Quarta-feira, 9 de Junho de 2010
Novas Viagens na Minha Terra
Manuela Degerine

Capítulo XIV

Etapa 5: De Arneiro das Milhariças à nascente do Alviela

Pernoito no ginásio dos bombeiros voluntários de Pernes, onde vinte colchões servem ocasionalmente para este fim. Escolho, por razões de higiene, dois com revestimento de napa, desdobro-lhes por cima o saco-cama e, depois de lavar a minha camisola, ponho-a a secar na rede de uma baliza. Mais uma vez, sou acolhida com respeito, discrição e muita simpatia. Gosto da generosidade e do profissionalismo que sempre encontro nestes quartéis.
Em Lisboa, hesitei entre dois sacos-cama, um mais quente, para uma temperatura de cinco graus, o outro menos, para uma de vinte. Ora neste momento, mesmo durante a noite, as temperaturas exteriores não devem descer abaixo dos dez graus – e eu não durmo na rua. Trouxe portanto o saco menos quente. Afinal... deve haver algures janelas abertas, talvez no próprio ginásio onde durmo – a verdade é que acordo às quatro horas com frio. E não volto a adormecer.
Saio às sete horas dos bombeiros. Ainda é de noite. Tomo o pequeno almoço no primeiro café e prossigo na direcção de Arneiro das Milhariças por uma estrada muito bonita com, diante de mim, as serras a nascerem da neblina.
Ontem à noite, quando cheguei a Arneiro, não encontrei alojamento mas um rapaz, canalizador, passava por Pernes com a carrinha e deixou-me nos bombeiros voluntários; trabalha catorze horas por dia mas não se queixa da crise. Esta manhã também converso em Arneiro com um trabalhador da construção: conta-me que era barman, mudou de trabalho por aquele ser bem pago, porém agora o patrão baixa os salários, aproveitando-se da crise para aumentar o lucro.
Previ caminhar dezanove quilómetros de Arneiro das Milhariças a Minde. Subo uma encosta quase de saltos altos por a terra molhada se agarrar às botas. No cimo há dois moinhos abandonados e um habitado, o moinho dos Silvas. A bruma deixa adivinhar lá em baixo um casario branco: Arneiro das Milhariças. Logo à entrada de Chã de Cima, num sítio muito sujo, sou atacada por quatro cães e, mesmo com o bordão, tenho dificuldade em escapar. Esta ocorrência ajuda-me a formular uma lei social: quanto mais lixo, mais cães e mais ferozes. Sigo em frente e, como não encontro nenhum café e já bebi um litro de água, prevendo a travessia de oito quilómetros até Monsanto sem avistar vivalma, peço a um habitante que me encha a garrafa; o que ele faz sem adiantar conversa. Desconfiado. Mais uma vez. Não imaginava os portugueses capazes de tamanha xenofobia. O sentimento de insegurança acabou com a franca hospitalidade: todos os estranhos lhes parecem agressores potenciais.
Atravesso uma vegetação muito variada, oliveiras, sobreiros, carvalhos, pinheiros. E tojo, cisto, urze, torga, murta, carqueja, que eu conheço, mas também numerosos arbustos cujos nomes ignoro. Avisto um rebanho de ovelhas. De súbito vejo entulho vazado no meio do caminho: pedaços de tijolo, azulejo e cimento. Dali a pouco chego à beira de uma estrada. Há medronheiros com frutos maduros. Noto porém cada vez mais lixo, montes de embalagens de plástico, como se tivessem despejado algum contentor, lixo e mais lixo, papéis e vidros... De repente sou atacada por dois cães – já estava à espera disto. (Cá diz o refrão: não há lixo sem cães.)


publicado por Carlos Loures às 10:00
link do post | comentar

1 comentário:
De Luis Moreira a 9 de Junho de 2010 às 12:16
Os cães não têm piada nenhuma, ainda hoje me lembro de um passeio no campo, há muitos, muitos anos, em que fui atacado por cães e fiz uma parte da caminhada em cima de um muro.


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Olá,Esta mensagem foi enviada de James Ben GROUP P...
bom dia meu tio de nome joao da cunha fernandes da...
Sou James Roland, de Portugal. Alguns meses atrás,...
Oferece empréstimos de dinheiro variando de 5000 a...
Here is a good news for those interested. There i...
oferta para todosOlá, volto para todos os indivídu...
esse dalmaso nao e brasileiro ele deu depoimento e...
Meu nome é Patricia Martins, de Portugal, um pai s...
Dia bom, Meu nome é Laura Pablo, eu quero testemun...
Afinal em que ficamos? Esta coisa do Daflon do Ven...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links