Quarta-feira, 13 de Outubro de 2010
A respeito de Factores de Risco (conclusão)
Adão Cruz


Mas voltemos aos factores de risco, na minha opinião, os mais importantes, aqueles que mais poder destrutivo e degenerativo têm na nossa sociedade, e dos quais decorrem, em princípio, todos os outros. Aqueles cujo diagnóstico, conhecimento e desenvolvimento científico e social não interessam ao comércio das doenças, aqueles que não convém que sejam denunciados e divulgados, aqueles que não são referidos nas imponentes naves dos congressos. Na realidade, existe actualmente alguma investigação em matéria de outros factores de risco que não os da moda. Mas a ciência médica não está para aí virada, pouco lhe importando as causas. Está muito mais interessada na incomensurável panóplia dos sintomas, geradores de um desenfreado consumo de psicofármacos. São os factores de risco psicossociais, que tal como os primeiros, mas talvez com muito maior intensidade, promovem fortemente o desenvolvimento de doenças degenerativas a todos os níveis, arterioscleróticas e outras, eventos vasculares adversos, cardíacos e cerebrais, doenças oncológicas e graves perturbações psicossomáticas e sociais.

Estes factores de risco psicossociais são, fundamentalmente, factores de natureza emocional e factores de stress crónico, embora nós saibamos que todos eles, orgânicos ou não, se encontram de tal modo intrincados que é muito difícil analisá-los separadamente. Os factores emocionais abrangem essencialmente as perturbações afectivas, criando sentimentos destrutivos e corrosivos como a depressão e as perturbações ansiosas. Os factores de stress crónico constituem um grande leque, incluindo o desrespeito do Estado pelo cidadão, o baixo apoio social, a insegurança na doença, o baixo estatuto sócio-económico, o endividamento e a crua insensibilidade da especulação bancária, a progressiva angústia da vida cada vez mais difícil numa sociedade dita de progresso e desenvolvimento, os conflitos de trabalho, os desencontros conjugais e familiares, sempre crescentes numa sociedade injusta e pouco solidária como a nossa. As perturbações depressivas variam, como sabemos, desde os sintomas ligeiros até à depressão grave, caracterizada por um humor fortemente abalado e por frequente anedonia, ou seja uma grande rigidez afectiva e incapacidade de sentir prazer com a vida, aversão ao trabalho, propensão para a violência, um estado que se acompanha de incapacidade funcional significativa e de queixas somáticas que se arrastam pela vida fora. O baixo grau de apoio social atrás referido, em termos de cidadania, nos aspectos económico, informativo, emocional, cria a sensação de não se ser amado, a amargura do viver só, o isolamento social, a falta de confidentes, as dificuldades financeiras, as más condições de trabalho, a falta de paz no emprego, as tarefas fisicamente repetitivas, a rotina excessiva sem escapes criativos, a sensação de confinamento rígido, o desequilíbrio entre esforço e compensações, as más condições habitacionais, a instabilidade conjugal, os maus-tratos infantis, as más experiências. Existe uma importante relação entre o grau destes sintomas depressivos e a ocorrência de eventos cardiovasculares adversos. Estudos epidemiológicos mostraram também a relação destes eventos com factores emocionais como a ansiedade, a hostilidade e a raiva. Alguns estudos recentes demonstraram que existe uma relação entre estas, a arteriosclerose sub-clínica e a progressão da arteriosclerose coronária. Tudo isto leva a que sejam evocadas respostas emocionais fortemente negativas, com enorme poder de somatização, capazes de favorecerem o aparecimento e desenvolvimento de doenças cardiovasculares e outras, de uma forma bem mais poderosa do que aquela com que actuam outros factores de risco amplamente divulgados nas campanhas de sensibilização, até porque são aqueles a raiz de grande parte destes últimos, bem mais palpáveis, como a hipertensão, o tabagismo e a obesidade.

A constante e perseverante denúncia de tudo isto, constituiriam, isso sim, autênticas e verdadeiras campanhas de sensibilização da sociedade.

Apetece dizer, por um lado, que, se as grandes indústrias farmacêuticas tivessem um pouco mais de respeito pela humanidade e deixassem de ter como objectivo prioritário encharcar o planeta de pastilhas, e por outro lado, se os bancos e os grandes potentados económicos diminuíssem numa pequena percentagem os seus fabulosos lucros, e com essa percentagem criassem processos de abertura de novos caminhos para melhores condições de vida da humanidade, eliminariam, pela certa, uma boa parte dos factores de risco, muito mais prejudiciais do que o colesterol, essa mina de ouro, esse estratégico monstro aterrador a que um jornal diário se referia, despudoradamente, em publicidade paga, como bomba-relógio! Assim como eliminariam, pela certa, uma boa parte das doenças, nomeadamente das doenças cardiovasculares, e uma boa parte das preocupações.

(ilustração de Adão Cruz)


publicado por Carlos Loures às 21:00
link do post | comentar

1 comentário:
De augusta.clara a 13 de Outubro de 2010 às 21:49
É uma grande curiosidade minha que, pela certa, ninguém satisfará, saber qual a percentagem de médicos tem a tua isenção e resiste à galinha dos ovos de ouro da indústria farmacêutica.


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Olá Sr. / Sra.Você precisa de empréstimos para o p...
HOLA...¿NECESITA PRESTAR DINERO PARA PAGAR CUENTAS...
Bom-dia Senhoras e Senhores.Sou uma mulher de negó...
Sou uma mulher de negócio Portuguesa e ofereço emp...
Dude, if you were trying to sound portuguese let m...
Olá Andreia! Sei que esta publicação já é antiga. ...
Patricia Deus vai abençoar você e sua empresaMeu n...
Meu nome é Fábio João Pedro e eu sou de Portugal. ...
Meu nome é jose matheus Giliard Alef sou do brasil...
Bom dia a todosMeu nome é Damián Diego Alejandro, ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links