Terça-feira, 24 de Agosto de 2010
Hiroxima e Esquerda – dois comentários
Carlos Leça da Veiga

Não quero intervir na polémica sobre a questão de Hiroxima, aliás, estéril. Quem eram os maus da fita? Os ianques ou os japoneses? Qual mais bárbaro se atacar Pearl Harbour ou Hiroxima? Uma questão do número das vitimas?

Nos passados anos quarenta, o General Norton de Matos, num texto jornalístico, a propósito do anunciado perigo nuclear, afirmou que na guerra seguinte nunca era usada a arma mais terrifica utilizada na anterior. Atrevo-me a pensar que tinha razão. São passados 65 anos e, felizmente, nada aconteceu.

Posso testemunhar – tinha 13 anos – que o lançamento da bomba no Japão foi um motivo de grande satisfação para a população portuguesa e, estou certo, para a de todo o mundo “aliado”. Quem não acompanhou a guerra não consegue compreender o modo como foi a reacção favorável ao lançamento da bomba. Os Homens não são nada bons e o ódio que havia aos japoneses (por ex. a sua acção em Timor) ditou que o seu genocídio fosse considerado como uma coisa boa. Naquele 6 de Agosto estava em Coimbra e quando a noticia chegou houve uma explosão de alegria!!! Esperemos que não haja razões para uma qualquer repetição. Não será por invectivar a "bomba" que ela não é deitada. É fundamental acusar os interesses mais profundos que estão na origem dos conflitos e não ter alianças com essa gente.

Uns já deitaram duas bombas; outros estão na mira duma necessidade. É muito saudável ver acusar as grandes potências e as sua corridas ao armamento nuclear mas curioso é nunca ver a esquerda a atacar os Estados da união europeia – os nossos aliados – que têm a “atómica”. Serão melhores que os outros?

Nunca vi nenhuma das chamadas esquerdas portuguesas a exigir que os seus comparsas da união europeia – estes, pelo menos – destruam os respectivos arsenais atómicos. Curioso? O prato das lentilhas alimenta todos!!!

-----------------------------

O nosso Carlos Loures, já há vários dias, nas páginas deste “Estrolabio”, pronunciou-se sobre o título “de esquerda precisa-se”. Razões de ordem vária impediram-me de, como agora, tentar-lhe um comentário que, aproveito, considerar extensivo aos demais intervenientes na pequena troca de impressões então suscitada.

Precisar-se-á?

Organizados há alguns partidos – não são poucos – que reivindicam serem a esquerda ou, modestamente, de serem de esquerda. Desorganizados há um ror imenso de Homens e Mulheres que, honrosamente, prosseguem a reclamar o seu estatuto de esquerdistas. Entre estes têm aflorado algumas intenções – aliás excelentes – de quererem dar origem a essa tão desejada esquerda. De tentativa em tentativa são consumidas as maiores energias e as melhores dedicações. Resultados? Uma sucessão de desilusões.

Pergunta-se, valerá a pena recomeçar?


publicado por Carlos Loures às 16:30
link do post | comentar

18 comentários:
De augusta.clara a 24 de Agosto de 2010 às 17:28
Quanto à bomba, querido amigo Leça,ainda bem que a minha vida era, à data, muito curta para ter tido consciência desse regozijo porque continuo a achar que se cometeu uma monstruosidade sobre as populações civis de Hiroshima e Nagasaki quando os historiadores afirmam que a guerra já estava perdida para o Japão. Pearl Harbour foi, igualmente, uma barbárie, apesar de haver uma diferença: era uma base militar.Para já não falar em insinuações que já vi escritas sobre esse ataque que fez os americanos entrarem na guerra. Relativamente ao arsenal nuclear dos países europeus, e de Israel é preciso não esquecer, estou inteiramente de acordo contigo. Toda a gente se preocupa com o Irão. Mas, sobre isso, não é vale a pena acrescentar nada.


De augusta.clara a 24 de Agosto de 2010 às 18:05
Relativamente à esquerda, estou como tu: desiludida. Temos uma esquerda "politicamente correcta" que, por mais que proteste, não apresenta propostas estratégicas para o país que mobilizem todos os outros que não estão filiados em partidos. Creio que é possível existir já em fermentação algo que conduza a novos tipos de organização. Mas como se traduzirá? E não seremos nós responsáveis por não desistirmos de pensar nisso?


De Luis Moreira a 24 de Agosto de 2010 às 19:09
O que temos é a esquerda dos interesses tal como temos a direita dos interesses. A esquerda já foi a esquerda dos valores. A direita vive dos negócios com o Estado; a esquerda vive dos negócios do Estado.É escolher!


De carlos loures a 25 de Agosto de 2010 às 09:45
Meu caro Leça da Veiga, quanto à bomba não merece a pena discutirmos, pois argumentei o melhor que pude no meu texto, há mais de trinta anos publiquei uma antologia sobre o tema... ou seja, nem tu nem eu, estamos em idade de sermos convertidos ao que quer que seja. Nunca me ouvirás desculpar o monstruoso crime cometido pelos Estados Unidos - esse acto criminoso, seria suficente para que fossem isolados como pestíferos, negando-se todos os povos e nações do mundo a manter relações diplomáticas, económicas, culturais...

Em Vilarinho das Furnas, a aldeia comunitária que ficou submersa pelas águas da barragem, quando algum habitante cometia algum crime considerado inaceitável, não o entregavam ao braço da justiça - colocavam-no «fora de vizinho», ou seja, era como se não existisse, ninguém lhe falava, ninguém o tocava - sequer os familiares mais chegados. Até que morria. A comunidade internacional, perante a destruição de Hiroxima e Nagasáqui, devia ter posto os EUA «fora de vizinho». Mas não insisto. E numa coisa tens razão - os japoneses, se tivessem a bomba, tê-la-iam largado sobre as cidades americanas. Como sabes, sou contra os ses em matéria de ciência histórica.
Sobre a esquerda, é um trabalho de Sísifo: quando parece que pusemos a pedra no cimo da montanha (como aconteceu depois de Abril), a esquerda transforma-se em direita e lá temos de começar tudo de novo. E aqui, a confusão do Luís Moreira - a esquerda dos interesses, e a direita dos interesses - é tudo direita! O PS está nas mãos da direita (embora tenha gente de esquerda), o Bloco de Esquerda, posto em contacto com o poder, converte-se objectivamente em direita, o Partido Comunista, como dizia há tempos um historiador, é um partido conservador.
A minha definição de esquerda, como já aqui tenho dito, baseia-se em Rimbaud e em Marx - Mudar a vida e transformar o mundo. Esta suposta gente de esquerda, não quer nem uma coisa nem outra - apenas mudar os aspectos formais, as roupagens do poder. Estou de acordo com a Augusta - somos todos responsáveis pelo que está a acontecer. Desistimos. E ao desistir, passamos a merecer o que nos está a acontecer.


De carlos loures a 26 de Agosto de 2010 às 23:11
Tendo escrito ao Leça da Veiga, perguntando-lhe se não queria responder aos comentários feitos às suas palavras, respondeu-me assim (há momentos):

Meu Caro,
Com todo o carinho respondi aos meus comentadores mas a máquina - essa traidora da franja - devorou-me a obra. É um desespero e já não tenho idade para aprender.
Dum modo abreviado remomerei a cronologia de alguns - poucos - dos muitos crimes perpetrados na Primeira e Segunda Guerra e refutei que o dos ianques sejam piores. Alvos civis foram o forte das aviações alemã e inglesa. Coventri e Bremen são paradigmaticos, isto para não falar do crime de Guernica.
Referi que uns bem nossos conhecidos - por ainda não terem a tal bomba
- fizeram-nos cair na armadilha duma campanha em favor da Paz mas - isso não explicaram - que era a Paz deles.
Dirigi-me a nossa Augusta para dizer-lhe que se tentar-se um qualquer formalismo esquerdista é coisa inútil,senão inconveniente, ficar de braços cruzados talvez seja pior. Por mim continuo a pensar que com objectivos mais alargados há caminhos a percorrer. Nota que não digo soluções finais, que essas têm sempre muito sangue no seu rasto.
Vou para fora por alguns dias. Até ao meu regresso!!!Um abração do CLV


De Luis Moreira a 27 de Agosto de 2010 às 00:42
Eu não tenho dúvidas, se outro tivesse a bomba tê-la-ía usado,tal como fizeram os americanos,pelo menos naqquelas circunstãncias...


De augusta.clara a 27 de Agosto de 2010 às 01:49
Só o Leça me faria rir a esta hora da noite com a perda do texto e "a traidora da franja". É mesmo o estilo dele. Tens toda a razão no que dizes, mas eu não disse para ficarmos de braços cruzados. Quando voltares de férias conversamos. Um abraço.


De augusta.clara a 27 de Agosto de 2010 às 01:56
Eu, também, não tenho dúvidas disso, Luís. Nós, a espécie humana, não somos boas rezes, como o Leça dizia, por outras palavras, um dia destes. Temos uma patine de civilização que se derrete num instsnte quando os ânimos aquecem, do topo à base. Mas a verdade é que foram os americanos que lançaram aquelas bombas.


De paladar da loucura a 27 de Agosto de 2010 às 09:07
sobre a insistente forma de definir os homens como seres pouco confiáveis...
isolar-nos do contexto como se fossemos seres autónomos e independentes leva-nos invariavelmente, a meu ver, a essa conclusão.
Intimidam-me as verdades absolutas. Quando etiquetamos a humanidade pela negativa esquecemos todos os outros homens que solidários lutaram por uma sociedade justa e livre!
Houve uma população que se felicitou erroneamente por Hiroshima?
E todos os outros que se ofenderam com esta mesma bárbarie?

Que venha o elogio das boas acções, que ele nos sirva de alimento!


De augusta.clara a 27 de Agosto de 2010 às 09:34
Isso é tudo verdade, paladar da loucura, mas quando nos lembramos da guerra da Bósnia, tão perto no tempo e no espaço, onde, de um dia para o outro, amigos se tornaram inimigos...dá que pensar.


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Olá Sr. / Sra.Você precisa de empréstimos para o p...
HOLA...¿NECESITA PRESTAR DINERO PARA PAGAR CUENTAS...
Bom-dia Senhoras e Senhores.Sou uma mulher de negó...
Sou uma mulher de negócio Portuguesa e ofereço emp...
Dude, if you were trying to sound portuguese let m...
Olá Andreia! Sei que esta publicação já é antiga. ...
Patricia Deus vai abençoar você e sua empresaMeu n...
Meu nome é Fábio João Pedro e eu sou de Portugal. ...
Meu nome é jose matheus Giliard Alef sou do brasil...
Bom dia a todosMeu nome é Damián Diego Alejandro, ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links