Sábado, 21 de Agosto de 2010
Novas Viagens na Minha Terra
Manuela Degerine

Capítulo LXXXV

Vigésima primeira etapa: de Valença ao Porrinho (continuação II)




Vemos campos de milho do ano passado. As espigas foram apanhadas, ficou o resto da planta. Recordo-me de um tempo em que, nas Sarzedas do Vasco, a terra dos meus avós, também se cultivava milho: a bandeira era cortada, ainda verde, a folha apanhada e enfaixada, ambas serviam para alimentação das ovelhas, depois a espiga era colhida, as canas arrancadas e queimadas num borralho, cujas cinzas serviam para adubar a terra – não se desperdiçava nada. Aqui o abandono da planta denota uma exploração apressada: os agricultores são idosos ou vivem de outras actividades. Este parte, aquele parte, escreveu Rosalía no século XIX; mas o êxodo rural não atingiu só a Galiza.

O abandono dos campos é uma constante no Caminho de Santiago e fora dele; como, no mercado de Tomar, a maioria de produtores ronda os sessenta e cinco anos, receio que, dentro de pouco tempo, o resto dos terrenos ainda cultivados fique ao abandono: comeremos uva chilena, maçã brasileira e tomate holandês. Tudo sem gosto – claro.

Ainda fui testemunha, nos meus primeiros dez anos, de um mundo que entrara já em decadência e entretanto desapareceu, bastou porém para eu perceber que, de muitos pontos de vista, oferecia maior qualidade de vida do que o nosso: no ritmo, no equilíbrio, na segurança, na sustentabilidade. Não falo, é claro, dos ganhões do Alentejo, explorados nos limites da fome – os quais só podiam melhorar a situação; mas de pequenos proprietários da Beira Litoral. Este modo de produção autárquico, no qual só se comprava o sal, algum sabão (corava-se a roupa ao sol), um pouco de açúcar (adoçava-se com mel), alguns tecidos (a minha avó, ao contrário da mãe dela, não cultivava nem fiava o linho), alfaias e panelas de ferro, não voltará – é certo. Devemos todavia guardá-lo nas memórias, pois ajudar-nos-á, se formos inteligentes, a reflectir sobre o nosso.

A geração da minha mãe deixou as aldeias buscando uma vida melhor mas só encontrou uma vida diferente. Eu, com oito anos de estudos universitários, tantos livros e tantas viagens pelo mundo, a televisão, o dvd e a Internet – não sei mais do que a minha avó. De muitos pontos de vista, essenciais para a minha vida, sei menos do que ela; e chego às vezes a suspeitar que o vocabulário da minha avó tinha mais palavras. Para além disto, não beneficio de melhor saúde, embora tome mais medicamentos, a aparente vantagem de ganhar mais dinheiro, não me garante vida mais fácil; e nem ao menos sou mais respeitada: nunca ninguém insultou a minha avó. Conclusão lógica... Com o stress, o ritmo e todo este modo de vida, o ar, a água e a comida envenenados, as radiações disto e daquilo, vivo pior e viverei sem dúvida menos anos do que a minha avó. Chama-se a isto o progresso?


publicado por Carlos Loures às 10:00
link do post | comentar

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Olá Sr. / Sra.Você precisa de empréstimos para o p...
HOLA...¿NECESITA PRESTAR DINERO PARA PAGAR CUENTAS...
Bom-dia Senhoras e Senhores.Sou uma mulher de negó...
Sou uma mulher de negócio Portuguesa e ofereço emp...
Dude, if you were trying to sound portuguese let m...
Olá Andreia! Sei que esta publicação já é antiga. ...
Patricia Deus vai abençoar você e sua empresaMeu n...
Meu nome é Fábio João Pedro e eu sou de Portugal. ...
Meu nome é jose matheus Giliard Alef sou do brasil...
Bom dia a todosMeu nome é Damián Diego Alejandro, ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links