de nome joao da cunha fernandes da...
Sou James Roland, de Portugal. Alguns meses atrás,...
Oferece empréstimos de dinheiro variando de 5000 a...
Here is a good news for those interested. There i...
oferta para todosOlá, volto para todos os indivídu...
esse dalmaso nao e brasileiro ele deu depoimento e...
Meu nome é Patricia Martins, de Portugal, um pai s...
Dia bom, Meu nome é Laura Pablo, eu quero testemun...
Afinal em que ficamos? Esta coisa do Daflon do Ven...
UPDATE ON LOAN REQUIREMENT If you are in need of ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links