Domingo, 17 de Outubro de 2010
Aquele pôr-do-sol
Augusta Clara de Matos


Inês sentia muitas vezes esta extraordinária capacidade de se maravilhar: perante uma ideia, uma conversa com alguém ou a possibilidade de qualquer futura realização.

As paisagens - os rios, se bem que tempos houvera em que sempre olhava o Tejo com uma emoção crescente, os campos, as árvores que tantos autores descreviam como quem capta um pormenor – tinham andado arredadas de si nos últimos tempos. A Natureza entusiasmava-a mais no que tinha de criadora do que de estética.

Mas aquela visão era magnífica!

Só no “2001” do Kubrick se lembrava de imagens com a mesma perspectiva de infinito, de algo de extraterrestre. Contudo, nem aí conseguira este deslumbramento.

A camioneta rolava há algum tempo na direcção do mesmo ponto cardeal o que, felizmente, lhe permitia observar o deslumbrante espectáculo sempre do mesmo ângulo.

Antes dele se lhe apresentar ao olhar ia muda, olhava a estrada um pouco anestesiada pelo movimento, sem consciência das referências. Tanto podia ser a camioneta que se movia como a paisagem. Não daria por isso.

Pensava em Ricardo. Sabia que não conseguiria esquecê-lo tão depressa. Acreditava mesmo não poder esquecê-lo até ao fim da sua vida. Tentava sempre concentrar-se inteiramente nessa ideia para poder interpretá-la até ao âmago.

Porquê este homem assim? Porquê esta quase certeza? Não fora outras que experimentara aquando de casos anteriores e poder-lhe-ia retirar o quase.

Mas, não! Com Ricardo fora diferente, seria diferente. Ele era o homem da vida toda, com o seu mistério, o seu absurdo. Conhecia-o tão bem e nunca o entenderia. Nunca se conhece integralmente alguém, pensava. Ou é porque não se aceita?

Os retratos que vira em casa de Cristina mostravam-lhe um Ricardo jovem, com cabelo farto e calças largas à moda da época. Mas era do Ricardo de agora que Inês gostava. Àquele nunca o teria amado.

Fora assim que o conhecera: com menos cabelo, prematuramente embranquecido e com largas entradas. Era o seu rosto marcado que ela gostava de olhar, as sua faces cavadas que gostava de acariciar. Fora a sua boca de dentes amarelecidos por anos de tabaco que beijara com êxtase.

Fora a sua integral humanidade que a pudera prender. Sim, só isso, pensava, porque Ricardo não tinha enfeites, nem era terno.

Reconhecia-lhe e admirava-lhe a inteligência brilhante não sem que, por vezes, deixasse de sentir contra ele uma raiva aguda, quase ódio, pela maneira como era capaz de a utilizar sempre que, em algum momento determinado, lhe interessava eliminar um adversário.

Numa conversa, numa reunião, à roda duma mesa de jantar, sempre que o seu brilho corria perigo, Ricardo armava-se da sua inteligência e desferia, sem piedade. Era um homem honesto. Mas tinha que ser o melhor. E a subtileza com que o afirmava à sua volta irritava Inês.

Uma certa luta entre ambos fora decisiva para o estreitamento de uma mútua afeição.

Olhou, de novo, as nuvens e desviou-se de repente dos seus pensamentos. Por cima da placa cinzento chumbo, qual duplo teto, o sol dardejava largas faixas divergentes em círculo. A luz era intensa e deixava adivinhar profundidades insondáveis duma clareza brilhante. Um volume, cujas três dimensões bem demarcadas o figuravam suspenso não percebia donde, misturava-se nessa sinfonia de luz e sombra de outro mundo.

Vira belos pôr-do-sol que lhe haviam provocado suaves sensações como a beleza sempre provoca. Aquela não era uma suave sensação. Era uma sensação de desassossego, de forte perturbação, de cataclismo.

Inês pensava: o melhor será não dizer nada. Quando se diz algo a alguém, seja em que sentido for, seja qual for a maneira como se diz, está sempre a fazer-se uma chantagem, ou talvez não, mas, pelo menos, a lançar um SOS o que implica forçá-lo a tomar uma atitude na nossa direcção, atitude que, normalmente, não poderá ser verdadeira se não for positiva.

A solidão humana não tem remédio. É singular.

E voltou a concentrar-se no pôr-do-sol.


publicado por Carlos Loures às 19:30
link do post | comentar

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
HOLA...¿NECESITA PRESTAR DINERO PARA PAGAR CUENTAS...
Bom-dia Senhoras e Senhores.Sou uma mulher de negó...
Sou uma mulher de negócio Portuguesa e ofereço emp...
Dude, if you were trying to sound portuguese let m...
Olá Andreia! Sei que esta publicação já é antiga. ...
Patricia Deus vai abençoar você e sua empresaMeu n...
Meu nome é Fábio João Pedro e eu sou de Portugal. ...
Meu nome é jose matheus Giliard Alef sou do brasil...
Bom dia a todosMeu nome é Damián Diego Alejandro, ...
Olá a todosEu sou Tainara izabella paola e sou da ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links