Quinta-feira, 22 de Julho de 2010
Ó Bartolomeu...
Fernando Correia da Silva

Depois de uma interessante biografia do Patrão Lopes, Fernando Correia da Silva oferece-nos hoje uma sucinta história de Bartolomeu de Gusmão, o inventor do aeróstato. E diz assim:


Quando tudo aconteceu...


1685: Nasce em Santos (Brasil). 1701: Embarca para Lisboa. 1705: Inventa bomba que eleva água. 1707: Inventa a drenagem de embarcações. 1709: Constrói a Passarola. 1716(?): Regista sistema de lentes para assar carne ao sol. 1724: Morre em Toledo.

 Ó Bartolomeu:

sei que nasceste em 1685 em Santos (Brasil). Sei que tu e Alexandre, o teu irmão, estudaram no seminário jesuíta de Belém da Cachoeira, na Bahia. Sei que tinhas 15 anos quando embarcaste para Portugal. Também sei que te formaste em direito religioso, em Coimbra. A Companhia de Jesus ordenou-te sacerdote, sei disso. Com 16 anos mudas-te para Lisboa e ali passas a estudar matemática e física mecânica. Esse teu súbito apetite pela ciência é que me deixa espantado, tanto mais que já és pregador famoso, capelão da Casa Real a convite d’El-rei D. João V.

Ó Bartolomeu:

Regressas a Salvador da Bahia. A tua cabecinha não pára, ânsia de fazer coisas; em 1705 inventas e constróis uma bomba que eleva do rio Paraguaçu para um reservatório lá no alto, a água necessária ao colégio de padres. E em 1707 inventas um sistema para bombear a água para fora do casco dos navios; ou seja: acabas de inventar a drenagem automática das embarcações.

Ó Bartolomeu:

Outra vez em Lisboa reparas que uma bola de sabão, ao passar sobre a chama de uma vela, é impelida para o alto. Ou seja: o ar quente tem poderosa força de ascensão. É quanto basta para quereres construir um aparelho de andar pelo ar. Levas o plano a El-rei D. João V. Ele apoia-te e tu constróis o primeiro balão de papel pardo montado sobre uma tigela onde arde fogo. Nada acontece, o balão não se move, acaba por incendiar-se. Mas o segundo balão, esse sim! Sobe até ao teto da Casa da Índia, onde está a ser feita a experiência. Espantados ficam El-rei, a Rainha, toda a Corte, também o núncio apostólico em Lisboa, futuro papa Inocêncio XIII.

Ó Bartolomeu:

Esse primeiro sucesso empurra-te para a aventura decisiva. Armas um imenso balão de seda impermeável e um recipiente com fogo. Por baixo, uma barcarola para ser tripulada. O gigantesco balão a que dás o nome de Passarola é lançado da parte alta para a parte baixa de Lisboa; melhor dizendo: do Castelo de São Jorge para o Terreiro do Paço. Um sucesso! Um aeróstato 74 anos antes daquele que os irmãos Montgolfier irão inventar em França.

Ó Bartolomeu:

Entre 1713 e 1716 viajas pela Europa. Na Holanda registas o teu sistema de lentes para assar carne ao sol. E depois vives em Paris, a trabalhar como ervanário.
Regressas a Portugal mas começas a ser perseguido pela Inquisição. Não só porque a Passarola é uma afronta aos desígnios de Deus, mas porque és amigo de alguns judeus e cristãos-novos. Dada a indiferença d’El-rei perante a perseguição, resolves fugir para Espanha. Em 1724 uma súbita doença atira-te para um hospital em Toledo. Deitado de costas numa das cama sonhas que arde e cai a Passarola, junto com ela morres tu; fantasia, realidade...



Padre Bartolomeu de Gusmão (quadro de Calixto)



publicado por Carlos Loures às 01:00
link do post | comentar

2 comentários:
De Luis Moreira a 22 de Julho de 2010 às 02:08
Ó Bartolomeu, felizmente que há gente interessada e que tantos anos depois não te deixa morrer...


De Passarão a 23 de Julho de 2010 às 16:22
Ó Fernando
que belo texto sobre o Bartolomeu. É com textos desres que se podem ensinar meninos.
Ó Fernando
o texto é extremamente criativo, daqueles que
dá prazer ler e aprender.
Ó Fernando
eu já sabia que o D. João V era uma besta.


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
I recebeu um empréstimo em um notável credores, ho...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Recebi um empréstimo de um credores excepcionais, ...
Para a sua atençãoMais preocupação por seus proble...
Carlos Loures a Anália já aqui disse tudo. Ter em ...
Caro Carlos Loures, Obrigada pela sua resposta. Es...
Agradeço o seu depoimento. Só agora respondo porqu...
Tanto quanto soube recentemente, foi o próprio Car...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links