Sábado, 13 de Novembro de 2010
Armando Silva Carvalho, “Anthero, Areia & Água”(Lisboa, Assírio & Alvim, 2010)
Manuel Simões

Na revista “Colóquio/Letras” de Janeiro-Abril de 2010, publicou Armando Silva Carvalho um belíssimo poema com o mesmo título, composição que reflectia sobre o autor das “Odes Modernas”, por vezes em tom confessional, como o que se observa nos três versos finais: “Consigo decifrar as pegadas de Anthero/ A caminho do supremo/ Nada”. Mas antes já se antecipava o que viria a ser este livro, numa empatia de denúncia que o discurso deixava explicitamente perceber: “Direi depois se puder/ E em livro/ As causas desta minha decadência/ Já surda à voz das grandes multidões,/ Cansadas também elas/ Das palavras que lhes deitam por cima como bombas/ Em árias suicidas/ No palco da mentira universal,/ Como ele também dizia”(p.9).

Ora o livro aí está com as marcas de uma escrita inconfundível, desde que se revelou com “Lírica Consumível” (1965), passando por “Sentimento dum Acidental” (1981), “Canis Dei” (1995), “Sol a Sol” (2005), “O Amante Japonês” (2008), para citar apenas alguns títulos da apreciável e originalíssima produção poética do Autor. Agora, ao longo dos poemas de “Anthero, Areia & Água” a voz poetante passou a ser desempenhada por Antero, assumindo-se o Autor como espelho que reflecte o pensamento anteriano, recuperando por vezes o tempo histórico e a vertente ontológica: “Foi ontem, o início das Conferências,/ Fui eu quem levantou o comum pendão das Ideias,/ Revolução, Livre Pensamento, Democracia,/ E (oh, horror!) Socialismo”(p.75).

Inspirando-se este texto na leitura das “Cartas de Antero”, seria inevitável a referência a eventos, a polémicas que envolveram a geração (“Era o Lutero de Quental, diziam./ Não anti-Cristo, apenas anti-Castilho”) e sobretudo aos grandes sistemas que (in)formaram um século, aqui sintetizados de modo exemplar: “Tremendíssimo século dezanove,/ O meu, o de Marx (que tão mal conheci), o de Freud/ (de quem mal ouvi falar), da Ciência que surge em maiúscula/ Como uma nova jóia na coroa metafísica/Dos espaços febris do pensamento” (p.96).

Neste diálogo profundo com o tempo e o contexto da obra poética de Antero, o sujeito enunciador parece fundir-se por vezes entre os dois poetas e o discurso adquire assim uma contemporaneidade poética através de processos hermenêuticos que restituem força ao sentido das palavras. Exemplo deste processo é o poema cujo título (“Reprimenda ao Autor”) é um indicador da fusão empática de que se falou atrás, onde parece evidente a base do fascínio e da sua força de atracção, a razão da mesma perplexidade perante as coisas e os seres: “O presente alimenta-se da confusão dos euros e muito futebol./ As massas, meu caro, as massas não sofrem/ As insónias do doente nervoso,/ Não leram, passado mais de um século,/ O meu Proudhon, o meu Hegel de alcance reduzido/ Em soluções desportivas ou em pontas de lança justiceiros” (p. 86). É um segmento textual, este, talvez mais sereno mas não menos cáustico do que é habitual na escrita de Armando Silva Carvalho, escrita que aqui tenta fazer emergir o vulto escondido e algo misterioso do poeta da razão mas igualmente do misticismo.

De certo modo, este livro excelente pode ler-se como um ensaio, em forma de grande poesia, sobre as ideias do maior animador cultural da famosa geração de 70.


publicado por Carlos Loures às 16:30
link do post | comentar

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
No dia 08/01/1974, faleceu o furriel Zeca Rachide,...
Cheguei aqui pelo link no blogue O Cantinho da Jan...
Apply now for all kinds of loans and get it urgent...
Sou do Bat. Caç. 4613/72 que foi para Angola em fi...
Aí meu Deus eu tenho um pavor a esses bichos! Un d...
ei pessoal do bat cav 1927 e ex combatentes boa pa...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
I recebeu um empréstimo em um notável credores, ho...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links