Sexta-feira, 27 de Agosto de 2010
Está aberto um debate sobre a poesia, antecedendo a "Maratona Poética"
Adão Cruz

(Uma achega ao magnífico texto de Carlos Loures)


Eu não sei o que é a poesia, penso que ninguém sabe verdadeiramente o que é a poesia, e duvido muito de quem diz que sabe. Desde a depuração absoluta da palavra à Respiração de Deus, já ouvi todas as definições. No entanto, penso que a poesia é um sentimento como outro qualquer. Por isso, em vez de poesia, prefiro chamar-lhe sentimento poético, como em vez de arte, prefiro dizer sentimento artístico. O sentimento poético é um sentimento como o sentimento do amor, como o sentimento da alegria, como o sentimento da tristeza. Parece-me, contudo, ser um sentimento muito subtil, quase mágico, provavelmente de uma neuronalidade muito delicada, uma espécie de musicalidade, uma essencialidade rítmica e harmoniosa que existe dentro de nós e nos permite, quando permite, a mais nobre e sublime expressão da realidade das coisas e da vida.

Penso, ainda, e parece haver estudos psicológicos, sociológicos e neurobiológicos que o comprovam, que o sentimento poético e o sentimento artístico enriquecem e enobrecem todos os nossos processos de humanização, criam grandes afinidades com a consciência, aproximam-nos de todos os mecanismos de identificação com a verdade, afinam todas as outras emoções e sentimentos, ajudam-nos no caminho do equilíbrio e da harmonia, e até da justiça, ou não devesse ser a justiça a convergência ao mais elevado nível, do equilíbrio e da harmonia.

E mais penso que, muitas vezes, o que andamos para aqui a fazer não tem nada a ver com poesia. Fazer poesia, ou melhor, pesquisar a poesia como eu gosto mais de dizer, é sentirmo-nos como uma espécie de garimpeiros da poesia. Todos sabemos que os garimpeiros são aqueles homens que, nas margens dos rios das regiões auríferas, passam dias, semanas, meses e anos, a lavar pedras e cascalho, a ver se encontram umas pepitas de ouro. Nós, os que nos consideramos pesquisadores de poesia, passamos os dias a lavar o cascalho das palavras a ver se encontramos algumas pepitas de poesia, o que nem sempre acontece. Com a agravante de que há ouro verdadeiro e ouro falso, nem sempre fáceis de distinguir.

E penso, ainda, que a poesia percorre transversalmente qualquer forma de expressão artística, seja o poema, sua matriz natural, seja a pintura, seja a música. E qualquer forma de expressão artística só é arte, se contiver dentro de si a essência poética. Arte e poesia são irmãs gémeas, não podendo viver uma sem a outra.

Penso ainda, e é mais a este ponto que eu quero chegar, que a poesia, pela sua natureza intimista, é para ser lida a sós, no mais recatado silêncio. Eu não sou grande adepto da poesia lida, dita ou declamada. Reconheço, talvez, algum carácter de excepção no que respeita à poesia chamada de intervenção. De resto, penso que é um tanto caricato andar a ler poesia à mesa dos cafés, poesia no eléctrico ou poesia nas feiras, como é moda ultimamente. Peço desculpa a quem tem uma opinião diferente da minha, mas o mal não está em ter opiniões, mas em não as ter. Eu passo a explicar porque assim penso.

Quando um autor faz um poema, cria-o com toda a sua vida, através de toda a sua estrutura vivencial, com todas as suas emoções e sentimentos, as suas paixões e frustrações, as suas memorizações, a sua cultura, a sua visão do mundo e das coisas. Quem vai ler esse poema não vai ler o poema do autor, mas o seu próprio poema, dado que vai lê-lo com a sua vida, com a sua estrutura anímica e vivencial, através das suas emoções e sentimentos, através das suas paixões e frustrações, deitando mão da sua cultura própria e da sua visão do mundo e das coisas, que podem nada ter a ver com a vida do autor. O poema do autor constitui apenas o estímulo, mais profundo ou menos profundo, mais poderoso ou menos poderoso, que consegue arrancar um novo poema do íntimo de quem lê. Ninguém vê com os nossos olhos, ninguém sente com o nosso íntimo e ninguém pensa com o nosso pensamento.

Suponhamos agora que uma pessoa, que podemos considerar terceira pessoa, resolve ler o poema em público, fazer uma espécie de interpretação colectiva do poema, podendo até escorregar para uma certa aberrância, especialmente se eu não me identifico minimamente com a pessoa, se não me identifico com a sua postura, com a sua linguagem gestual, com a sua voz, com a sua forma de dizer e de interpretar, então aquilo que ouvimos pode não passar do esqueleto do poema, dos andaimes do poema, ou para utilizar a metáfora referida atrás, do cascalho das palavras, porque nestas andanças, a essência poética, as tais pepitas de ouro, podem já ter-se perdido pelo caminho.

tags:

publicado por Carlos Loures às 16:30
link do post | comentar

6 comentários:
De paladar da loucura a 27 de Agosto de 2010 às 17:37
Meu pai ontem dizia que a poesia é uma viagem a outro planeta, onde pelo caminho nos encontramos... Entre risos (ele brinca sempre) tocou o cerne - esse lugar breve de lucidez que o poeta alcança. Estou com o Adão porque poeta também, é quem lê e toma conta da obra do outro. Quando a reinventa e alcança o ser, é novamente poeta. Quem lê em voz alta a poesia alheia, chora por dentro, pois acredito jamais ser possível entoar como se lê, um poema.


De Luis Moreira a 27 de Agosto de 2010 às 18:05
O Adão tem aqui um texto soberbo.Pesia pura. Eu tenho dois momentos que lhe dão razão. Como já aqui aflorei, quando leitor de Cesário Verde, sentia de tal forma a sua melancolia, que comecei a recear pela minha própria vida. É que eu era um jovem cheio de saúde e ele fora um um ser que não chegou a ter, sequer, juventude! Outra vez tive oportunidade de ouvir Eugénio de Andrade, ele próŕio a ler a sua própria poesia. Começou por dizer " não batam palmas que o poeta não gosta" e caminhava de um lado ao outro com um grosso sobretudo a cair-lhe dos ombros como faziam os poetas Russos, perdidos de alcool e de doenças. Nunca mais me apanham a ouvir um "diseur "...o que eu leio não é o que eles dizem, embora o poema possa ser o mesmo! Abraço Adão!


De augusta.clara a 27 de Agosto de 2010 às 21:03
Pois eu não quero dizer mais nada do que: Que belo texto, um profundo sentir, um belo acorde musical, um poema. Um texto de ouro.


De adão cruz a 27 de Agosto de 2010 às 21:08
Conheci muito bem Eugénio de Andrade. Aliás privei com ele. Foi ele que me ajudou a compor e organizar o meu primeiro livro de poesia " Esta água que aqui vem dar". Mas isso não me impede de dizer que eu, mesmo assim, não gostava de o ouvir ler os seus próprios poemas.


De adão cruz a 27 de Agosto de 2010 às 21:14
Obrigado Augusta. Também sinto o teu comentátio como um poema. Um beijinho


De Pedro Godinho a 27 de Agosto de 2010 às 23:15
Poesia é literatura, às vezes boa às vezes má; mais vezes a segunda que a primeira mas é preciso quantidade para encontrar qualidade.
Sou mais de prosa.


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
bom dia meu tio de nome joao da cunha fernandes da...
Sou James Roland, de Portugal. Alguns meses atrás,...
Oferece empréstimos de dinheiro variando de 5000 a...
Here is a good news for those interested. There i...
oferta para todosOlá, volto para todos os indivídu...
esse dalmaso nao e brasileiro ele deu depoimento e...
Meu nome é Patricia Martins, de Portugal, um pai s...
Dia bom, Meu nome é Laura Pablo, eu quero testemun...
Afinal em que ficamos? Esta coisa do Daflon do Ven...
UPDATE ON LOAN REQUIREMENT If you are in need of ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links