Quinta-feira, 14 de Outubro de 2010
Finalmente, os mineiros podem dizer - Puro, Chile, es tu cielo azulado, puras brisas te cruzan también...
Raúl Iturra


Os mineiros de S. José podem agora interpretar literalmente os primeiros versos do Hino Nacional do Chile:


- Puro, Chile, es tu cielo azulado, puras brisas te cruzan también...


Falar de Mineiros do Chile, todos sabemos o que siginifica: trinta e três pessoas soterradas numa mina de cobre no Norte do Chile, a 35 quilómetros da cidade mais próxima, Copiapó, desconhecendo-se, durante 19 dias, do seu paradeiro e se estavam vivas ou mortas. A mina de São José, com mais de cem anos de exploração, pertencia ao Estado do Chile, após a nacionalização de todo o cobre existente no país, em 1972, pelo Presidente da República, Salvador Allende.

En 1810, año de su primera junta nacional, Chile producía unas 19.000 toneladas de cobre al año. A lo largo del siglo la cifra fue creciendo hasta convertir al país en el primer productor y exportador mundial. Sin embargo, a finales del siglo XIX comenzó un período de decadencia, debido por un lado al agotamiento de los yacimientos de alta ley y por otro al hecho de que la explotación del salitre acaparaba las inversiones mineras. En 1897 la producción había caído a 21.000 toneladas, casi lo mismo que en 1810

La situación cambió a comienzos del siglo XX, cuando grandes grupos mineros estadounidenses, dotados de avances tecnológicos que permitían la recuperación de cobre en yacimientos de baja concentración, iniciaron la explotación de los yacimientos chilenos.

La producción chilena de cobre se ha multiplicado por cuatro en las dos últimas décadas, debido en gran parte a la apertura de minas de capital privado.

El Estado chileno recibió pocos beneficios de la minería de cobre durante toda la primera mitad del siglo XX. La situación empezó a cambiar en 1951 con la firma del Convenio de Washington, que le permitió disponer de 20% de la producción. En 1966 el Congreso Nacional de Chile impuso la creación de Sociedades Mineras Mixtas con las empresas extranjeras en las cuales el Estado tendría 51% de la propiedad de los yacimientos. El proceso de "chilenización del cobre" culminó en julio de 1971, bajo el mandato de Salvador Allende, cuando el Congreso aprobó por unanimidad la nacionalización de la Gran Minería del Cobre...por exigirlo el interés nacional y en ejercicio del derecho soberano e inalienable del Estado de disponer libremente de sus riquezas y recursos naturales, se nacionalizan y declaran por tanto incorporadas al pleno y exclusivo dominio de la Nación las empresas extranjeras que constituyen la gran minería del cobre.

Disposición transitoria agregada en 1971 al artículo 10 de la Constitución de Chile

En 1976, ya bajo el régimen militar de Pinochet, el Estado fundó la Corporación Nacional del Cobre de Chile (Codelco) para gestionar las grandes minas de cobre.

Fonte: Codelco Chile (2006), Historia de Codelco

Após a sua morte, ou mais bem, do seu assassinato, o cobre, a principal riqueza da República, foi apropriada pelo Estado, sem ser devolvida aos que se consideravam seus legítimos proprietários, a empresa norte-americana Kenneth Copper Cº. Mas, a mina de São José por ser pequena e render pouco cobre e ouro, foi praticamente ignorada e passou a ser uma espécie de graça divina, quando a mina, também do Estado, era arrendada. Os donos da empresa, Alejandro Bohn e Marcelo Kemeny, foram inquiridos sobre as condições e os procedimentos de segurança da mina, que tem um longo historial de irregularidades, falhas e acidentes fatais, o último a 11 de Julho, quando a queda descontrolada de uma rocha esmagou a perna de um mineiro. E, a seguir, a derrocada da mina sobre o corpo de trinta e três trabalhadores que permaneceram soterrados durante setenta dias a setecentos metros de profundidade. Ninguém no Chile sabia o quê fazer, especialmente o novo Presidente do Chile Sebastian Piñera Miguel Juan Sebastián Piñera Echenique (Santiago do Chile, 1 de Dezembro de 1949) é um economista, empresário e político chileno, membro do partido de centro-direita Renovación Nacional e presidente eleito do Chile. Assumiu o cargo em 11 de Março de 2010, sucedendo a Michelle Bachelet. O seu governo também não sabia, era mais uma rasteira para os ambiciosos planos de governo. Ambiciosos, porque queria que a República se sustentasse por si própria, que todos trabalhassem ou criassem as suas próprias indústrias e formas artesanais de trabalho. Tenho sido incapaz de esquecer a frase, proferida por ele a 27 de Fevereiro deste ano: o pior já passou, agora todos os que não tenham casas, que procurem crédito, se juntem às suas famílias com casas ou trabalhem como fiz eu, até entesourarem moeda para construir melhores casas. Nota-se logo essa influência que teve sobre o ditador do Chile, a quem ajudara a transformar um país na miséria, para um Estado com o PIB mais alto da América Latina, Piñera é e tem sido um homem de grande ambição como economista e gestor de bens, pretendendo, através do novo cargo (Presidente), incrementar a sua fortuna, dentro e fora do Chile, sem qualquer preocupação pelo povo que nada tem. Começou mal: Em 20 de Janeiro, os títulos da Axxion, holding que controla os ativos do presidente eleito do Chile, fecharam em alta (52,73%). Ouviram-se críticas a Piñera por não se ter desfeito das ações antes de vencer as eleições. "Era a medida mais saudável ter liquidado antes [das eleições] as ações", comentou o economista da Universidade Central, Rafael Garay, que atribuiu a alta a "movimentos especulativos". "Sua prioridade deveria ter sido desvincular-se o quanto antes de seus conflitos de interesse", destacou Pedro Martins, do banco de investimentos Merrill Lynch. As negociações de títulos da Axxion na Bolsa chegaram a ser suspensas durante 33 minutos. Mesmo depois disso, os papéis continuaram a subir, chegando a valorizar-se 62%. Em Abril, através de um fideicomisso voluntário, Piñera passou a administração de grande parte da sua fortuna, avaliada em 1,2 bilhão de dólares, a um fiduciário. Porém, manteve a sua participação na LAN, assim como a propriedade do canal de televisão Chilevisión e sua participação no Colo-Colo, a equipa de futebol mais afamada do Chile e da América Latina, como o nosso Benfica, com uma diferença: o Colo - Colo (nome de um antigo Toqui o Rei Mapuche) sempre ganha, o Benfica, que sim e que não, depende do treinador e do entusiasmo dos jogadores.

Para Piñera tudo é um desafio. O caso dos mineiros era conhecido por ele, porque, como discípulo do ditador do Chile, cujo nome tenho propositadamente esquecido, no Chile nem um cabelo se mexe sem a sua autorização.

Apenas que a arrogância paga-se cara. O Chile continua a tremer, pensa-se que pode naufragar dentro do Oceano Pacífico, pelo estreito que é, entre a Cordilheira e o mar - a Angostura do Paine, perto de Santiago, tem 160 quilómetros entre os dois limites, enquanto a parte mais larga é Chañaral, comuna e capital da província de Chañaral, localizada na Região de Atacama, Chile. Possui uma área de 5.772,4 km² e uma população de 13.543 habitantes (2002). Piñera não sabe geologia, nem geografia. Arrendou uma mina que fica exactamente no deserto de Atacama, os proprietários estavam falidos, nada fizeram para construir vias, caminhos, mudar a madeira por andaimes de ferro ou aço, mas Piñera aceitou esse contrato com a sua fé miltoniana, que todo o mundo sabe como, o que e quanto ganhar. Por outras palavras, arriscou a vida dos que nada tem, pelos pagamentos feitos ao Estado e a outras das suas empresas. Os mineiros, na sua maioria da etnia Aimara, são pobres, como referi no ensaio que precede este.

De facto, o dia da derrocada da terra, foi a 4 de Agosto, mas como Piñera não podia estar em Atacama nesse dia, a notícia foi anunciada a 5 pelo Presidente, já em Atacama. As famílias estavam em desespero, gritavam e choravam, como sempre acontece no Chile quando as tragédias acontecem, especialmente desta magnitude, a única mais hedionda da nossa história Universal. É verdade que têm existido deslizamentos de terras quer nessa mina, quer na Austrália ou no Norte da Escócia, nas minas de carvão, mas todas de curta duração. No entanto, nem que seja uma hora, produz pavor entre os familiares, amigos e vizinhos. Quanto mais, esta: o abrigo estava a setecentos metros da superfície, não havia vias alternativas nem muita vontade no governo de se importar por um caso que parecia impossível. Os mineiros estavam ai, a culpa era deles por não terem tomado precauções – quais? Digo eu, se era sabido que a mina não respeitava as normas de segurança. Mas a pobreza e a fome matam, por isso não é de estranhar que trabalhadores estrangeiros partam para o Chile, tal como o boliviano Carlos Mamani, ou pessoas doentes, como José Ojeda com diabetes, que precisava cuidados especiais ou Mário Gómez, de 65 anos, que precisava insulina, medicamente inexistente no subsolo.

A história é conhecida por todos. O Presidente da República tinha, praticamente desistido, até começarem a aparecer jornalistas, televisões (chilena e estrangeiras) e a NASA, ao saber do ocorrido, a par de doze países, como a Austrália, o Japão, a Bolívia, a França e os Estados Unidos entre outros, ofereceram os seus préstimos através dos seus saberes e tecnologias, congeminado vários planos para resgatar os mineiros. O que Piñeira pensava era que até Dezembro não haveria salvação, mas os técnicos, no terreno, com o apoio do Ministro de Mineria, Laurence Golberne, estudaram e aplicaram alternativas e o prazo ficou bem mais encurtado. Foram 70 dias no fundo da montanha, felizmente com entradas de ar, permitindo a circulação do oxigénio e de rochas que forneceram água, quando esta se acabou, tão necessária à sobrevivência. Foram setenta dias de desespero, das mães, dos pais, das mulheres dos seus homens, dos filhos dos mesmos, que sofreram até ao lento içamento dos mineiros e dos especialistas que entraram na cova onde se refugiavam. Instalou-se um acampamento, um hospital de emergência: analistas, médicos, sacerdotes cristãos e evangélicos, apareceram em São José e ajudaram a tranquilizar as vítimas e as famílias, com as suas artes de psicanálise, de medir as pulsações, o oxigénio e o estado anímico, que esteve sempre alto. A Fénix 2, com as cores da bandeira chilena, lenta, mas seguramente, retirou das entranhas da terra todos os homens, e nós, persistentemente, acompanhámos pela televisão e pelos jornais, as 18 horas de salvação, orámos por todos eles, mesmo eu que sou um homem sem fé, e vivemos essa pequena parte da imensa angústia dos mineiros e das suas famílias. Até o Cardeal do Chile oficiou uma Acção de Graça na Catedral de Santiago e deslocou-se ao acampamento.

Se Piñera em temos passados quis aldrabar, hoje em dia atingiu o estatuto de herói nacional, que deve respeitar e interessar-se mais pelo povo, que depositou nele a sua soberania. Ele e Evo Morales, o seu homólogo Boliviano, têm uma pesada carga a cumprir: abrir as portas do seu coração e da sua alma ao imenso povo pobre que governam. Não sou homem de fé, mais uma vez reitero, mas não consigo não agradecer a uma divindade qualquer (ou será mesmo a Luís Urzúa) pelo heróico salvamento de trinta e três seres humanos e ter sabido mantê-los em calma e com atenção religiosa e médica.

Não queria escrever este texto, já na minha cabeça, por causa de não deitar foguetes antes da festa.

Os que mais vão sofrer, serão os mineiros: serão entrevistados, declarados heróis e condecorados? O que deve acontecer, é que lhes paguem os seus salários em atraso, uma recompensa material pelos dias sofridos e sejam capazes de continuar a gritar Viva Chile, esse país, que, se não fosse pela derrocada, nem saberia da sua existência nem dos perigos a que todos os dias estavam sujeitos. Não resisto escrever uma simples metáfora para um povo cheio de fé na divindade: quando o profeta Jesus pregava, poucos o seguiam; quando foi assassinado e ressuscitou, milhares de pessoas não deixam em paz o seu espírito…Será assim com os nossos heróis…? E Piñera, passará a ser um Presidente de verdade, como demonstrou nestes dias, ou foi um actor forçado deste reality show?


publicado por Carlos Loures às 17:50
link do post | comentar

5 comentários:
De augusta.clara a 14 de Outubro de 2010 às 18:46
Prof. Iturra, segui com muita emoção o resgate destes homens, independentemente do que está por trás da catástrofe que os aprisionou por tanto tempo. Deu-me uma verdadeira sensação de felicidade, bem como de grande admiração pela generosidade dos elementos das equipas de resgate que voluntariamente arriscaram a vida para salvar a dos outros. Ainda há muito de bom na espécie humana. Tenho a certeza, não se trata só de optimismo. E quando nos oferece mais música?


De Prof.Doutor Raúl Iturra a 14 de Outubro de 2010 às 19:01
Escrevi este texto por causa da emotividade, tristeza e ansiedade, sentimentos que aparecem quando os nossos concidadãos estão em perigo. Um perigo tão iminente, que nem sabemos o como e o quê fazer. Especialmente na altura em que preside a República o professos de economia do velho ditador, esse que faleceu réu e em tribunal. Quem preside a nação, não se teria importado se não tiverem aparecido no Chile cidadãos, técnicos, a NASA, que bem sabiam como içar aos mineiros. A imagem deste texto, é a cápsula que funcionou 48 horas sem parar, até resgatar ao chefe de todos os seus colegas da Mina, Luís Urzúa. Como diz especificamente Isabel Allende no seu livro de 2003, Mi país inventado, arreté, barcelona, andamos sempre a inventar formas de vida e de subsistência. Eu não era capaz de ficar calado perante tão grande façanha, como a dos mineiros do cobre do Chile. O Presidente arrebitou pela sua conveniência política. Hoje em dia é o herói do povo chileno, esse economista que ensinara ao velho Ditador como extorquir dinheiro aos pobres e proteger aos ricos...era-me impossível calar, especialmente pela alegria que em mim causa o resgate dos mineiros e pelo peso que caiu nos ombros de que queria ser Presidente, para se entreter. Deve ser, penso, um Presidente as sério e não de pantomima...Vivam os mineiros do Chile!


De carla a 14 de Outubro de 2010 às 23:58
Teria gostado que ontem fosse ainda Michelle Bachelet a presidente, que fosse ela a receber estes bravos mineiros, e não aquele defensor de Pinochet.


De augusta.clara a 15 de Outubro de 2010 às 10:37
Tens toda a razão, Carla. Eu nem sabia que este presidente tinha sido ministro do Pinochet.


De Prof.Doutor Raúl Iturra a 16 de Outubro de 2010 às 17:36
Miguel Juan Sebastián Piñera Echeñique (Santiago do Chile, 1 de Dezembro de 1949) é um economista, empresário e político chileno, membro do partido de centro-direita Renovación Nacional e presidente eleito do Chile. Assumiu o cargo em 11 de Março de 2010, sucedendo Michelle Bachelet.

Minhas Senhoras, agradeço a vossa leitura dos meus textos. Envio a fonte de quem é Piñera e não Piñeira: não foi Ministro do ditador, foi o seu professor de economia, o que é bem pior, porque ensinou todos os traços de Milton para o país e ele ficarem mais ricos. E, sim, eu também teria gostado ver a Michélle como Presidente. Este esteve ai, por ser conveniente para a sua vida política. Os mineiros podiam ter sido resgatados a 12 de Outubro, mas, queria protagonizar e adiou o salvamento por um dia. Tal como a 4 de Setembro ele já sabia dos soterrados, mas esperou o minuto conveniente para ele e anunciar ao povo da tragédia.
Quanto a música, tornarei a colocar barroca, clássica e romântica. Obrigado pelas suas ideias
RI
lautaro@netcabo.pt


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
OláEu sou Ibrahim Mohammed do Emirado árabe unido,...
Eu sou um disposo privada de um fons de that em ro...
Eu sou um disposo privada de um fons de that em ro...
Potrebuješ pôžičku? Máte nízke kreditné skóre a ne...
Atenção; Você é um homem de negócios ou uma mulher...
Viveu bastantes anos em Portugal, mais precisament...
Empréstimo e InvestimentoOlá a buscar um empréstim...
No dia 08/01/1974, faleceu o furriel Zeca Rachide,...
Cheguei aqui pelo link no blogue O Cantinho da Jan...
Apply now for all kinds of loans and get it urgent...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links