Sábado, 15 de Maio de 2010
Italo Calvino nos 25 anos da morte


Sílvio Castro

A figura de Calvino no quadro literário italiano do Novecentos se apresenta como referência essencial e como marco de criatividade poética. Através de uma obra marcada por evidente modernidade, em consonância com os pontos que definem as experiências revolucionárias que transformaram não só a literatura, mas praticamente todas as expressões culturais do século XX, ele se coloca possivelmente como o escritor italiano mais universal de seu tempo.

Até mesmo as suas origens como que preanunciam a sua futura personalidade universal. Nascido em Cuba, em Santiago de Las Vegas, nas vizinhanças de Havana, aos 15 de outubro de 1923, filho de um pai da Ligúria, agrônomo de profissão, e de uma mãe sarda, doutora em ciências sociais, Calvino certamente absorveu da infância as influências de um ambiente familiar embebido de preocupações e atividades científicas. Seu pai chega a Cuba, onde permanece por três anos, depois de vinte no México. Sua mãe, pesquisadora científica num tempo em que as italianas ainda não gozavam dos plenos direitos civis e políticos, viveu sempre dedicada à sua formação científica e deu aos filhos, em particular a Calvino, o exemplo de uma personalidade forte e rigorosa. O futuro escritor, homem de empenho político e social, parte dessas características familiares, bem como de sua fortuita, mas marcante experiência pessoal de um nascimento na América Latina. Calvino se sentirá sempre muito preso à cultura latino-americana, não só àquela de língua espanhola, mas igualmente à brasileira. Conhecida era a sua particular admiração por Jorge Amado.

Retornado com a família em Itália em 1925, com ela se instala naquela Ligúria do pai, precisamente em São Remo. A paisagem do mar lígure, das grandes colinas e da longa costa de sua terra de formação, estará presente em muitos de seus livros. Sua mocidade ele a passa nos tempos difíceis do fascismo, nunca inteiramente aceito pela maioria dos lígures, e se prepara para participar das lutas pela extinção do regime. Apenas terminado o curso universitário em Letras, em comunhão com os ideais que a partir de 8 de setembro de 1943 lutam pela redemocratização da Itália, o jovem Calvino adere à Resistência e terminada a guerra se inscreve no Partido Comunista Italiano do qual se demitirá em 1956, depois da invasão soviética da Hungria. Em 1º de agosto de 1957, numa carta aberta a L’Unità, jornal do PCI e no qual desde há muito colaborava, dirigindo a página cultural, ele concluia a exposição dos motivos de seu ato e de sua vontade de não dever partecipar de uma discussão estatutária prevista para casos semelhantes:

“Desejo que, dado o espírito ponderado dessas minhas demissões, que me fossem evitados os colóquios previstos pelo Estatuto, que não fariam senão inclinar a serenidade dessa minha despedida. Peço-vos de publicar esta carta em L’Unità para que assim o meu comportamento apareça claro aos meus companheiros, aos amigos, aos adversários. Desejo enviar uma saudação àqueles companheiros que nos seus setores de trabalho lutam para afirmar justos princípios, e também àqueles mais distantes de minhas posições aos quais respeito como combatentes anciãos e valorosos, e ao qual respeito dou o máximo valor, apesar das nossas opiniões divergentes; e a todos companheiros trabalhadores, à parte melhor do povo italiano, dos quais continuarei a considerar-me o companheiro.”

O espírito de militante independente foi sempre uma característica do homem Calvino no percurso de seus sessenta e dois anos de vida.

De sua obra vão recordados os momentos culminantes, começando com a trilogia plena de fantasia criativa de “I nostri antenati”, com os excepcionais Il visconte dimezzato (1952), Il barone rampante (’57), Il cavaliere inesistente (’59). Em 1963, Marcovaldo ovvero Le stagioni in città, que trata justamente um dos temas, aquele urbano, mais caros à modernidade de Calvino. A respeito da relação entre o homem e o universo urbano, ele teve a dizer: “De uma cidade não gozes as sete ou setenta maravilhas, mas a resposta que dá a uma tua pergunta.” Do ano 1964 são as Cosmicomiche; de 1972 as fantásticas Le città invisibili e do ano seguinte, Il castello dei destini incrociati; de 1979, Se una notte d’inverno un viaggiatore, para chegar até a experiência da ficção científica com Palomare, de 1983.

Alguns anos atrás um editor brasileiro me convidou a fazer a tradução da “Obra Completa”, de Calvino, que ele estava por publicar. Não pude aceitar o convite em face de meus empenhos de pesquisa e didatica na Universidade italiana, pelos meus muitos trabalhos em via de conclusão ou em projetos, bem como porque não me reconhecia como um tradutor profissional. Para compensar uma frustração que jamais superei completamente em razão daquela resposta negativa, hoje proponho junto a este artigo, antecipador dos vinte e cinco anos da morte de Calvino – 19 de setembro de 1985 – a tradução de um dos seus contos presentes no volume Racconti, de 1958, justamente aquele de título “L’avventura di due sposi”, que nos mostra um Calvino politicamente militante, mas independente e principalmente um grande criador literário.

Desejo concluir este meu testemunho em homenagem aos vinte e cinco anos da morte de Italo Calvino reafirmando o quanto ele tivesse em consideração as literaturas de língua portuguesa, em modo especial aquela brasileira. Como clara demonstração de uma tal atenção reproduzo no original, com a correspondente minha tradução, uma carta que diz da troca de idéias que tive oportunidade de manter com ele sobre a produção literária de nossos autores. Desde os primeiros anos de minha experiência italiana, sempre em curso, procurei falar constantemene com os mais representativos operadores editoriais da Itália, como testemunho no meu volume de 1993, Trenta anni di portoghese a Padova e a Venezia. Calvino colaborou intensamente com a editora Einaudi, ali introduzido por Cesare Pavese, um dos responsáveis editoriais da Editora, e nela foi por muito tempo programador da política editorial. A carta abaixo que aqui publico pela primeira vez está assinada por Paolo Fossati, diretor editorial:

Torino, 4 marzo 1969

Professor
Silvio Castro
Fondamenta de Ca’ Bernardo 2196
S. Polo
V e n e z i a


Gentile Professore,
La ringrazio anche a nome di Calvino, che mi ha passato la Sua lettera, per le proposte che fà alla nostra casa editrice.
In particolare per ciò che concerne i due poeti brasiliani, di cui però vorremo farci un’idea più precisa. Lei potrebbe, in via preliminare a una nostra decisione, farci avere una cartella crítica di presentazione dei due e qualche traduzione Sua dei medesimi? Con questo materiale in mano potremo decidere.
Circa il Pavese: noi non ci interessiamo di sollecitare o collocare edizioni dei nostri escritori presso altri editori, e non ho quindi possibilità di proporre il Suo lavoro.
Lei può seguire la via inversa rivolgendosi alle case editrici interessate. Mi sembra l’unica soluzione pratica.
Gradisca un cordiale saluto

(Paolo Fossati)


(Muito gentil Professor,

Agradeço-lhe também em nome de Calvino, que me passou a sua carta, pelas propostas que nela faz à nossa casa editora.
Em particular pelo que se refere aos dois poetas brasileiros, dos quais porém que queremos ter uma idéia mais precisa. Poderia o senhor, em via preliminar a uma nossa decisão, fornece-nos uma página crítica de apresentação dos dois e algumas traduções suas dos mesmos? Com este material em mãos poderemos decidir.
Quanto a Pavese: nós não nos interessamos de solicitar ou colocar edições de nossos escritores junto a outros editores, e de consequência, portanto, não tenho possibilidade de propor o seu trabalho.
O senhor pode seguir a via inversa, contactando as editoras interessadas. Parece-me que seja esta a única solução prática.
Queira aceitar uma cordial saudação

(Paolo Fossati)

Tudo o que foi pedido por Fossati foi feito. Os dois poetas em questão eram Manuel Bandeira e Carlos Drummond de Andrade. Quanto a questão Pavese, certamente houve uma possível confusão por parte do responsável editorial de Einaudi em relação aos meus termos na carta que enviei a Calvino. Em verdade eu indagava, começando a trabalhar na tradução das “Poesias Completas” de Cesare Pavese, como estava a questão da venda de direitos da mesma para a área da língua portuguesa. Isso em face do problema ainda vigente hoje de direitos vendidos a editoras portuguesas para toda a nossa área linguística, com evidente dificuldades para os editores brasileiros. Logicamente eu, no momento em que considerasse concluído o trabalho da minha tradução, trataria diretamente com os editores brasileiros interessados. Mas a tradução entrou pelos anos. Agora está pronta, com uma longa apresentação crítica. Dentro em pouco farei propostas aos editores que fossem interessados à poesia de Pavese. Assim, essa será a minha segunda tradução de poetas italianos contemporâneos, depois da primeira, dos “Poemas Escolhidos de Quasímodo”, publicada pela editora Globo de Porto Alegre. A edição da minha tradução da poesia de Pavese será também, da minha parte, mais uma homenagem a Calvino, tendo em vista a grande amizade que o unia ao poeta de Lavorare stanca.

tags:

publicado por Carlos Loures às 21:00
link do post | comentar

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
HOLA...¿NECESITA PRESTAR DINERO PARA PAGAR CUENTAS...
Bom-dia Senhoras e Senhores.Sou uma mulher de negó...
Sou uma mulher de negócio Portuguesa e ofereço emp...
Dude, if you were trying to sound portuguese let m...
Olá Andreia! Sei que esta publicação já é antiga. ...
Patricia Deus vai abençoar você e sua empresaMeu n...
Meu nome é Fábio João Pedro e eu sou de Portugal. ...
Meu nome é jose matheus Giliard Alef sou do brasil...
Bom dia a todosMeu nome é Damián Diego Alejandro, ...
Olá a todosEu sou Tainara izabella paola e sou da ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links