Quinta-feira, 2 de Dezembro de 2010
Sobre o rigor da linguagem
Carlos Loures

Fui recentemente acusado, aqui no Estrolabio, de falta de rigor na linguagem. Vou responder a essa acusação do Paulo Rato tão proximamente quanto possível. Hoje vou contar uma história que já contei num outro blogue onde colaborei. Refere-se a um amigo do qual, através de outro amigo, tive a notícia de que está bem. E foram essas notícias sobre o “Thunder” trazidas pelo António Gomes Marques, que me transportaram para décadas atrás e me levaram a evocar esse jovem que fazia do rigor da linguagem uma profissão de fé. Vamos lá então à história.

Muito antes de existir a cadeia de supermercados Pão de Açúcar, havia um café com este nome na Alameda D. Afonso Henriques, na esquina com a Av. Almirante Reis, do lado esquerdo de quem vai na direcção do Areeiro. Ainda existe, pois a amiga Maria Monteiro é cliente assídua e deu-me a informação. Aí, na segunda metade da década de cinquenta, se reunia uma tertúlia constituída na sua maior parte por estudantes. Numa altura em que era, vagamente, estudante e, ainda mais vagamente trabalhador, nessa tão conveniente terra de ninguém da existência, em dias de ociosidade total, passava a manhã no «Chiado», a tarde no «Chave d’Ouro» e a noite no «Pão de Açúcar» ou, em alternativa, no «Ribatejano» (nos Anjos) e para jogar xadrez no «Continental», da Praça do Chile – uma agenda preenchida, como se vê. Foi antes de frequentar o «Gelo» e o «Restauração». As pessoas com quem me encontrava eram diferentes - tertúlias diferentes, Interesses diferentes, gostos diferentes,

No «Pão de Açúcar» a tertúlia era de gente quase toda muito nova, apenas um dos membros era uns anos mais velho (já licenciado e professor, veio depois do 25 de Abril a ser Governador de um distrito, creio que pelo PS). Falava-se, sobretudo, de garotas e, às vezes, comentava-se livros ou filmes. Um dos membros do grupo, hoje um ilustre advogado, tinha na altura a mania de corrigir o português a toda a gente. Uma versão ambulante, avant la lêtre e reduzida (pois é baixito) do acordo ortográfico. Corrigia, inclusive, o mais velho, o professor, que dava, a ele também, gratuitamente, explicações de latim aos necessitados de tal saber. Como um Smart com buzina de camião TIR, o nosso amigo tinha uma voz estentórea. Usava uma barba grande e descuidada. Alguém lhe pôs a alcunha de “Thunder”, pela razão que se adivinha. “Thunder”, bom rapaz, era um tormento.

«Não se diz “à última da hora”, basta “à última hora”; dizer «outra alternativa é» está errado, basta dizer «a alternativa é», não é «ciclo vicioso, é círculo vicioso»… Havia dias em que não se podia aturar. Uma noite, não me lembro porquê, alguém mandou outro «bardamerda». A coisa estava feia, à beira do confronto físico, quando o “Thunder” salta da cadeira e corrige com a sua voz possante: « Alto lá! Não se diz bardamerda, diz-se berdamerda».

Banzados, os dois que se estavam a pegar esqueceram-se da zanga e sentaram-se. Todos escutámos atentamente as razões do Thunder: primeiro, disse que se tratava de um «chulismo» e nós ficámos na mesma – sinónimo de «palavrão», «asneira», explicou. Houve perguntas. Esclarecidas as dúvidas voltou-se à berdamerda. Explicou que o termo se aplicava a um tipo sem valor, a um zé-ninguém – desses se dizia serem uns berdamerdas. Mas também se podia usar como interjeição - «Ora, vai berdamerda!», exemplificou, o que ia dando para os dois continuarem a discussão onde tinham parado. Aceitámos a explicação do “Thunder”, mas um rapaz que andava no Técnico, objectou: «Eu cá vou continuar a dizer bardamerda». E ficámos por ali. Chegado a casa fui ao único dicionário que na altura tinha (e que conservo) o da Porto Editora, de J. Almeida Costa e A, Sampaio e Melo, e procurei – nada. Nem bardamerda, nem berdamerda… Fiquei convencido de que o “Thunder” inventava coisas, falsas erudições, só para nos poder corrigir.

E procurei noutros dicionários que fui comprando, ao longo dos tempos, alguns de grandes conteúdos. Até hoje. Ao confirmar, para um trabalho chato que estou a fazer, uma acepção de «berchémia» ou «berchemia», nem queria acreditar, o dedo deteve-se primeiro, os olhos logo a seguir e ao cérebro chegou o milagre: ali estava a entrada «berdamerda» e até explicava que se tratava de um «tabuísmo» cuja forma popular é «bardamerda»., um tab. pop – tabuísmo popular, vi no quadro de abreviaturas. Até aprendi uma expressão nova – tabuísmo = tabu+ismo. O “Thunder” estava certo. Já é noite avançada, devia ter-me ido deitar mas vim escrever este texto, partilhando convosco este sentimento de estar tardiamente a fazer justiça ao saber de um amigo. Porque a justiça nunca se deve deixar para o dia seguinte. - “Thunder”, para que conste: - és o maior!

Já agora: o dicionário que, cinco décadas depois, vem fazer justiça ao Thunder, é o do Antônio Houaiss.

Quem se enganou também foi o almirante Pinheiro de Azevedo. A 12 de Novembro de 1975,estando o Parlamento cercado por operários da construção civil em greve, alguns manifestantes chamaram fascista ao primeiro-ministro, o almirante Pinheiro de Azevedo. A resposta não se fez esperar: "Bardamerda para o fascista!". Nos meios de esquerda (e não só), o almirante passou a ser conhecido pelo «Bardamerda». No vídeo, vemos e ouvimos a entrevista que o almirante deu aos jornalistas quando saiu do sequestro. Não consegui encontrar vídeo do momento da famosa resposta.




publicado por Carlos Loures às 12:00
link do post | comentar

2 comentários:
De Luis Moreira a 2 de Dezembro de 2010 às 12:06
Normalmente as correções vêm de quem não tem outros argumentos ou então porque são pessoas que fazem da palavra profissão.Muitos não percebem que basta mudar de área do saber para que fiquemos, como por milagre,analfabetos.


De Luis Moreira a 2 de Dezembro de 2010 às 12:11
Nós em Castelo Branco brincamos com os naturais de Alcains por causa do falar cerrado. mas são eles que estão errados?É assim que se fala, todos falam assim."Até inventamos a fórmula: "Onde quer que vandes mostrandes logo o que sandes..."


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
No dia 08/01/1974, faleceu o furriel Zeca Rachide,...
Cheguei aqui pelo link no blogue O Cantinho da Jan...
Apply now for all kinds of loans and get it urgent...
Sou do Bat. Caç. 4613/72 que foi para Angola em fi...
Aí meu Deus eu tenho um pavor a esses bichos! Un d...
ei pessoal do bat cav 1927 e ex combatentes boa pa...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
I recebeu um empréstimo em um notável credores, ho...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links