Sexta-feira, 8 de Outubro de 2010
Celtas, Mouros, Judeus...
Carlos Loures

José Pedro Machado, meu amigo e grande filólogo de que já vos tenho falado, legou-nos dois importantes livros sobre a influência do árabe na língua portuguesa «Vocabulário Português de Origem Árabe» (1991) e «Ensaios Arábico-Portugueses» (1997). Por eles, podemo-nos aperceber da grande quantidade de vocábulos que, do árabe, foram emprestados ao português. Muitos são palavras de uso comum e quotidiano: alarido, alarde, albufeira, alcaide, aldrabão, alface, alfândega, algazarra, alicate, alpergata, alvoroço, argola, armazém, arsenal, baldio, bazar, bolota, cabide, chafariz, cifra, debalde, divã, enxaqueca, enxovia, falua, fateixa, fato, forro, fulano, garrafa, gazela, jarra, javali, lacrau, laranja, marfim, matraca, múmia, nora, oxalá, quintal, recife, sucata, tagarela, tarefa, tremoço, xadrez, zagaia… São milhares, incluindo muitas centenas de topónimos

Da arquitectura árabe pouco nos ficou, sabendo-se que os conquistadores destruíam os monumentos dos vencidos e, desse modo, as mesquitas eram transformadas em igrejas (acontecendo também o inverso), pois nem árabes nem cristãos tinham nesse dramáticos tempos o conceito da conservação do património. Consumada a Reconquista, tudo o que era muçulmano foi destruído, reconvertido, porém, apesar dessa destruição, muito se tem avançado no estudo dos vestígios da presença árabe, nomeadamente no Campo Arqueológico de Mértola, superiormente dirigido pelo Professor Cláudio Torres.

Na literatura, existem numerosos legados. O poeta e ensaísta Adalberto Alves, director do Centro de Estudos Luso-Árabes, de Silves, no seu livro «O Meu Coração é Árabe», estuda essa influência da cultura e da literatura árabes no nosso território. Com este livro obteve um prestigiado prémio internacional , o Prémio Sharjah 2008 para a Cultura Árabe, outorgado pela UNESCO. Em 2009 publicou outro magnífico estudo – “As sandálias do Mestre”, sobre a influência do Islão na formação de Portugal.

Não faltam exemplos da forte influência que os árabes, nos séculos que aqui estiveram, nos legaram. Eis um poema de Ibn Ammar (1031- 1084), nascido em Silves, que transcrevo de “O Meu Coração Também é Árabe”:

Este poema é para ti, Como um jardim que a brisa visitou

Sobre o qual repousar o orvalho da noite
Até que o ataviou de flores.
Do teu nome fiz-lhe uma veste de ouro.
Com o teu louvor derramei o melhor almíscar
Quem me suplantará? Se o teu apoio é sândalo
Eu o quereria no fogo do meu génio
Quando as brasas estavam ainda a arder.
O orgulho no amor – temei-o – é a sua vergonha
Mas o prazer – aproveitai-o - é o seu ardor.
Não peças à paixão que te dê domínio
Prefere ser escravo, nas suas mãos é que és livre!
Vós me dissestes: o amor prejudicou-te.
Eu respondi. Quem me dera me tivesse feito mal.
È que o meu coração escolheu doença para o corpo
Como forma própria de o adornar.
Deixai, pois, fazer a sua escolha
E não me critiqueis por estar emagrecido:
Não está a excelência de uma adaga
Precisamente na finura do seu gume?
Troçaste porque me deixou minha amada?
Quanto fim de mês oculta o crescente que vai vir!
Julgais que o fogo do esquecimento me consolara
Ou que um profundo sono chegará depois?
Mas ó coração, guerreiro da dor, se não sofresses mais
Quem te acudiria o socorro das lágrimas.


Onde pretendo chegar? A várias conclusões, mas principalmente a uma - depois de vos ter, já por diversas ocasiões, falado da esplendorosa cultura galega, coisa que tenciono continuar a fazer, falo-vos agora da grandeza da cultura árabe – pré-islâmica e islâmica. Nós não somos nem galegos, nem mouros, nem judeus, mas devemos a galegos e a mouros muito do que somos. E também aos judeus. Quanto os filhos de Moisés, que chegaram a constituir uma parte importante da nossa população, enriqueceram a nossa cultura e a nossa ciência e quanto do seu sangue circula nas veias de tantos de nós! E a herança celta, tão visível no Minho e em Trás-os-Montes? Somos um interface de culturas. E não pára.

Não pára, porque o fluxo de emigrantes extra-comunitários: cabo-verdianos, ucranianos, brasileiros, é mais um factor de enriquecimento do nosso património cultural (para não falar do património genético). Compensam, em termos demográficos, o défice que as novas concepções da estrutura familiar impõe.

Somos pessoas, em suma. Nenhuma cultura parte do zero ou se alimenta do vácuo. A nossa resulta de um intrincado tapete, de um mosaico onde se misturam e cruzam influências culturais, heranças, empréstimos linguísticos. Como sociedade aberta que somos e fomos nos momentos cruciais da nossa História, como na época dos Descobrimentos, a nossa cultura é enriquecida com o passado e com o que, no presente, nos trazem os milhares de imigrantes. Não temos que nos envergonhar de nenhuma dessas heranças nem com os contributos actuais. Só temos de nos envergonhar quando somos estúpidos ao ponto de ter vergonha.




Ouvimos aquí uma das «Cantigas de Santa María», do rei Afonso X de Leão e Castela (1252-1284) que, como sabemos utilizou na sua poesia o idioma galego-português. Este rei, embora tenha participado activamente na guerra da Reconquista, conservou na sua corte numerosos artistas, nomeadamente músicos mouros, dando assim um exemplo de tolerância para com os vencidos. Esta cantiga fala dos alarifes mudéjares, ou seja dos arquitectos e artífices mouros. Mudéjares eram os mouros aos quais foi permitido continuar a viver entre nós, mediante o pagamento de um tributo. Muitos deles eram artistas, cientistas, médicos… Afonso X, o Sábio, dedicou esta cantiga a esses artistas e artífices que embelezavam com a sua arte igrejas e palácios dos cristãos vencedores.

Quase oito séculos depois, estaremos mais sábios e tolerantes?


publicado por Carlos Loures às 12:00
link do post | comentar

4 comentários:
De augusta.clara a 8 de Outubro de 2010 às 12:33
Mais um belo artigo teu, Carlos. Náo nos queres falar do "Al Andaluz"?


De carlos loures a 8 de Outubro de 2010 às 16:11
Fica encomendado um texto sobre o Al-Andalus.


De augusta.clara a 8 de Outubro de 2010 às 18:09
Óptimo! Olha, já encontrei a entrevista da Q&I sobre as mulheres. Estou a relê-la para ta enviar por scanner. Vaisb ver o que é curioso.


De plácidoagitador a 11 de Outubro de 2010 às 07:51
É sempre bom lembrar que, em Portugal, já somos (quase, pode haver alguma excepção...) todos mestiços. E o mesmo por esse mundo fora, misturas de etnias diferenciadas pelo meio ambiente, todas - segundo o conhecimento científico actual - oriundas da mesma região africana.
Em Marrocos (onde - isto a propósito de outra parte do teu artigo - me disseram que, tradicionalmente, os vestígios monumentais de dinastias vencidas eram arrasados pelos novos senhores, do mesmo credo, mas fundadores de nova dinastia) confundiam-me com certo tipo de berberes.
Os Berberes são a etnia original de Marrocos, povo de pastores e nómadas, com um contencioso nunca totalmente sanado com os árabes, provavelmente o contingente predominante nos invasores da Península, cuja cor de pele vai do praticamente negro ao moreno muito claro, quase "branco", cabelo que pode ser preto, louro ou castanho (o meu é encaracolado e castanho claro... de origem), olhos negros, castanhos, azuis, cinzentos...
De apelidos (Pereira e Rato) pareço mais de origem cristã-nova, ao que se diz. Mas, amores de judeus e mouras, ou vice-versa, quantos não terá visto o luar do El-Andalus?
Mas o que queria sublinhar é a minha convicção de que o futuro vai ser muitíssimo mais mestiço que actualmente. Inexoravelmente. Deve ser a única vantagem da "globalização".
É vê-los, aqui no meu bairro, cada vez mais negro, mas também "de leste" e chinês, os jovens namorados ou casais já "oficializados". Dos melhores símbolos: o miúdo de uns dois anos, filho de africana e ucraniano (provável, nunca perguntei, é pura dedução), pele de uma cor belíssima, cabelo loiro encarapinhado. Mas até já entre os jovens chineses, de início mais retraídos, há quem não resista aos encantos de quem ostenta outras características físicas. Sobretudo as raparigas, mais abertas à diferença, menos tradicionais.

Paulo Rato


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Olá Sr. / Sra.Você precisa de empréstimos para o p...
HOLA...¿NECESITA PRESTAR DINERO PARA PAGAR CUENTAS...
Bom-dia Senhoras e Senhores.Sou uma mulher de negó...
Sou uma mulher de negócio Portuguesa e ofereço emp...
Dude, if you were trying to sound portuguese let m...
Olá Andreia! Sei que esta publicação já é antiga. ...
Patricia Deus vai abençoar você e sua empresaMeu n...
Meu nome é Fábio João Pedro e eu sou de Portugal. ...
Meu nome é jose matheus Giliard Alef sou do brasil...
Bom dia a todosMeu nome é Damián Diego Alejandro, ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links