Domingo, 28 de Novembro de 2010
Economia, Essa Mãe Solteira (ou será o pai?)
Augusta Clara de Matos

Toda a gente fala em economia em Portugal. Todo o bicho careto sabe falar de economia neste país. Porque é que praticamente ninguém fala em política? Assumem todos que a economia é a política possível , é por causa da mundialmente assumida crise ou é, por qualquer outro desígnio, que já não interessa falar em política?

Isto só pode ser um desabafo meu que não sei nada de economia, nem é assunto para o qual tenha qualquer apetência. Mas, se todos desabafam – não acredito que todos saibam do que estão a falar quando falam de economia, mesmo quando falam de amor, sabe Deus…- porque não hei-de desabafar também?

Ah, a minha experiência partidária foi tão frutífera que, agora, já me posso dar ao luxo de desabafar.

Ainda há pouco publiquei aqui uma entrevista realizada em 1984 sobre a situação da mulher – e, como também se comemorou agora o 25 de Novembro, vem tudo a propósito - onde se aludiu àquela prática tão corrente nos partidos de “quando um burro zurra o outro, ou seja, a outra baixa as orelhas”. Havia uns burros que sempre se julgavam menos burros mas, afinal, veio a provar-se que éramos todos iguais senão não tínhamos chegado a este estado. Mas foi há tanto tempo que, agora, deve estar tudo diferente.

De modo que já me sinto à vontade para afirmar que o desinteresse da maioria da população pelos temas que fazem a ordem dos dias – o Orçamento Geral do Estado, a Dívida Externa, o FMI…mau grado sejam os infernos donde lhe vêm todos os malefícios, prova que não é de política que nos andam a falar, que não é da “vida da cidade” que andamos a tratar. Porque, se fosse, estávamos entusiasmados como já estivemos noutros tempos quando queríamos construir um país novo, quando chegou quase a ser possível que isso saísse das nossas mãos.

Então o que é falar de política? E se começássemos por aqui?


publicado por Carlos Loures às 16:30
link do post | comentar

19 comentários:
De Luis Moreira a 28 de Novembro de 2010 às 16:45
Só se fala de política depois da barriga, pelo menos, meio cheia.E a política, nos nossos dias, passou a ser mandar dinheiro para cima dos problemas.Tens razão, assim não vamos lá.


De Carlos Mesquita a 28 de Novembro de 2010 às 19:42
Por certo sem quereres, estás a defender a iliteracia. É tão importante para o discurso político de hoje, a iliteracia económica, como foi para o fascismo o obscurantismo. Como se avaliam as políticas correctas (justas para o colectivo) sem o enquadramento económico? O que é a política? São só as personagens, os grupos, os hinos ou bandeiras, as citações do século XIX, as irritações, e os casos - os casos com certeza são o entretem político por excelência.
A política é a vida real e não os casos, o que determina fundamentalmente o tipo de vida são as opções económicas. Como alguém pode falar de política sem entender nada de economia é um mistério para mim. Depois fala-se da má distribuição da riqueza sem entender o que é a riqueza, que não se paga as dividas sem saber o que é a divida, que há desemprego sem perceber como se cria emprego, que não há dinheiro sem entender como se faz o dinheiro, falam falam, tem-se, é preciso, devia ser assado ou cozido, e vai-se esmiuçar, é só contributos para a ignorância. Não colaboro nisso.
No jornal onde escrevo para transmontanos de todas as classes, quando defendo a construção de barragens falo do peso do petróleo nas importações e na balança eergética, se defendo as refinarias refiro a importância dos produtos refinados nas exportações, etc. Como é que se defendem umas ou outras opções? Foi o Louçã que disse, ou a Quercus ou um amigo ou vizinho, ou é só por parecer bem.
Desde que tenho o comité central entre as orelhas e não tenho um colectivo a pensar por mim, tentei aprender alguma coisa que sustente as minhas opiniões.
Defender que a economia é tema para especialistas, tem dado nisto que se vê; toda a gente a ser enganada por não distinguir o que são promessas realizáveis das impossíveis de cumprir. Sem a enorme taxa de iliteracia dos temas económicos os eleitores decidiriam mais esclarecidos, mas isso não interessa à demagogia política de esquerda e da direita. Eu defendo que a economia devia ser ensinada desde o inicio da escolaridade, os seus rudimentos são facilmente entedíveis pelas crianças.


De augusta.clara a 28 de Novembro de 2010 às 19:53
Não, não estou Carlos mas, neste momento, estou demasiado cansada para te responder. Sob esse ponto de vista só podiam governar os economistas.


De Luis Moreira a 28 de Novembro de 2010 às 20:56
Todos nós percebemos isso após a célebre frase "é a economia, estúpido", Mas a economia não é uma ciência exacta.Há demasiadas varáveis, mas há modelos matemáticos que permitem saber quais são os resultados se fizermos um determinado "imput" em determinada actividade e quais são os "outputs" ao nível da criação de empregos, riqueza, exportações...e por actividade. Nos anos 70 o Engº Cravinho era um dos técnicos que estudavam na Suiça esses modelos para aplicar em Portugal. Lembro-me que ele nos disse que a Suiça trabalhava no modelo já, naquela altura, há 15 anos.Com os computadores esses cálculos são, agora, muito fáceis. Só a política é que explica opções que se mostram desastrosas.


De carlos loures a 28 de Novembro de 2010 às 21:07
A Augusta Clara ironizou sobre uma história por ela vivida. É uma história engraçada e tipifica situações que, de uma forma ou de outra, todos vivemos. Mas hoje o pessoal está de mau humor. Será por termos dado ênfase ao tema da Economia?


De adão cruz a 28 de Novembro de 2010 às 21:57
Estou com e como a Augusta Clara. Nada percebo de economia. Nas penso que não sou burro. Não reduzo, de modo algum, a política à economia. Antes pelo contrário, julgo que a economia é uma espécie de sangue, indispensável a todo o complicado mecanismo regulador de uma sociedade. E já não é pouco. Mas o mundo que se vive entre o sangue e todas as interfaces da vida humana é de uma tal complexidade e de uma tal delicadeza científica, filosófica, política e social, que eu penso que é ridículo reduzir tudo a uma questão económica.


De Luis Moreira a 28 de Novembro de 2010 às 22:08
Claro que não é só economia mas é muito.As opções que têm sido feitas em Portugal, principalmente na economia, são políticas.


De augusta.clara a 28 de Novembro de 2010 às 22:32
Com certeza. E cá estou eu que não queria falar mais nisto. Houve algum regime que não tivesse que tratar dos assuntos económicos? Nem é pergunta que se faça. Mas quem trata dos assuntos estratégicos, das grandes linhas de desenvolvimento de um país (e não dos casos, como tu dizes,Carlos Mesquita)? São os economistas? Esses são técnicos de suporte à governação política como tantos outros. Quem decide as prioridades da distribuição do dinheiro são os políticos,ou deviam de ser. E, na minha opinião, a nós, cidadãos, cumpre-nos mais ser políticos e influenciar os rumos que o país deve tomar. A economia vem por acréscimo. Não temos que ser todos economistas. Seja quem quiser, mas não é obrigatório. Há tantas áreas a tratar.


De augusta.clara a 28 de Novembro de 2010 às 22:36
Este com certeza era para o comentário do Adão e não para o teu, Luís. Não misturemos as coisas, já basta que as misturem para nos enganar. Economia é uma coisa e política é outra.


De Carlos Mesquita a 28 de Novembro de 2010 às 23:36
Tenho estado a trabalhar (problemas económicos) e vou voltar que tenho uma coisa para entregar amanhã cedo.
Só uma nota: Nem economia nem política... é economia política desde os clássicos e agora com maior razão. Custa-me perceber a relutância de algumas pessoas com alguma formação marxista em abordar os temas económicos - ou da economia política que é do que se trata. O que se passa hoje, da internacionalização/globalização do capitalismo à imparável inovação tecnológica, foi demonstrado pelo gajo das barbas. A não ser que o marxismo dominante seja o do bigodes (tendência Groucho); as leis são as mesmas, os problemas previstos e as soluções são da Economia Política. De qualquer maneira o gajo das barbas não era padeiro nem escreveu "O Capital" para fazer concorrência ao Pantagruel.
Até amanhã. Abraço.


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
No dia 08/01/1974, faleceu o furriel Zeca Rachide,...
Cheguei aqui pelo link no blogue O Cantinho da Jan...
Apply now for all kinds of loans and get it urgent...
Sou do Bat. Caç. 4613/72 que foi para Angola em fi...
Aí meu Deus eu tenho um pavor a esses bichos! Un d...
ei pessoal do bat cav 1927 e ex combatentes boa pa...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
I recebeu um empréstimo em um notável credores, ho...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links