Quarta-feira, 24 de Novembro de 2010
O Brasil na Bienal de Arquitetura de Veneza - 2010
Sílvio Castro

Com o encerramento da 12ª. Exposição Internacional de Arquitetura de Veneza (29/08 – 21/11 2010), podemos verificar que a sua organizadora, Kazuyo Sejima, conseguiu incorporar novas e convincentes conotações à manifestação veneziana. Com a sua proposta metodológica subordinada ao tema People meet in Architecture, ela demonstrou ser possível fazer uma Bienal de Arquitetura igualmente vista como uma Bienal de Arte: mais do que nunca, a exposição veneziana equilibrou o seu aspecto técnico e especialístico com a presença estética da própria representação. Com isso, a Bienal abriu-se a um público maior de visitantes, 170.000, 38% a mais daquela que visitara a precedente exposição de 2008. Toda essa multidão de expectadores pôde gozar contemporaneamente o lado técnico dos projetos apresentados e a trancrição artística dos mesmos, tudo em grande equilíbrio. Diante dos pavilhões nacionais estáveis na área dos Giardini, ou nas diversas sedes espalhadas por toda a cidade (a exposição de Portugal encontrou sua posição ideal nos espaços magníficos da Universidade Ca’Foscari – cf. o nosso artigo a propósito, neste mesmo blog na abertura da exposição), a inovadora edição de Kazuyo Sejima soube propor para a Bienal de Arquitetura uma nova perspectiva.

O Brasil esteve positivamente representado na grande festa veneziana. Na sede tradicional do estèavel Pavilhão brasileiro dos Giardini, apoiado pelo comissário Heitor Martins, presidente da Bienal de Arte de São Paulo, o curador Ricardo Ohtake mostrou uma fisionomia ampla da arte arquitetônica nacional, tudo a partir da proposta temática “50 anos depois de Brasília”. O crítico paulista soube homenagear dignamente o meio-século decorrido da inauguração da moderna capital brasileira e, ao mesmo tempo, mostrar um amplo quadro das atividades criadoras de alguns dos mais significativos arquitetos brasileiros contemporâneos. Traduzindo a proposta organizativa e em plena lógica com ela, a exposição vem centralizada pelo percurso correspondente da obra de Oscar Niemeyer, para em seguida abrir-se a alguns dos jovens arquitetos de menos de 50 anos de idade, surgidos justamente depois da inauguração de Brasília.

Partindo da obra do Mestre maior da moderna arquitetura brasileira, o curador desenvolve um processo de análise que vai desde os momentos modernistas da operação de Niemeyer, até um possível pós-moderno dos jovens arquitetos selecionados para a ocasião.

A carreira centenária de Oscar Niemeyer (no próximo 15 de dezembro todo o Brasil festejará o seu 103º. aniversário) vem representada desde a pioneira obra do bairro de Pampulhas, de Belo Horizonte, nos anos da década de 40, antecipadora de quanto seria realizado pelo gênio arquitetônico nos projetos da nova Capital, Brasília, visíveis no Pavilhão veneziano com a arquitetura dos Ministérios, do Parlamento, da Catedral de Brasília etc., etc.. A grande criatividade se mostra até obras mais recentes, como o MOM - Museo Oscar Niemeyer, Curitiba, Paraná, de 2002, ou o extraordinário MAC – Museo de Arte Contemporânea de Niterói, Rio de Janeiro, 1993/2007, passando por outros projetos famosos, como aquele da sede da ONU, em Nova Iorque. Com os seus projetos, distribuidos por todo o mundo, Niemeyer transforma a momentânea revolução modernista brasileira em perdurável forma de modernidade artística.

Alargando a perspectiva expositiva, o curador brasileiro apresenta alguns jovens arquitetos nascidos depois da inauguração de Brasília e, como consequência, partecipantes da renovação ocorrida na arquitetura brasileira a partir de 1990 e sempre vigente. Os novos arquitetos em mostra são: Mário Biselli e Artur Katchborian, que trabalham com amplos espaços e volumes, com uso de material e técnicas próximos aos pontos de vista da indústria; Ângelo Bucci, com uma arquitetura que se aproxima muito da escultura, de boa sabedoria artesanal; os jovens arquitetos Daniel Corsi e Dani Hirano (Museo Esplorativo de Ciência da UNICAMP , Campinas, São Paulo, 2009; Casal Globa, 2005); Marcos Bodarini, dedicado predominantemente a projetos para as favelas. Completam o quadro, Gustavo Penna e Mariza Machado Coelho, autores do Memorial da Imigração Japonesa (Belo Horizonte, Minas Gerais, 2007-2009), realizado para a comemoração do centenário da imigração japonesa no Brasil.

A presença brasileira se completou com a sala do Pavilhão Central da Bienal na área dos Giardini com uma preciosa retrospectiva da arquiteta italo-brasileira Lina Bo Bardi, criadora, entre outras obras famosas do MASP, Museo de Arte de São Paulo.
______________

Vejamos um vídeo sobre a presença do Brasil na Bienal de Arquitetura de Veneza:



publicado por Carlos Loures às 21:00
link do post | comentar

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
HOLA...¿NECESITA PRESTAR DINERO PARA PAGAR CUENTAS...
Bom-dia Senhoras e Senhores.Sou uma mulher de negó...
Sou uma mulher de negócio Portuguesa e ofereço emp...
Dude, if you were trying to sound portuguese let m...
Olá Andreia! Sei que esta publicação já é antiga. ...
Patricia Deus vai abençoar você e sua empresaMeu n...
Meu nome é Fábio João Pedro e eu sou de Portugal. ...
Meu nome é jose matheus Giliard Alef sou do brasil...
Bom dia a todosMeu nome é Damián Diego Alejandro, ...
Olá a todosEu sou Tainara izabella paola e sou da ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links