Domingo, 27 de Junho de 2010
Baptismo
Ethel Feldman


A dona Aurora era assim. Um erro no ditado – uma reguada acompanhada de um sorriso maldoso. Cansada respondi ao interrogatório. Mal via a hora de poder dar o nome da minha menina.

- Nome do pai...

- Desconhecido

Uma mulher cinzenta levanta a cara, baixa os óculos para a ponta do nariz. Com um sorriso auroriano, acrescenta:

- E a mãe – existe?

Nunca gostei de cartórios. São lugares escuros que cheiram a mofo. Na entrada um número sem fim de setas indicam os serviços. Perdidos, os utentes erram os guichés de atendimento. Após vários grunhidos, encontro a fila das certidões de nascimento.


- Nome da criança?

- Tenho aqui escrito, por favor leia:

“Quero inventar um nome. Moro na beira do rio. Deste lado conheço cada canto do mundo. Do outro vejo um horizonte sem fim. Se a senhora me deixar, a minha menina terá o nome da ponte que sempre sonhei.

Em criança encostava minhas mãos nos joelhos para deixar que meus companheiros saltassem por cima – eu era a passagem em cada risada.

Deste lado crescem as oliveiras. Do outro adivinho um pomar. Fiz um barco, mas o caminho é tão longo que tenho medo de afundar antes da outra margem alcançar. Se meus companheiros tivessem deixado crescer as pernas, todos juntos, curvados, teríamos aberto caminho. Mas cresci sem conseguir encontrar a forma.”

- Tem que prestar atenção! Veja só como coloca as vírgulas - separa sempre o sujeito do predicado. Depois de escrever tem que tirar uma folga do texto e voltar a ele para fazer revisão.

- Que ponha a vírgula o leitor onde lhe faltar a respiração…

- Nem falo na aparência. Acha isto aceitável?

- Mas a senhora leu. Posso inventar um nome?

- A lei protege as crianças de todos os estrangeirismos. Os nomes não se inventam...

- Antes que recuse, escute o resto, por favor. Se ela for Maria encontrará João do outro lado do rio. Juntos serão a ponte. Uma sombra protegerá os novos caminhantes. Quem teimar em atravessar o rio a nado poderá descansar um intervalo em cada pilar – o tempo de uma respiração. Quando o Norte se unir ao Sul...

O pó vai se acumulando nas mesas de cada funcionário. Na parede um relógio dita o fim do expediente. Uma mão malcriada fecha a boca da janela. Uma mulher cinzenta oferece-me as omoplatas.

Da janela do meu quarto cheiro o rio. Adivinho do outro lado um horizonte sem fim. Malgrado as vírgulas que esqueci, a minha menina será a ponte que eu não soube construir.


publicado por Carlos Loures às 23:55
link do post | comentar

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Apply now for all kinds of loans and get it urgent...
Sou do Bat. Caç. 4613/72 que foi para Angola em fi...
Aí meu Deus eu tenho um pavor a esses bichos! Un d...
ei pessoal do bat cav 1927 e ex combatentes boa pa...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
I recebeu um empréstimo em um notável credores, ho...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Recebi um empréstimo de um credores excepcionais, ...
Para a sua atençãoMais preocupação por seus proble...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links