Terça-feira, 31 de Agosto de 2010
Espaço VerbArte - Três poetas da casa falam sobre as portas que a poesia fecha, sobre o sonho e sobre o que mais adiante se verá



Augusta Clara de Matos

As  portas que a poesia me fechou, com uma folha de plátano, como quem diz: "Contenta-te com este artifício, tu que não tens imaginação para mais".
______________________________________



Ethel Feldman


Quero viajar pelo mundo
viver/conviver com o sorriso
e o choro daqueles que habitam
outras paragens.

Não vou poder abraçar as mulheres - girafa,
nem as meninas que vestem a burca
mal o sangue lhes escapa.

Não vou conseguir aprender
com as gueixas a arte de ouvir,
nem com as índias a de parir
a sorrir.

Queria viajar e sentir
em todos um abraço
que resulta do que cada um
somos enquanto vida.

Queria aprender a dançar
e a rezar sem conceitos
e preconceitos.

Hoje acordei com a falta que tenho
de não poder jogar-me nos braços
do homem que dança o tango.

Hoje dei conta da falta,
e da vontade que tenho em voltar,~
do tempo que uma vezes é longo
e agora tão curto.

Vou abraçar-vos sem descanso
tenho todo o tempo do mundo.
_______________________

Adão Cruz

O sonho

O sonho
acesso do silêncio
ao dilatado vento da palavra
o direito da sombra
na luz de todas as cores.
O sonho
doce caminho dos lábios
perfumados de alheias maçãs
a voz que há-de voar
quando se calarem as asas.
O sonho
canção intemporal
que dá razão à loucura
a sede de todas as fontes
a água de toda a secura.
O sonho
vento leve e sensual
tocado de algas e maresia
adormecido o pensamento
na doce cama da fantasia.
O sonho
uma flor a sorrir
no outro lado do rio
onde as quebras do silêncio
dão voz ao melro vadio.
os barcos que chegam tarde
carregados de vinho amargo
a esperança de todo o tempo
sem outro tempo de esperar.

O sonho
mar derramado na areia fina
beijando o corpo feito casa
a paz da tarde adormecida
sem corpo para morar.

O sonho
mão apertada ao escudo
da liberdade ameaçada
o sonho tempo perdido
tempo de sonho e de nada.

O sonho
flor de orvalho colhida
no seio efémero da madrugada
o silêncio da canção perdida
no beijo da noite atraiçoada.

A grávida mais linda que já vi

Foi ela a grávida mais linda que já vi.
A grávida mais linda que já vi
tinha olhos aguados de ternura
olhos mansos de sonho e distância
olhos de sexo infinito.
Tinha estrelas pequeninas nas maçãs do rosto
e os lábios frutavam de carnudos
com gosto a sol e a sal.
A grávida mais linda que já vi
dormia no ventre da serra-mãe
entre asas e desejos
cabelos mortais sonhados de horizonte
hálitos de feno e maresia
que o sol acordava no acordar de cada dia.
O seu corpo nascia das ondas
e ondeava como seara madura.
A grávida mais linda que já vi
na paisagem lisa do tempo
dormia na areia branca
e tinha flores brancas
na raiz branca das coxas
dos beijos da espuma branca
que do mar sobrava.

                                                                                                                      (Quadro de Adão Cruz)                                                   


publicado por Carlos Loures às 08:00
link do post | comentar

4 comentários:
De paladar da loucura a 31 de Agosto de 2010 às 08:48
fosse o poeta desperto, a palavra seria branca e silenciosa...


De augusta.clara a 31 de Agosto de 2010 às 15:13
Poeta da casa eu? Onde é que, alguma vez, chego aos calcanhares destes dois? Dor de cotovelo não me falta!


De Luis Moreira a 31 de Agosto de 2010 às 16:15
Este serviço de abrir um espaço para tanta poesia e muito boa poesia já justificava as dores do parto do estrolabio. Juntamos gente boa, artistas, gente culta.E sabem uma uma coisa? Somos um êxito extraordinário, porque só vale a pena escrever se tivermos quem nos leia.Muita gente nos lê, de todo o mundo (a diáspora ligada por este cordão umbelical), leituras a ultrapassar o milhar/dia, tudo à medida da qualidade. Como diz o Loures, sem concepções, sem futebol, sem gajas nuas, sem truques.,com respeito uns pelos outros. Já nos conhecemos sem nunca nos termos encontrado. E tudo em 3 meses.Obrigado, aos que nos leiem e aos membros desta equipa fantástica.


De Luis Moreira a 31 de Agosto de 2010 às 18:10
...sem cedências...


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
OláEu sou Ibrahim Mohammed do Emirado árabe unido,...
Eu sou um disposo privada de um fons de that em ro...
Eu sou um disposo privada de um fons de that em ro...
Potrebuješ pôžičku? Máte nízke kreditné skóre a ne...
Atenção; Você é um homem de negócios ou uma mulher...
Viveu bastantes anos em Portugal, mais precisament...
Empréstimo e InvestimentoOlá a buscar um empréstim...
No dia 08/01/1974, faleceu o furriel Zeca Rachide,...
Cheguei aqui pelo link no blogue O Cantinho da Jan...
Apply now for all kinds of loans and get it urgent...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links