Sexta-feira, 20 de Agosto de 2010
Novas Viagens na Minha Terra
Manuela Degerine

Capítulo LXXXIV

Vigésima primeira etapa: de Valença ao Porrinho (continuação)


A partir de Tui contamos com mais esta facilidade: o caminho é assinalado através de marcos quilométricos que indicam a distância até Santiago de Compostela.

Entramos na cidade, chegamos à catedral. Vemo-nos perante uma estrutura compacta, pormenorizamos a fachada e o portal românico, depois poisamos as bagagens, visitamos o museu, com as demoras que merece, observamos o interior da catedral, subimos ao terraço, espreitamos do miradouro... Avistamos algumas casas em ruínas: sintoma funesto. Na catedral encantam-nos as representações do céu, do inferno, do purgatório e dos limbos... Uma imagem de Santiago lutando com os sarracenos recorda-me: é o santo da reconquista.

Até à crise de 1383-1385, os portugueses invocavam Santiago, porém a partir daí, sobretudo nas lutas com Castela, passaram a invocar S. Jorge: Santiago era o protector dos inimigos. Terá isto contribuído para o esquecimento da peregrinação jacobeia, juntando-se aos factores que, por toda a Europa, causaram tal declínio? Nos textos lidos, a partir do século XVI, encontro com mais frequência a palavra romeiro do que a palavra jacobeu. Romeiro ganhou, a pouco e pouco, o sentido de peregrino, provando ser a peregrinação a Roma mais frequente do que a Santiago.

Descemos umas escadas, passamos pelo Túnel das Clarissas, continuamos na direcção do rio. Saímos de Tui por um caminho agradável, passamos por uma igreja e um cruzeiro e, mais adiante, ao lado de uma ponte medieval... O céu cobre-se de lã cinzenta. Choverá?... Caminhamos à beira de uma estrada, na qual todavia não circulam demasiados carros e, no ponto quilométrico 109.278, alcançamos outra mais estreita e sossegada, que nos conduz enfim a um caminho. Atravessamos uma pequena mata. Almoçamos na clareira de S. Telmo. Cai uma chuva miudinha.

No percurso através de Tui não encontrámos bom pão; resta porém, a cada um de nós, um pouco de fruta e de pão com nozes. Compartilho com o meu companheiro de viagem uma barra de proteínas; ele oferece-me uma dose de mel. A vantagem de comermos os restos é prosseguirmos agora com as mochilas mais leves.

Prolongamos a conversa começada no caminho para Barcelos. Os projectos. As amizades. As leituras. O que observamos. As dificuldades do caminho. A chuva que começa a cair... (Trago dentro da mochila a roupa molhada mas, por enquanto, é evidente, não posso pendurá-la a secar.)

Hoje é o quarto dia que em caminhamos juntos. No que me toca, gosto de caminhar sozinha, de seguir no meu ritmo, de me concentrar na paisagem; indo acompanhada, disperso-me, sem dúvida, mais um pouco. Por outro lado, uma companhia reduz os riscos: ser atacada ou cair e não poder chamar os socorros. Ambas as situações trazem vantagens e inconvenientes. Para além disto, um encontro é uma aventura humana – sempre única – e, para mim, o contacto com habitantes ou caminhantes no Caminho de Santiago não conta menos do que as paisagens, por isso sentia-me muito contente caminhando sozinha porém, tanto com Maria como com Sérgio, aprecio igualmente caminhar acompanhada. (Incomoda-me um pouco que agora, por sermos um homem e uma mulher, os outros caminhantes nos interpretem às vezes como um casal). Em contrapartida, tendo enviado a Maria várias mensagens que não obtiveram resposta, interrogo-me sobre a validade dos encontros neste mundo paralelo; para a vida verdadeira transitarão apenas as experiências fundamentais. Mas que importa?.. A minha vida resulta da interacção de tudo quanto vivo e, por agora, ignoro se é ou não fundamental caminhar, neste instante, na direcção do Porrinho.


publicado por Carlos Loures às 10:00
link do post | comentar

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
bom dia meu tio de nome joao da cunha fernandes da...
Sou James Roland, de Portugal. Alguns meses atrás,...
Oferece empréstimos de dinheiro variando de 5000 a...
Here is a good news for those interested. There i...
oferta para todosOlá, volto para todos os indivídu...
esse dalmaso nao e brasileiro ele deu depoimento e...
Meu nome é Patricia Martins, de Portugal, um pai s...
Dia bom, Meu nome é Laura Pablo, eu quero testemun...
Afinal em que ficamos? Esta coisa do Daflon do Ven...
UPDATE ON LOAN REQUIREMENT If you are in need of ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links