Quinta-feira, 20 de Maio de 2010
Sobre a blague de a língua portuguesa ser “muito traiçoeira”

Manuel Simões

Não sei se foi o apresentador/humorista Herman José quem inventou esta expressão mas é ele quem a tem difundido com a intenção de pôr em evidência segundos sentidos de palavras cujo significado primeiro não tem referências de carácter obsceno ou licencioso. Mas a ele interessa-lhe vincar precisamente este aspecto e, não fosse o público não perceber, eis que recorre ao que já se tornou um lugar-comum que se ouve com muita frequência: “a língua portuguesa é muito traiçoeira”.



A convicção posta na utilização assídua e apodíctica deste lugar-comum parece querer conceder à língua portuguesa o exclusivo da ambiguidade e da polissemia de um grande número de palavras, o que é um tremendo disparate, antes de mais porque esta é uma característica essencial da linguagem, mais acentuada porventura na sua realização popular. E não é uma concessão dos deuses à língua portuguesa pela simples razão que é um aspecto distintivo de todas as línguas, não sendo de estranhar que se desenvolva mais acentuadamente em campos semânticos onde se pretende introduzir a “transgressão”. Isto quer dizer que, na sua realização concreta, ao referir-se a termos apercebidos com algum pudor, a língua utiliza eufemismos aparentemente inócuos, cuja função é a de atenuar a crueza da expressão ou a de provocar efeitos irónicos, desencadeando o riso ou enriquecendo a expressão literária que vive, como se sabe, de imagens e de metáforas. Como escreveu Eça de Queiroz de forma bem expressiva: “sobre a nudez crua da verdade o manto diáfano da fantasia”.

Reportando-me apenas às línguas românicas, as que conheço melhor, poderia ilustrar esta característica com variadíssimos exemplos. Mas serve perfeitamente o caso do italiano que, para designar o órgão sexual masculino, para além dos nomes técnicos ou populares, usa os termos “pássaro”, “cenoura”, “pepino”, “ervilha” (linguagem infantil) e outros vegetais; ao português “comer” (em sentido sexual) pode opor-se o italiano “scopare” que, literalmente, significa ‘varrer com escova, escovar’.

Passando ao francês, também haveria inúmeros exemplos, e alguns bem interessantes. Fico-me pelos mais conhecidos, como “baiser” (‘beijar’ e ‘fornicar’) e de cuja ambiguidade já todos nos apercebemos nas legendas aos filmes franceses (que agora não vemos, mas isso é outra história); “pipe” que, como se sabe, significa ‘cachimbo’, assumindo, porém, o significado transgressivo na expressão “faire une pipe” (‘sexo oral’), sofrendo um desvio semântico mas não semiológico; ou ainda “valseuses” que significa ‘pessoas que dançam a valsa’ ou ‘testículos’, de acordo com a situação contextual.

É claro que a polissemia provoca não poucos problemas aos tradutores menos atentos. Já pensaram num italiano que não dominasse perfeitamente a língua portuguesa, em presença das inocentes palavras “fica” (terceira pessoa do singular do vervo “ficar”) ou “minhota”? É que à primeira corresponde, em italiano, um dos termos mais frequentes para designar o órgão sexual feminino; e à segunda (escrito “mignotta”, com o ‘o’ aberto) o significado de “prostituta”. Além das interferências lexicais, estes exemplos servem para destruir a pretensa especificidade da língua portuguesa como “língua muito traiçoeira”, expressão que, só por ignorância, continua a ser exibida sem pudor.


publicado por Carlos Loures às 21:00
link do post | comentar

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Olá Sr. / Sra.Você precisa de empréstimos para o p...
HOLA...¿NECESITA PRESTAR DINERO PARA PAGAR CUENTAS...
Bom-dia Senhoras e Senhores.Sou uma mulher de negó...
Sou uma mulher de negócio Portuguesa e ofereço emp...
Dude, if you were trying to sound portuguese let m...
Olá Andreia! Sei que esta publicação já é antiga. ...
Patricia Deus vai abençoar você e sua empresaMeu n...
Meu nome é Fábio João Pedro e eu sou de Portugal. ...
Meu nome é jose matheus Giliard Alef sou do brasil...
Bom dia a todosMeu nome é Damián Diego Alejandro, ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links