Quarta-feira, 24 de Novembro de 2010
Para Sempre, Tricinco ALLENDE E EU - autobiografia de Raúl Iturra - (8)
(Continuação)

O dia 11 de Setembro de 1973, porém, foi mais um dia de atrocidades, por acaso e infelizmente, quase costumeiras no País. Foi, também, a mais sangrenta da sua História, a seguir à referida de Santa Maria de Iquique e a mais prolongada, mas também, a única que eu tenho vivido.

No entanto, houve a ditadura de O´Higgins, que de Directo Supremo da República, passou a formar uma nação, para o qual foi-lhe necessário exilar adversários, mandar fuzilar inimigos e outros factos que a memória não quer aceitar! Sempre foi pensado que o Chile era um país pacífico, mas passou por problemas institucionais na sua formação, que a memória não quer lembrar, mas que, no entanto, é o nosso dever relatar para explicar a queda de Allende.

De facto, formar uma Nação é um trabalho quase impossível. Um dos problemas era acabar com a mentalidade aristocrata, a procura de títulos, as formas éticas de profunda raiz Católica Romana que acabava por ser muito dura e hierarquicamente, organizada em classes sociais, com pessoas a mandar e o povo a obedecer. Um povo ainda escravo da vontade do patrão Tenho narrado as minhas lembranças de ter estado a organizar sindicatos, o primeiro dos que fiz, aos 15 anos, foi entre o operariado do meu Senhor Pai. Acompanhei aos membros do Sindicato e, chegado o momento de falar, eles viraram-se para mim, para ser eu a discursar. A minha reacção foi instantánea: “Los señores son el Sindicato, yo soy apenas una ayuda para Uds. Deben perder el miedo y comenzar”. O Engenheiro patrão, esse o meu Senhor Pai, estava branco de raiva, mais ouviu. E como o que ouviu não era do seu agrado, despachou de imediato ao grupo sindical. Não fui capaz de calar e lancei a frase: “Entonces, vamos a huelga, el Código del Trabajo lo permite...”. O que sabia eu do Código do trabalho nesses minutos! Talvez por isso, fiz-me, mais tarde Advogado. Como os meus amigos João Ferreira de Almeida e Luís Silva Pereira, entre outros, ou o amigo da vida, Francisco Vio, quem, de Advogado passou a ser Doutor em Ciências Políticas e Sociologia. De facto, o Chile que herdou Allende, era um Chile coxo, desde o Século XIX em frente. O próprio Freire, teve que ser substituído por Manuel Blanco Encalada, o primeiro Presidente do Chile, conforme a nova constituição, redigida em 1823, denominada a Constituição Moralista, que gerou um forte rechaço entre a população e o Presidente teve de abdicar. O Presidente a seguir, foi Francisco António Pinto, Presidente que consegue organizar e promulgar, em 1928, uma Constituição Federal. Por ser pouco admitida, foi rapidamente substituída pela de 1833 e emendada muitas vezes: A Constituição Política da República do Chile de 1833 é o texto constitucional surgido após o triunfo conservador na revolução de 1829, foi promulgada e jurada em 25 de maio de 1833, regendo o Chile por 92 anos. Entre seus principais ideólogos estão Mariano Egaña, Manuel José Gandarillas e Diego Portales. Foi reformada em 1871, 1873, 1874, 1882, 1888, 1891, 1892 e 1893. Esta foi de longa duração e foi modificada apenas a seguir o suicídio do Presidente da República, José Manuel Balmaceda. Entre 1823 e 1891, os chilenos consolidaram a maior parte das instituições económicas, políticas e sociais. A Constituição de 1833 permaneceu em vigência até 1925. Formaram-se os partidos políticos e estabeleceu-se a tradição do controle civil sobre os militares. Em 1823, tornou-se o primeiro país do continente americano a abolir a escravidão.

Em 1836, declarou guerra ao Peru e a Bolívia, para evitar que esses dois países formassem uma confederação. O Chile ganhou a guerra em 1839. Em 1866, uniu-se aos dois países para impedir os esforços espanhóis de retomar o controle das antigas colónias. A Espanha foi derrotada em 1869. Dez anos depois, o Chile voltou-se contra o Peru e a Bolívia, mais uma vez, na conhecida por todos no Chile, a Guerra do Pacífico. Esta terminou em 1883, com a vitória chilena, que conquistaram o Peru, época histórica das gargalhadas, diria eu, por causa da fanfarronada do Almirante Patrício Lynch se proclamara... vice-rei do Peru!.

Após a conquista dos ricos depósitos de cobre e nitratos do deserto de Atacama, o Estado chileno acumulou muitas divisas. Em 1891, o presidente José Manuel Balmaceda, eu diria, o primeiro Allende do Chile- antes do denominado Professor do Povo, outro Allende do Chile, Don Pedro Aguirre Cerda, em 1939, que deve aparecer mais em frente -, Balmaceda, dizia eu, tentou utilizar parte dessa receita em obras públicas para benefício do povo roto ou descosido. O Congresso opôs-se à decisão presidencial, dando origem a guerra civil por causa d e que o Presidente, num regime parlamentar, não estava a ouvir a voz do Congresso, organismo que mais mandava. O precursor de Allende, dezenas de anos antes dele, Balmaceda, simplesmente mandou fazer as obras que ele, denominado visionário, pensava eram importantes para o país e os seus descosidos. Apesar de ser um aristocrata, como Allende da Alta Burguesia, o Presidente dos finais dos anos do Século XIX, não hesitou ao lutar pelo povo. Era um verdadeiro aristocrata, esses que se jogam pelos seus. Mais de 10 mil chilenos morreram na luta. As forças de Balmaceda foram derrotadas e o Presidente, para cumprir o seu mandato legal, procurou asilo na Legação Argentina e, no dia de completar os seus cinco anos na presidência, suicidou-se a 19 de Setembro de 1991 . Como se diz, Allende também fizera. Mas, vamos andando sem saltos na história. Há uma cronologia a respeitar, mas a cronologia das semelhanças, apesar dos decénios de diferença, estão, na cronologia histórica, sempre juntas: Rodríguez, O’Higgins, Freire, Balmaceda, Aguirre Cerda, Allende e os seus patrióticos sucessores, esses de após 17 anos de Ditadura. Em 1904 o Chile assinou um tratado de paz com a Bolívia, estabelecendo as fronteiras entre os dois países, ao finalizar a guerra denominada do Pacífico, onde morreram todos os inquilinos enviados pelos seus patrões, como já referi no Capítulo anterior.

Em 1925, durante a Presidência de Arturo Alessandri, a Constituição de 1833 foi reformada, para dar mais poder ao Presidente da República, por meio do veto Presidencial.

Este é, em síntese, o Chile que Allende herdou, com uma Constituição Política a reger os destinos do País, de ordem Presidencial, após do fracasso do Parlamentarismo. Pode-se perceber que não foi o primeiro Presidente morto no exercício do poder, mas sim, o primeiro a ser morto por outros num golpe militar encabeçado por todas as Forças Armadas do Chile. O ditador dizia nesse dia do levantamento, que o comunismo era um cancro que devia ser extirpado, e que doravante, nada aconteceria no Chile sem passar por ele primeiro. Infelizmente, foi assim. As gravações que tenho comigo, retiradas de gravações feitas às escondidas do ditador, ele diz: “ehte cáncer tiene que ser ehtirpado, é como uma perra em celo, se mata a la perra y se acaba la leva, no mah!” (las letras com H, são para indicar a forma que falava o cobarde general que, apenas um mês antes, tinha prometido, pela sua honra (qual?, pergunto-me eu, hoje), proteger com honra ao seu Presidente. Allende confiou em ele. Não tinha mais alternativas! Ainda que, o ditador, entrou à ideia do golpe, apenas um dia antes do mesmo ser consumado. Dizem também essas gravações que era fácil se desfazer do Presidente, convidando-o a ir de avião ao exílio e laçar a sua pessoa ao mar durante o voo. Não haviam alternativas!

No seu minuto, quando a nossa casa começaram a entrar imensas pessoas em procura de protecção, por se sentirem abandonadas – a nossa casa não era uma legação ou embaixada, mas sabiam que eu era destemido. O que não sabiam, é que, como membro do partido MAPU ou Movimento de Acção Popular Unitária- foi usado o nome Mapudungum de terra (mapu), para as siglas do nosso Partido Marxista, tinha a ordem de resistir. Eu tinha organizado um tipo de resistência francesa: eu conhecia um, esse dois, cada dois, outros dois, e por ai fora. Tivemos treino para essa resistência, mas....nada aconteceu. Estávamos todos fichados, observados, consignados em listas, com as nossas acções, preferências, textos escritos e lugares ocupados. A maior parte da minha rede, fugiu, pintou o cabelo, ou foram por mim refugiados em sítios apenas conhecidos pelos Padres Holandeses que trabalharam connosco durante o tempo do Movimento Cristãos para o Socialismo. Nem eu sabia onde estavam. E esperei, esperei, esperei, ninguém apareceu, excepto os mais conhecidos, em procura de refúgio! A minha mulher disse, na sua sabedoria: “!Y tu crees que se van a arriesgar? Si pudiéramos, también me arrancaba!”. Foi apenas a minha irmã, companheira de trabalho de campo, prisão e exílio, que me acompanhou a colocar militantes temidos ou assustados. Nem eu sabia onde ela os levava, e ela, também não. Era a única forma de defender aos mais em prováveis de serem detidos, !sem saber nem por isso, que nós estávamos na lista para sermos apreendidos!

Durante a manhã, o Presidente falou três vezes pelo rádio que ainda era fiel e não tinha sido tomada pelos militares e as sua palavras levantaram o nosso subjugado espírito. Entre outras palavras, disse: “Colocado em uma transição histórica, pagarei com minha vida a lealdade do povo. E os digo que tenho a certeza de que a semente que entregaremos à consciência de milhares e milhares de chilenos não poderá ser cegada definitivamente. Trabalhadores de minha Pátria! Tenho fé no Chile e em seu destino. Superarão outros homens nesse momento cinza e amargo onde a traição pretende se impor. Sigam vocês sabendo que, muito mais cedo que tarde, abrir-se-ão- de novo as grandes alamedas por onde passe o homem livre, para construir uma sociedade melhor." Salvador Allende, 11 de setembro de 1973” Bem como: "Não vou renunciar. Pagarei com a minha vida a liberdade do povo. Tenho certeza de que meu sacrifício não será em vão. Este é o meu testamento político” Bem como: "Não vou renunciar! Colocado nesta encruzilhada histórica, pagarei com minha vida a lealdade do povo. E lhes digo que tenho a certeza de que a semente que foi plantada na consciência digna de milhares e milhares de chilenos não poderá ser ceifada definitivamente. Eles têm a força, poderão nos avassalar, porém não se detêm os processos sociais nem com o crime nem com a força. A história é nossa e a fazem os povos".

Devo parar um instante. Os discursos de Allende, só de ouvi-los, causam em mim o mesmo sentimento que no primeiro dia: ânimo e desastre. A via Chilena ao Socialismo morreu com Allende. Desde esse dia, o Chile passou a ser o campo de concentração mais grande do mundo, dentro dos seus limites e alem fronteiras, durante 18 anos, o tempo da ditadura!

No entanto, houve um campo de concentração muito especial para vários de nós. Campo tipo Auschwitz, esse que tinha começado bem antes do golpe contra Allende e os seus apoiantes, denominado La huelga de los camionistas O transporte de mercadorias era feito por terra, por causa dos monopólios criados em Governos anteriores. O Chile tinha uma larga costa e uma Marinha Naval e Mercante, muito grande, bem como uma linha ferroviária que percorria o país de Norte ao Sul, até o denominado Puerto Montt, terminal ferroviário. O comboio não podia ir mais longe, por causa de começar na Cidade de Puerto Montt- pronunciada em chileno castiço “puertomón”- a denominada Costa Desmembrada, ou um conjunto de Ilhas até o Sul do Sul do Chile, distante do Santiago, a Capital, a mais de 600 quilómetros. Ao todo, O Chile tinha uma longitude de 1.200 Km Era estranho não ter transporte não for feito por mar! Eram os negócios chilenos com empresas estrangeiras! Se vemos o mapa, é possível reparar que o nosso campo de concentração era imenso! Desde a cidade de Antofagasta , no Norte, até Punta Arenas, no Sul, se as mercadorias forem transportadas pelo mar ou em comboio, a greve dos caminhoneiros, não teria tido o resultado que agravou a situação de Allende :a partir de 1972, não tínhamos arroz, açúcar, azeite, pasta de dentes, sabão ou sabonete para nos lavar. Éramos um povo denominado “hediondo”, porque cheirávamos mal. Para ir a casa de banhos, era preciso se lavar, porque nem o papel higiénico era fornecido A gasolina esgotou e devíamos andar a pé para os nossos trabalhos. A situação era tensa e dava para fumar, mas até o tabaco foi-nos negado. Era o povo das filas: organizamos uma contra-ofensiva, os apoiantes da coligação Unión Popular ou UP, os partidos à apoiar ao Presidente Allende, para procurar alimentos e combinávamos meios de transporte para fornecer as nossas casas de alimentos, especialmente carne. Para a carne, era preciso ir à noite, aos sítios onde a carne era vendida, com uma pessoa a guiar o carro e dois sentados no capote do mesmo, com lanternas e assim fugir dos famosos triângulos ou pregos dobrados, três juntos, com a ponta virada para acima, para partir pneus. Quem tiver os pneus sem ar, ficava sem carro, porque pneus...não havia! O cerco foi tão bem montado, que eu, até saia com 20.000 mil pesos, imensa suma de dinheiro, caso encontrar mercadorias para comprar ou camionetas para me transportar. Normalmente, voltava a casa com o dinheiro intacto. Filas havia para todo, até para comprar tabaco, que nunca se sabia nem quando nem onde, iam ser vendidos. O objectivo era parar a produção e colocar ao povo em situação de desespero apara alimentar a família. O dinheiro chileno não tinha valor e, pela primeira vez na História do Chile, foi preciso transar em dólares. O dólar era normalmente, comprado aos motoristas parados do camiões, que eram pagos pela CIA e a direita opositora do Chile, em moeda americana, que circulava livremente dentro do País, por outras palavras, um crime permitido pelas circunstâncias....um facto ilegal, mas menos crime e ilegal que a dita greve que nos fez andar milhares de quilómetros durante meses.

No dia a seguir a morte do nosso Presidente e ao começo da governação da Junta Militar, os artigos apareceram todos, a preços bem mais baratos: era mercadoria oculta por sedição da Direita Chilena, que assim tentava derrubar ao Governo. Porque o povo resistiu, o campo de concentração que era o Chile, não foi eficaz para derrubar ao Presidente. Em silêncio, a gente andava e trabalhava, tivemos fome e frio, éramos pobres com dinheiro! Impossível de gastar. Foi preciso outra medida de acção, para acabar com o Governo, denominado pelas nossas família, dos “upelientos” palavra suja e pouco agradável de ouvir. As nossas famílias tinham comprado dinheiro estrangeiro, para fugir do, já referido, cancro marxista! Esse cancro, éramos todos nós, um povo que, em quanto mais atacado, mais à esquerda ficava! Allende até pensou em convocar um plebiscito para votar se o povo queria ou não que ele continua-se como Governante do Chile. O dia estava marcado para 12 de Setembro e ia ser uma surpresa. O problema foi que ele confidenciou ao seu general em Chefe das Forças Armadas, o dito Pinochet, quem o comunicou de imediato aos seus mais chegados, que estavam já a tramar o golpe. O único que não estava dentro da história, era o general, sempre, como diria Garcia Márquez, metido no seu laberinto!

E, do grande campo de concentração, passamos aos mais duros e directos da cadeia pessoal, tortura e sadismo, que em breve, vou narrar. Preciso tomar uma certa distância. A vida tinha sido dura: os nossos vizinhos, grandes amigos, mal começou esse derrube planeado, nem cumprimentavam nem iam mais as nossas casas, o que antigamente sempre fizeram pela novidade de nós aparecer em Talca desde a Grã-bretanha, eu ser académico, como a minha mulher, e escritor. Até o cumprimento habitual foi banido entre nós, ou, deles, para nós. Ou já não sei se sofremos mais antes ou a seguir ao golpe. Mas, que, em conjunto foi um martírio, penso que nem vale a pena narrar! Martírio de sentimentos, martírio psicológico, martírio de afastamento: éramos os leprosos do País, os ditos upelientos, e, ainda mais, o cancro da família que nem queria saber de nós. O desespero foi tão imenso, que não consigo esquecer que essa, a minha grande amiga e colaboradora na Universidade, Marta Sunkel, essa sobrinha do afamado economista Osvaldo Sunkel, que não fumava, começou a fumar para tirar os nervos. Penso que até o dia de hoje o faz. Onde é que ela anda?

Não sei. Tantos amigos perdidos por temor....

Notas:

Organizar o País, foi uma tarefa pesada e, de um sistema de legislatura, passava-se rapidamente a outra. A de 1828, foi de curta duração, substituída pela de 1833, que declarava ao país como República Parlamentaria, cópia, conforme lembro dos meus estudos de Direito, da de Grã-bretanha. Para o leitor estar certo, pode consultar a Net, sítio: http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&q=Constitui%C3%A7%C3%A3o+do+Chile+1828&btnG=Pesquisar&meta= A ideia era revogar a de 1828 e foi redigida por:
retirada da informação enciclopédica da Net: http://pt.wikipedia.org/wiki/Constitui%C3%A7%C3%A3o_Pol%C3%ADtica_da_Rep%C3%BAblica_do_Chile_de_1833
José Manuel Balmaceda: para saber mais, visite a página Web: http://es.wikipedia.org/wiki/Jos%C3%A9_Manuel_Balmaceda página que refere que: Inició su gobierno con un ambicioso plan de obras públicas y con el ideal político de unir a los liberales en un solo gran partido. Pero pronto inició un enfrentamiento con el congreso por la pugna entre presidencialismo y parlamentarismo, que se transformó en una Guerra Civil en 1891, tras aprobar Balmaceda el presupuesto de la nación sin la firma del Congreso. Derrotadas sus fuerzas en las Batallas de Concón y Placilla, se suicidó el 19 de septiembre de 1891 en la legación argentina.


Informação retirada das minhas memórias de Advogado e do sítio Net: http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&q=Constitui%C3%A7%C3%A3o+do+Chile+1833&btnG=Pesquisar&meta=
Retirado da Enciclopédia Net, página Web: http://pt.wikipedia.org/wiki/Golpe_de_estado_de_1973_no_Chile
Retirado da Net, sítio: http://naoapaguemamemoria2.blogspot.com/2007/09/chile-11-de-setembro-de-1973.html
retirado da página Web: http://br.geocities.com/carlos.guimaraes/allende.html , texto do Jornalista Leo Lince. Tenho todos os discursos gravados num CD, bem como estão reproduzidos no excelente livro de Patrícia Verdugo, 2003: Allende. Cómo la Casa Blanca Provocó su Muerte, Catalonia, Santiago do Chile. Os discursos na Net podem ser lidos em: http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&q=Discursos+Allende+Chile+11+de+Setembro+1973&btnG=Pesquisar&meta=
O Texto de Patrícia Verdugo, livro que tenho comigo, em: http://www.amazon.com/Salvador-Allende-Blanca-Provoco-Provoked/dp/9500274523 O texto pode-se ouvir na página Web da Net: http://www.weshow.com/br/videos/post/search?text=discurso
O ditador tinha já tentado assassinar aos seu colaboradores, entre eles, o General da Força Aérea Gustavo Leigh, o verdadeiro organizador do golpe de Estado, chamou a retiro ao seu camarada da Junta, General de Carabineros Carlos Mendoza, sem substituição dentro de Junta. Do Almirante Toribio Merino, nem era preciso se preocupar mais. Infelizmente, era um parente nosso, pelo lado do meu Senhor Pai, e era uma fantochada um palhaço: bebia desde a manhã até a noite. Para saber de Leigh e a sua morte, visite o site Net: http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&q=Gustavo+Leigh&meta= ; Merino, o nosso parente, ver a pagina Web da Net: http://www.terrorfileonline.org/es/index.php/Jos%C3%A9_Toribio_Merino ; do “capitãocito” César Mendoza, feito General para o Golpe de Estado, por causa do seu General José Maria Sepúlveda ser fiel à Constituição, as leis e ao Presidente em exercício, foi afastado do seu cargo e foi encontrado este vendido ao poder, do qual é possível saber na página Web em: http://paginas.terra.com.br/educacao/historiadochile/cesar_mendoza_def.htm ou na Net: http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&q=C%C3%A9sar+Mendoza&meta= Como o ditador queria ser só ele a mandar, fez dois plebiscitos: em 1979 e 1980, para se manter no cargo e legitimar o seu governo. Para saber mais, visite a página Web: http://pt.wikipedia.org/wiki/Augusto_Pinochet que diz, em parte, por ter acrescentado eu mais dados, que o ditador organizou plebiscitos em 1978 e 1980 para manter-se no cargo. O plebiscito de 78 lhe conferiu a maioria dos votos da população que apoiava a ditadura, não do povo chileno, excepto os votos comprados ou com dinheiro, promessa e trabalho. O seu governo teve confirmada a sua legitimidade. Em 1981, foi elaborada uma nova Constituição, onde se podia ler que Pinochet seria o presidente do Chile por mais oito anos. Por ter começado uma crise económica e a inflação disparou muito alta, o ditador resolveu desafiar aos seus opositores, esse milhares, membros ou não, dos Partidos Políticos denominados ilegais pelo dito ditador e a sua dura lei, e convocou um plebiscito para consultar se o povo queria ou não que ele continuar como Presidente do Chile. O resultado foi o enforcamento do seu Automandato, pelo resultado da votação, conhecida por todos, mas que vou reproduzir sem acrescentar vírgula nenhuma: El Plebiscito Nacional de 1988 fue un referéndum realizado en Chile el 5 de octubre de 1988, durante el Régimen Militar. Este plebiscito se realizó en aplicación de las disposiciones transitorias (27 a 29) de la Constitución Política de 1980, para decidir si Augusto Pinochet seguiría como presidente del país hasta 1997. El resultado fue de 44,01% por el «Sí» y 55,99% por el «No». El universo electoral habilitado para votar ascendió a 7.435.913 personas.
El triunfo del «No» significó, conforme a las disposiciones transitorias de la Constitución, la convocatoria de elecciones democráticas conjuntas de presidente y parlamentarios al año siguiente, que conducirían al fin de la dictadura y el comienzo del periodo conocido como transición a la democracia. Ver comentários na Net, sítio: http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&sa=X&oi=spell&resnum=0&ct=result&cd=1&q=Plebiscito+Pinochet&spell=1 Recomendo aso leitor visitar a página Web: http://es.wikipedia.org/wiki/Plebiscito_Nacional_de_1988_(Chile ) Como é evidente, o triunfo do não, significava :“no te queremos como Presidente, ándate, sale de ahí!, fué celebrado não apenas no Chile, bem como em todos os sítios do mundo. Nós, em Cambridge, organizamos uma festa especial, discursos, danças chilenas e conferências. Estávamos outra vez, a tornar à democracia! Uma estrada larga, mas certa e segura. Agora era connosco! Muitos tornaram ao Chile. Eu e a minha família, ficamos: estávamos muito dentro dos países de acolhimento, a Grã-bretanha e Portugal e, se, nós adultos, já tínhamos começado a vida de novo, era preciso, por causa da nossa descendência, impedir um segundo exílio, o das nossas crianças. Tivemos que aceitar a realidade. Aliás, os que voltaram rapidamente tornaram, muitos deles, para os países originais de ajuda, onde tinham compromissos adquiridos na realidade da vida nos países protectores de nós, não passíveis de perder com a bebedeira do triunfo!


Ou greve dos caminhoneiros, financiada pela CIA dos EUA. Pode o leitor saber, se visita o sítio Net: http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&q=A+greve+dos+caminhoneiros+Allende+1972&btnG=Pesquisar&meta= ou a página Web: http://www2.fpa.org.br/portal/modules/news/article.php?storyid=1006 , na qual é possível ler, entre outros assuntos, estas palavras terríveis: O governo Allende foi literalmente cercado pelas iniciativas da direita tomadas a partir do Congresso e do Poder Judiciário. Allende havia sido eleito por uma estreita margem de votos: 36,6% contra 34,8 dados a Jorge Alessandri do Partido Nacional e 27,8% conferidos a Radomiro Tomi´c da Democracia Cristã. Na Câmara dos Deputados, a Unidade Popular contava com 57 parlamentares em 150; no Senado, 23 membros em 50. O que dificultava ao Governo a sua actuação (as minhas palavras)


Já a posse de Allende havia sido fruto de uma negociação com a maioria parlamentar que impôs a ele o "Estatuto das Garantias" (princípio da inamovibilidade de funcionários da DC contratados na gestão de Frei, respeito à hierarquia das Forças Armadas, não - intervenção nos meios de comunicação). A maioria oposicionista no Congresso bloqueou o processo legal de nacionalizações e impediu a adopção de uma reforma tributária. Através de uma interpretação abusiva do texto constitucional, o Congresso destituiu ministros e prefeitos da Unidade Popular, apesar do regime não ser parlamentar. No período que antecedeu o golpe, o Congresso aprovou a "lei do controle de armas", que permitiu às Forças Armadas invadir domicílios e sedes de entidades populares e chegou a votar uma "moção de ilegalidade" do governo. As iniciativas do governo Allende foram incessantemente bombardeadas por decisões do Judiciário. Retirado da página Web: http://www2.fpa.org.br/portal/modules/news/article.php?storyid=1006
Geografia do Chile: para sabre mais, visite o sítio Net: http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&q=Geografia+do+Chile&btnG=Pesquisar&meta= ou a página Web: http://es.wikipedia.org/wiki/Geograf%C3%ADa_de_Chile Ver Mapa do Chile em:
© http://www.guia-chile.de/baseportal/curanilahue/html/html&site==geochile_chue






Antofagasta, palavra da Etnia Aimara, ou Nativos dessas terras, habitada pelos chilenos, que em Castelhano significa pó. Foi assim denominada, por causa do deserto, a maior parte de Antofagasta são minas de salitre ou Nitrato. Para saber mais, visite a página Web: http://pt.wikipedia.org/wiki/Antofagasta ou o sítio Net: http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&q=Antofagasta+Chile+Significado&btnG=Pesquisar&meta= ou a página web: A língua Aymara ou aimara, que se fala fundamentalmente no norte da Bolívia e no sul do Peru, foi a língua dominante até a chegada dos incas à esta zona no século XIV. Pertence ao grupo de línguas quechuamarán, grupo que compreendia várias etnias e dialectos e que predominou nessa região andina até que o Inca Capac Yupanqui (1318-48) deu início à expansão do império.
Atualmente, a presença da língua e a cultura Aymara está em plena pujança em consonância com o renascimento cultural que se está produzindo entre os povos primitivos da região que aspiram a defender suas próprias línguas. Dos cerca de um milhão de falantes que possui o aymara, a maioria se encontram em Peru e Bolívia, em particular no meio do lago Titicaca na fronteira entre ambas nações, ainda que também existe presença Aymara no Chile.
Referido a mim, pelo o meu antigo Assistente da Pontifícia Universidade Católica do Chile, o hoje Doutor pela U. De Grenoble, França, Gonzalo Vio Grossi, que estudou ao povo Aymara do Chile, Argentina e Bolívia, etnia que é cidadã do país onde habitam os vários clãs, muito embora os Aymara são orgulhosos, acolhedores e gentis e desejam manter a sua naturalidade. São poucos os que saem do clã para se educar ou adquirir uma Profissão. Donde, no Chile há uma Lei especial para as Etnias que não se consideram chilenas. Ver em: http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&q=Leis+para+Etnias+Nativas+do+Chile&btnG=Pesquisar&meta= ou: http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&q=+Etnias+Nativas+do+Chile&btnG=Pesquisar&meta= ou, a página Web: http://www.ciberamerica.org/Ciberamerica/Portugues/Areas/identidad/diversidad/diversidadlinguistica/aymara.htm


Osvaldo Sunkel, Economista Chileno da Cepal, ajudou a sua sobrinha a se exilas na Venezuela, junto ao marido dela, Patrício Ochagavia. Para saber mais, visite o sítio net: http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&q=Osvaldo+Sunkel+Economista&btnG=Pesquisar&meta= ou a página Web: http://www.traca.com.br/seboslivrosusados.cgi?mod=LV68935&origem=resultadodetalhada , que refere o livro em que desenvolve a sua teoria sobre desenvolvimento e subdesenvolvimento na América Latina, teoria que o levou ao conhecimento comum de todas as pessoas e ajudou a América Latina a sair do seu atraso económico. Colaborador de Allende, teve que fugir após a morte do Presidente.


publicado por Carlos Loures às 15:00
link do post | comentar

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Olá Sr. / Sra.Você precisa de empréstimos para o p...
HOLA...¿NECESITA PRESTAR DINERO PARA PAGAR CUENTAS...
Bom-dia Senhoras e Senhores.Sou uma mulher de negó...
Sou uma mulher de negócio Portuguesa e ofereço emp...
Dude, if you were trying to sound portuguese let m...
Olá Andreia! Sei que esta publicação já é antiga. ...
Patricia Deus vai abençoar você e sua empresaMeu n...
Meu nome é Fábio João Pedro e eu sou de Portugal. ...
Meu nome é jose matheus Giliard Alef sou do brasil...
Bom dia a todosMeu nome é Damián Diego Alejandro, ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links