Sábado, 26 de Junho de 2010
Ontem e hoje: o crescimento das crianças (2)
Raúl Iturra




Essa é a oscilação entre adulto e criança. Em adulto, passa a ser uma lembrança simpática e divertida, enquanto que em criança, um pesadelo regado em lágrimas. A vida adulta é a construção do comportamento social e pessoal dos mitos do saber do tempo cíclico, que um dia foram agir real, e que passam a dizer o que fazer. Como quando dois adultos não se entendem, não gostam um do outro e os comentários são sarcásticos, irónicos, de desencontros, Como as crianças fazem. Só que não dizem o teu pai bate no meu, simplesmente dizem a tua teoria e má e não é o que dizes. Mas no corredor, nunca em frente. Em frente, passa-se…sem cumprimentar, ou com um cumprimento de circunstancias, formal. Ou com uma zanga directa, na cara do outro. Como essa que tive a oportunidade de observar, enquanto preparava Vilatuxe na Inglaterra de 1973. Era o seminário da sesta feira, famoso por anos. Presidia Jack Goody e atendíamos vários, entre os quais Meyer Fortes, Allan Macfarlane, Caroline Humphreys, Steven Hugh-Jones. Falava Sir Julian Pitt-Rivers. Sobre Malinowski. Sir Edmund Leach quis chegar tarde, ainda que era o Decano do sítio onde sempre tínhamos o seminário de debate semanal. Entrou com o barulho no corpo e espalhou o barulho pela sala, enquanto sentava de costas á mesa. Quando Pitt Rivers menciona ter sido o mais novo e último discípulo de Malinowski, essa gloria que, reconhecida, da prestigio, Leach virou-se, bateu na mesa, disse que não era verdade e acrescentou que o texto todo lido por Pitt-Rivers, não era verdade também. Os mais novos calamos, assustados. A sabedoria de Meyer Fortes calmou aos contingentes. Até Jack Goody fugiu, saiu, não quis ficar. Porque enquanto o adulto é útil ao outro, há sorrisos, visitas, passeios. Porque ainda não há crescimento no outro, e o outro pensa que é ignorando a sua senioridade, essa que o faz pensar ser adulto. Quando já o não o é, distancia, maledicência, não convites, esquecimentos, um dia de estes, tem que ser, de certeza. O confronto. Os factos e as frases que a nada conduzem. Mas, mantêm o entendimento estrutural. A criançada é útil, enquanto tem o que interessa ao outro o que o outro tem. Como digo no meu nunca reeditado livro tão procurado sobre a memória social, A construção social do insucesso escolar.


Entre crianças, este desentendimento é conjuntural. A criança orienta o comportamento do adulto (Iturra,1996 e 1997), mas não tem poder na vida social, como o adulto tem. A criança tem poder conjuntural sobre os seus pares, enquanto saiba o que o outro não sabe e pode ajudar. Como traduzir Hamlet de Shakespeare (1660-1663) a uma turma inteira, que do autor e a sua língua… nada sabe. Como possuir os brinquedos a moda ou ter livros a mais. Livros que interessam para estudar, aprender, saber. Ou saber lidar com aparelhos materiais que nos não sabemos. Estas oscilações são as do adulto - criança ou a do criança-feita-adulto. Parece um pessimismo meu da vida social, mas eu diria apenas que é a base da interacção recíproca. È tão claro no relato da troca que Malinowski faz dos ilhéus da Kiriwina, o kula: eu dou a quem tem a fama de devolver, de restituir. Tão bem explicitada pelo citado Mauss (1922) e usada em 1938 por Meyer Fortes para entender a relação entre grandes e pequenos. Por Jack Goody em 1973. Por Gomes da Silva em 1993. Por mim em 2008. Permita me o leitor, me agarrar ao estatuto por mim acreditado, para dizer que também uso a análise da reciprocidade, análise que percorre todos os meus textos. A reciprocidade, fundamental no crescimento das crianças, está baseada na desigualdade de bens. Adam Smith teve razão na sua definição de trabalho (1776): há a inclinação natural a trabalhar para fabricar todo o que eu posso e sei, mas para trocar por todo o que preciso e nem posso fazer nem sei.

O crescimento da criança, passa pela aprendizagem universal da troca recíproca, negociada antes, como analisei no meu texto de 2007 e como desse texto se pode apreciar. Se de esta troca nasce uma afectividade, essa troca passa a ser a das emoções, a dos corpos. Quer para fazerem mais corpos, quer para estarem com o corpo e os sentimentos em paz, se houver compreensão de um pelo que o outro faz e quer fazer. E acompanha. É aí onde têm chegado as minhas crianças de ontem, hoje adultos que eu observo e sorrio de ver como são o que não eram. Como as lembranças da memória social é um mito do real vivido e transformado, enquanto cresce, pelo social, local e doméstico. Como vamos ver a seguir. Antes, é preciso lembrar do que disse, no começo desta secção: que há uma heterogeneidade na interacção adulto - infância, de varias entradas simultâneas e desiguais no tempo e na relação, que depende do assunto que as pessoas estejam a tratar. É verdade que nenhum adulto foi habituado ou, ainda pior, ensinado a tomar conta de crianças. Apenas viu, não aprendeu de forma experimental, menos ainda, teórica. A sua teoria nasce do que sofreu. Do que viveu. Acredita-se na nossa cultura ocidental, nunca na Melanésia ou outros sítios como entre os Picunche, que a relação entre adulto e criança é natural, espontânea e óbvia. No entanto, pelo que sabemos, não é bem assim: enquanto mais pequenos, os novos procuram uma perigosa autonomia. Estabelece-se uma luta para a subordinação: não há adulto que queira largar a criança.


publicado por Carlos Loures às 15:00
link do post | comentar

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Olá Sr. / Sra.Você precisa de empréstimos para o p...
HOLA...¿NECESITA PRESTAR DINERO PARA PAGAR CUENTAS...
Bom-dia Senhoras e Senhores.Sou uma mulher de negó...
Sou uma mulher de negócio Portuguesa e ofereço emp...
Dude, if you were trying to sound portuguese let m...
Olá Andreia! Sei que esta publicação já é antiga. ...
Patricia Deus vai abençoar você e sua empresaMeu n...
Meu nome é Fábio João Pedro e eu sou de Portugal. ...
Meu nome é jose matheus Giliard Alef sou do brasil...
Bom dia a todosMeu nome é Damián Diego Alejandro, ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links