Domingo, 19 de Dezembro de 2010
Dos invernos do nosso descontentamento: de 2008 a 201?, da Islândia, passando pela Irlanda a uma outra qualquer xislândia europeia - 2
Eleja Vincent



II. Náufragos da Islândia

Ainda há três semanas, Ragnar Kristinn Kristjansson era um empresário a quem os ventos polares tinham dado sorte. Com 48 anos, este ruivo, dinâmico, vivia das suas rendas. A sua exploração de cogumelos tinha-lhe trazido a fortuna e a felicidade. Desde a baía envidraçada da sua elegante residência secundária, em Fludir, a duas horas de estrada a sudeste de Reykjavik, a capital, podia contemplar orgulhoso e sereno as vastas planícies vulcânicas da Islândia. Quando fazia bom tempo, o seu terraço era o ideal para admirar as auroras boreais.

No banco, tinha direito aos melhores cumprimentos e atenções. Os melhores conselheiros, taxas privilegiadas. O sector financeiro da ilha estava no seu apogeu. Todas as audácias eram autorizadas. Para o seu último investimento, tinham-lhe dado prometido 40% de lucros. Era uma aplicação num hotel em Pittsburgh, nos Estados Unidos. E ele acreditou!

Em três dias, no início Outubro, tudo naufragou: as rendas, o hotel em Pittsburgh. Depois de uma década de euforia, um crescimento entre 4% e 7% por ano, a crise financeira internacional atingiu a Islândia, que nada via do estava a acontecer. Esta faliu, à boa maneira do Monopólio, com contas congeladas, créditos bloqueadas, poupanças que se desfizeram em fumo.

Em 72 horas, a 7,8 e 9 de Outubro, o governo teve brutalmente que nacionalizar os três principais bancos do país para salvar o que era ainda “salvavel”. Bancos com nomes “bárbaros” até então respeitados: Glitnir, Landsbankinn et Kaupthing. É neles que Kristjansson tinha feito as suas aplicações. Como a maior parte dos 300.000 Islandeses. Hoje, como muitos, está furioso.

Em Reykjavik, manifestantes reclamam a cabeça do governador do Banco Central. Nas ruas da capital, não há um transeunte que não tenha perdido qualquer coisa com esta falência. “Não tenho nenhuma ideia do que é que resta da minha pensão!” diz, desolado, Peter, 58 anos, consultor em informática. Como muitos, tinha uma reforma por capitalização. “É simples, perdi todos os anos de poupança! ”, diz-nos, com o passo apressado, Hafsteinn Halldorsson, um trabalhador, com emprego temporário, de 48 anos.

Para responder às inquietações das pessoas, o governo instaurou um centro de chamadas telefónicas. Também pediu a abertura das igrejas até mais tarde, à noite. E concedeu vários guarda-costas e um porta-voz ao primeiro-ministro.

Nas lojas, perante uma procura em forte contracção, tenta-se por todos os meios escoar as existências. Nos prospectos distribuídos nas caixas do correio, os preços estão em queda: 50% nos produtos de pastelarias, 80% nos móveis, 90% nos sapatos. As galerias de arte e o meio artístico, muito dependentes do mecenato empresarial, temem o pior. Nos jovens, o humor é pobre. Estudantes inscritos nas universidades estrangeiras foram obrigados a regressar e com urgência. Com o desmoronamento da coroa, a vida fora da Islândia tornou-se inacessível. Outros pensam em se ir embora, “para não pagar durante vinte anos as dívidas dos pais”. Uma mãe diz-nos das intenções que traz o seu filho, jovem ainda, numa noite, de regresso da escola: “Agora, vai ser necessário comer tudo até limpar o prato!”

Nestes dez últimos anos, foi a finança que alimentou o crescimento. Graças a ela, os Islandeses tinham ganho o hábito de se considerarem como “o povo mais feliz do mundo”. As estatísticas mostravam-no. Depois de ter sido um dos países mais pobres do mundo ocidental, a ilha tinha-se tornado a lugar sobre de terra onde se morria mais tarde, com menos doenças e mais rico.

Mas este crescimento era frágil. Era baseado em empréstimos maciços no estrangeiro - até 550% do produto nacional bruto - com uma moeda sobreavaliada. A crise mundial não teve nenhuma dificuldade em inverter o castelo de mapas. No país dos fjords, dos geysers e dos rios cheios de salmões, o dia-a-dia tornou-se rapidamente muitíssimo duro. “Poderia esperar eventualmente uma terceira guerra mundial, mas nunca isto!” lamenta com humor, Kristjansson. No seu caso, a crise poderia apenas forçá-lo a voltar a trabalhar . Mas para a maior parte dos islandeses, as coisas são mais complicadas. A ajuda do Fundo Monetário Internacional (FMI) não resolverá tudo. Desde há três semanas que a inflação não para de fazer explodir os preços. As contas correntes funcionam, mas todas as contas de poupança ou de colocação estão congeladas. Ninguém teve tempo de retirar o seu dinheiro. Esperando eventualmente uma ajuda estrangeira, o Estado impôs medidas de salvaguarda de um dia para o outro.


Todas as importações são bloqueadas. Com falta de divisas, o Banco Central recusa a saídas de coroas. Faltam muitos produtos nas lojas. Só os sectores alimentar e farmacêutico são poupados. Privada de dinheiro, a Islândia é um país paralisado. “É como se se trate de um filme de acção em que, aquando da pior cena do filme, se tenha pegado no seu telecomando e carregado na tecla pausa ”, observa Einar Arnason, economista no sindicato do fundo de reforma dos empregados do sector público.

Para as famílias como a de Ragnhildur Sigurdordottir, 42 anos, e o seu cônjuge, a situação ficou crítica. São proprietários de um rancho perto de Selfoss, uma pequena cidade sobre a costa Atlântica, a trinta minutos de Fludir. Têm duas crianças, e 50 poneys islandeses que é necessário alimentar. Ora, há três anos, para poder investir perto desta povoação onde, como por toda a parte na Islândia, as paredes das casas são cobertas com chapas onduladas e bem coloridas, tiveram que contrair um empréstimo.

O crédito que os obrigaram a subscrever, como a muitos islandeses, foi feito em divisas estrangeiras. Um produto que os bancos tinham elaborado para obter taxas de juro pouco elevadas e atrair os clientes. Os outros empréstimos propostos na época eram a taxas três vezes superiores, mas a aposta era arriscada. Com a desvalorização da coroa nas últimas semanas, as mensalidades explodiram. Para Sigurdordottir, estas duplicaram. A família vivia regularmente a crédito, a descoberto, mas agora está ainda muito pior. Na Islândia, não se grita, não se enerva face à adversidade. Fiel ao pragmatismo islandês, esta bonita mãe de família de cabelos compridos e louros recusa, por conseguinte, alarmar-se. Prefere agarrar-se à promessa governamental de reescalonamento dos créditos para as famílias em mais dificuldade: “De qualquer modo, não temos poupanças e nada para vender.”


Os créditos em divisas estrangeiras asfixiam também numerosos pescadores e agricultores, como Sigurdur Agustsson, proprietário da segunda exploração agrícola do país em superfície, perto de Fludir. Tem 550 hectares, 160 vacas e três crianças. Os rios cheios de salmões que aluga a ricos estrangeiros apaixonados da pesca à linha continuarão a ser uma fonte de rendimentos, mas demasiado fraca. “Se o governo não faz alguma coisa, não consigo ver absolutamente nada em que é que isto vai dar, explica este luterano praticante. Não posso sequer vender, não há compradores.”

Até à falência, o crédito era quase uma religião, na Islândia. Empréstimo para o 4 × 4, empréstimo para a cozinha, para a televisão. Quando as crianças queriam comprar uma casa, hipotecavam a dos pais. Todos os cartões de crédito a débito era diferidos e tudo se pagava com eles: os cigarros assim como o pão. Nas lojas, o 18 de cada mês uma data era esperada. Era o início de várias semanas de vida a crédito. Para as festas de fim de ano, em Dezembro, os bancos antecipavam esta data para o 11 do mês.

O sistema atraiu numerosos polacos. Como a família Tozefir, que desembarcou em Fludir há oito anos. Graças aos milagres do crédito, Michal, 30 anos, e a sua mulher, empregados num hotel, não têm nada a invejar de uma família de quadros franceses: uma grande casa, Jeep, iMac, trampolim no jardim… “Até à crise, a Islândia era um sonho para nós!” explica Michal. Mas hoje, têm um empréstimo em euros sobre o automóvel. O seu orçamento apertou-se consideravelmente. E não haverá nenhuma visita à família na Polónia este Inverno.

Muitos dos seus compatriotas decidiram simplesmente voltar ao país. É particularmente o caso em Reykjavik, onde vinham trabalhar como trabalhadores sazonais na construção. Em três semanas, com a desvalorização da coroa, os seus salários perderam até metade do seu valor. Na capital, o bloqueio dos créditos obrigou de repente as numerosas gruas de estaleiros que pendem sobre o mar a retardarem o seu ritmo. Por toda a parte florescem escritos a dizerem “ vende-se”, sobre pavilhões ainda em obras.

Na Associação Nacional para o Emprego (ANPE local) , é a ebulição. Em poucos dias, a agência teve um afluxo de desempregados com o qual nunca tinha sido confrontada até aí. Nestes últimos anos, a taxa de desemprego nunca excedeu 1,5%. Agora, num mercado de emprego de 170.000 postos de trabalho, cerca de 3.500 pessoas precipitaram-se para a agência, 600 das quais foram despedidas do sector bancário. A organização teve que empregar pessoal, na urgência.

Para os economistas, é somente daqui a dois meses que os efeitos da falência começarão realmente a fazerem-se sentir. E em dois meses chegará um encontro caro aos Islandeses. Um encontro que torna um pouco mais agradáveis as longas noites de Inverno, Natal.


 Les naufragés d’Islande, Le Monde, 23.10.08.


publicado por Carlos Loures às 21:00
link do post | comentar

3 comentários:
De Luis Moreira a 19 de Dezembro de 2010 às 22:04
Quem nada tem nada paga. penhoram? Força! Cá em Portugal os bancos andam a fazer leilões de casas com reduções de 30%.


De António Gomes Marques a 19 de Dezembro de 2010 às 22:36
A vida correu bem a Ragnar Kristinn Kristjansson enquanto se preocupou em criar riqueza em que o seu trabalho era uma ou a parte fundamental; quando entrou na especulação, ficou nas mãos dos que nunca fizeram nada na vida a não ser especular e hoje viverá angustiado com o dia de amanhã.

Todos sabemos isto, mas os especuladores, perante o desastre, recuaram, ou seja, deram um passo atrás e, agora, já vão com dois ou três passos à frente e a dominar de novo a situação com o contributo da UE. Os ricos cada vez mais ricos, com a concentração da riqueza nas mãos de meia-dúzia, os pobres cada vez mais pobres e em maior número (em progressão geométrica?)... pelo menos enquanto os que trabalham por conta de outros forem tendo capacidade para pagar impostos.


De Luis Moreira a 19 de Dezembro de 2010 às 22:54
E, aquela lição da reforma. Ficou sem reforma porque em vez de a ter na Segurança Social num sistema de repartição, em que todos apoiam todos, meteu-se no sistema de capitalização, onde é um por si, a ver quem saca mais. Ainda se esta gente percebesse que com o dinheiro de que precisamos não se usa na especulação...


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Olá,Esta mensagem foi enviada de James Ben GROUP P...
bom dia meu tio de nome joao da cunha fernandes da...
Sou James Roland, de Portugal. Alguns meses atrás,...
Oferece empréstimos de dinheiro variando de 5000 a...
Here is a good news for those interested. There i...
oferta para todosOlá, volto para todos os indivídu...
esse dalmaso nao e brasileiro ele deu depoimento e...
Meu nome é Patricia Martins, de Portugal, um pai s...
Dia bom, Meu nome é Laura Pablo, eu quero testemun...
Afinal em que ficamos? Esta coisa do Daflon do Ven...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links