Segunda-feira, 20 de Dezembro de 2010
O Pecado de Saber Demais (II)

(Continuação)

João dos Santos(1913-1987) **
(Enviado por Clara Castilho)

JS - Quando há uma festa com o Menino Jesus que é puro e que nasce de uma mulher pura a de um homem santificado e se recebem presentes, é como se a pessoa da criança fosse absolvida, porque há a imagem do Menino que é inocente e puro, e há os presentes que são uma gratificação que comprova que afinal não se está em pecado. E como se a criança dissesse a si mesma «eu afinal não estou em pecado», ou então, «eles não sabem que eu estou em pecado, mas estou, porque pensei coisas más, porque sou malicioso e fiz maldades... se recebi presentes é porque eles pensam que eu não fiz pecados.» A festa do Natal é portanto qualquer coisa que atenua, ou anula, a culpabilidade.



J.S.M - Mas os adultos sentem uma coisa muito semelhante. Também para eles o ritual da comida e dos presentes tem em geral uma enorme importância.


J.S. - Pois, nesse aspecto da intimidade, o que caracteriza o adulto, é a criança que existe dentro dele, exceptuando certas pessoas que se rigidificaram muito, que se estupidificaram às vezes também, ou que se tornaram caracteriais. O carácter é um conjunto de traços ou de comportamentos fixos que revela uma pragmática a que a pessoa se adaptou para depois conseguir, através disso, eliminar a sua ansie¬dade. Há duas formas principais de ser, uma é a pessoa ansiosa, que é a mais pró¬xima daquilo a que se chama neurose, a pessoa que sente ansiedade em face das coisas, e há o arranjo que as pessoas dão à sua ansiedade transformando-a em com¬portamento caracterial. Por exemplo, um tipo vai comprar uma agenda para escrever tudo o que tem a fazer em cada dia. Isso pode ser uma forma caracterial normal de evitar a angústia das surpresas.


J.S.M. - E donde é que vem a euforia do Natal, vivida tão intensamente tanto por crianças como por adultos? Há uma espécie de alucinação colectiva que dura uns dias em que parece que as pessoas andam todas a contar a si próprias uma história fabulosa em que não podem acreditar...


J.S. - ……que é sempre a história da desculpabilização. A festa do Natal é descul¬pabilizante por natureza, por aquilo que nós já falámos. Somos absolvidos e toda a gente é tolerante para com os adultos. O Menino Jesus é mais que tolerante, é passivo, é generoso, e as crianças identificam-se com Ele, ou se não se identificam, fazem um esforço nesse sentido, o que já é também desculpabilizante.


J.S.M. - É estranho que essa lenda seja única. Não conheço nenhuma parecida.


J.S. - Realmente não me recordo de ter lido ou ouvido qualquer outra história com tal relevo, mas de facto é uma história que não me surpreende. Reflectindo sobre ela, parece-me que era inevitável que fosse inventada.


J.S.M. - O êxito extraordinário da lenda do Natal virá então de podermos, todos, alimentar a ilusão inconsciente, ao menos por alguns dias, de que o nosso pai e a nossa mãe não estiveram juntos, que não se passou nada entre eles, que afinal não é preciso evocar nenhuma daquelas emoções terríveis que cada criança viveu acerca da vida íntima dos adultos; o sabermos que na história do Natal, em que cada um de nós conta à sua maneira a sua própria história familiar, em que cada um de nós projecta a história idealizada do seu próprio romance familiar, a história do seu nas¬cimento, a história das suas relações com a sua mãe e com o seu pai, a história das relações que os seus pais têm entre eles, e a história, afinal, da sua própria inocência, da sua própria ignorância inocente - o sabermos que nessa história pessoal e íntima que cada um conta à sua maneira não há, afinal, segredo nenhum, não existe mal, nem pecado, nem a ameaça da condenação? Será por isso que a história do Natal tem o sucesso que tem? Assim não temos que enfrentar a culpabilidade inerente a um conhecimento pecaminoso porque não há, afinal, nada de terrível para conhecer. Assim cada pessoa revive nessa lenda desejos secretos de uma enorme importância, revive, digamos, a história da sua própria inocência perdida, agora magicamente recu¬perada?


J.S. - Exactamente.


Pois a educação, como os mitos, como as religiões, como a realidade que nós sabe¬mos existir fora de nós, são suportes para as coisas boas e más que inventamos dentro de nós, sobretudo na infância. Portanto a história do Menino Jesus enquadra-se per¬feitamente naquela parte da criança que quer promover a idealização dos pais e pro¬clamar a inocência do menino, que por ser menino e ser deus não o culpa de nada.


Cada pessoa serve-se do que está à sua volta como suporte da realidade que lhe convém mais, e é por isso que a gente fala uns com os outros, é por isso que há diálogo, porque se as coisas fossem como vêm nos dicionários, como eu dizia no outro dia, cada pessoa andava com um dicionário debaixo do braço e não precisava de dia¬logar.


J.S.M. - É engraçado... É como se toda a gente, numa dada altura da vida, se contasse a si própria, em segredo, aquela mesma história, porque toda a gente sonha, sem o saber, com a possibilidade daquilo ser verdade...


J.S. - Mesmo que não se fale nisso...


J.S.M. - Exactamente...


J.S. ...está implícito.


J.S.M. - E toda a gente inventa para si própria, secretamente, uma história assim, sem nunca ter, se calhar, a mínima consciência disso, até que um dia encontra essa história fora de si, dá-lhe uma objectividade aceitável e mete-se a si próprio dentro da história com a maior candura. E como se tivesse ido ao cinema ou se estivesse a ler um romance entusiasmante e se identificasse com o herói da história. Realmente o Menino Jesus é uma espécie de herói duma história que toda a gente se conta, em segredo, sem o saber.


* SANTOS, J., Monteiro, J.S. (1988 b)) - “Se não sabe, porque é que pergunta?”. Lisboa: Assírio e Alvim.


**Psicamalista e Pedopsiquiatra, reformulador dos serviços de saúde mental infantil na década de 60 (ver http://www.casadapraia.org.pt/)

Desenho de uma criança do centro Doutor João dos Santos_______________




publicado por Carlos Loures às 10:00
link do post | comentar

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
OláEu sou Ibrahim Mohammed do Emirado árabe unido,...
Eu sou um disposo privada de um fons de that em ro...
Eu sou um disposo privada de um fons de that em ro...
Potrebuješ pôžičku? Máte nízke kreditné skóre a ne...
Atenção; Você é um homem de negócios ou uma mulher...
Viveu bastantes anos em Portugal, mais precisament...
Empréstimo e InvestimentoOlá a buscar um empréstim...
No dia 08/01/1974, faleceu o furriel Zeca Rachide,...
Cheguei aqui pelo link no blogue O Cantinho da Jan...
Apply now for all kinds of loans and get it urgent...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links