Terça-feira, 17 de Agosto de 2010
Novas Viagens na Minha Terra
Manuela Degerine

Capítulo LXXXI



Vigésima etapa: em Valença (continuação)

Jantámos afinal muito bem, graças à gentileza dos venezianos. Quando tentamos fazer um chá, evidentemente: o copo único encontra-se apreendido.

Conversamos – sem rancor – com o casal que se apoderou de nossa esperança de chá. Dois alemães, um senhor todo de preto vestido, com cinquenta e tal anos; e uma rapariga muito bonita. O senhor, quando percebe que falamos francês, exclama:

- Ah, finalmente: chegou a ocasião de eu falar francês!

Exprime-se num francês sem erros nem sotaque. Porém, como a rapariga não compreende a língua gálica, trocamos meia dúzia de frases e acabamos todos por falar inglês.

Neste albergue encontra-se igualmente uma família franco-germânica. O pai é alemão, a mãe é francesa, a filha, já adolescente, fala ambas as línguas dos pais. Esta família acompanhar-nos-á, daqui em diante, até Santiago de Compostela. Hoje pouco os vemos, pois encontram-se a descansar.

Também dorme aqui um senhor espanhol, com cerca de setenta anos, sem dúvida, cujos pés se encontram cobertos de bolhas infectadas. Quando escrevo a palavra bolhas, cumpre explicar que não se parecem com o que, nos meus pés, tenho designado como bolhas: as dimensões de um compeed não correspondem, nem de perto nem de longe, à extensão daquelas feridas. Aconselho que vá ao hospital. Ele replica que já percorreu diversas vezes o Camino Francés e que, sem esforço, não há mérito. Bem... Se a fé move montanhas, talvez cure até as infecções. Eu, que não tenho fé, antes de chegar a tal ponto, teria parado e tratado dos pés.

Perguntará o leitor... Onde ficou a multidão que nos ultrapassou na vertigem dos quatrocentos e cinco metros de altitude? Pois: em S. Roque. Ou em Rubiães. E os que escalaram ontem os mesmos píncaros seguiram, quase todos, para Tui.

Pernoitando em Valença fizemos a opção não só necessária mas também conveniente: talvez, à hora a que chegámos, o albergue de Tui estivesse completo.

Hoje deito-me cedo. E, embora me pareça que dormi pouco pois, a princípio, o meu coração palpitava e precisei de algum tempo para adormecer, embora me pareça ter sentido frio durante toda a noite – dormi na realidade bem.

Levanto-me, como cumpre, às seis horas. O tempo continua húmido: não encontro a roupa mais enxuta do que quando a pendurei, ontem à noite, no estendal. Visto portanto as calças e a camisola molhadas; as peúgas secaram, ontem à noite, nos meus pés. Que arrepio... Felizmente dura poucos segundos. Quando chegarmos ao campo, pendurarei o resto na mochila: secará ao sol.

Aproveitando a partida dos Alemães Elegantes, que de novo se anteciparam, conseguimos açambarcar o copo único, bebemos portanto o chá à vez (e comemos um pouco de pão com nozes), antes de visitarmos Valença e tomarmos o pequeno-almoço. A família franco-germânica espera pelo copo – tento ser rápida porém, para haver chá, a água quente precisa de agir três minutos, depois convém não me queimar. Quando, por fim, acabo de beber, com a língua um pouco escaldada, passo o copo ao Sérgio – que também escalda a boca.

Os italianos despedem-se. Depois de saírem noto, em cima da mesa, uns rolos minúsculos de plástico – o que é isto? Dois sacos de supermercado dobrados de maneira muito especial: são origamis. Que minúcia no modo de dobrar os plásticos... Nunca vi nada assim.

- De quem serão?...

- De quem hão-se ser? Da minha compatriota: evidentemente!

Oiço algo como uma irritação no meu plácido companheiro de viagem. A veneziana não se enganou: o único lugar à face da Terra onde estes dois se podem tratar por tu deve ser o Caminho de Santiago.

tags:

publicado por Carlos Loures às 10:00
link do post | comentar

1 comentário:
De Luis Moreira a 17 de Agosto de 2010 às 13:56
ter uma "boas" bolhas é uma benção nesse caminho de babel...


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
OláEu sou Ibrahim Mohammed do Emirado árabe unido,...
Eu sou um disposo privada de um fons de that em ro...
Eu sou um disposo privada de um fons de that em ro...
Potrebuješ pôžičku? Máte nízke kreditné skóre a ne...
Atenção; Você é um homem de negócios ou uma mulher...
Viveu bastantes anos em Portugal, mais precisament...
Empréstimo e InvestimentoOlá a buscar um empréstim...
No dia 08/01/1974, faleceu o furriel Zeca Rachide,...
Cheguei aqui pelo link no blogue O Cantinho da Jan...
Apply now for all kinds of loans and get it urgent...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links