Sábado, 6 de Novembro de 2010
A Minha História
Augusta Clara de Matos

Como a minha apresentação foi reduzida e muitos de nós não nos conhecemos pessoalmente no blog, situação que detesto porque funciona ao contrário do que é habitual entre nós seres humanos, animais de hábitos - primeiro conhecemo-nos, quero eu dizer fisicamente, e só depois nos reconhecemos -, eu vou fazer como o Marcos, pôr-me a nu, e andar no trapézio, o número de circo de que sempre gostei mais, sem rede.

Não é fácil, mas eu quero. E quando uma se me mete na cabeça ninguém ma tira de cá. E, também, porque já fiz coisas mais difíceis e arriscadas e não me aconteceu grande mal, pelo menos visível.

Então lá vai.

Quando eu era pequenina, muito pequenina tive polio. Não vou explicar aqui o que isso é porque não estou a escrever um artigo científico. Mas toda a gente, mais ou menos, sabe as consequências dessa virose aguda na vida das pessoas.

Como dizem os americanos, sou uma “polio survival” tal como era o presidente Roosevelt.

E, então, eu pensei “também quero ser presidente, se ele foi…”. É mentira, não pensei nada, estou a inventar agora.

Ainda nem tão pouco em Portugal se pensava poder vir a ter uma mulher na presidência, quanto mais uma com sequelas de poliomielite. Já o Roosevelt se viu aflito para disfarçar e, apesar de tudo, ainda era homem. Aqui em Portugal, soube mais tarde que o Salazar nem nos deixava ser professores. Esta era, também, uma sequela mas do fascismo.

Não queria ser presidente, queria ser outras coisas, e fui.

Mas, como isto, não é uma autobiografia, apenas um acrescento às minhas notas biográficas, vou dizer só o essencial.

Fui andando e cheguei à universidade com a intenção de me dedicar à investigação científica na área da Biologia. Podia ter ido para Medicina porque foi a esse curso que fiz o exame de admissão. Mas tratava-se, apenas dum truque usado naqueles anos pelos candidatos a Biologia porque os exames em Medicina, com as mesmas cadeiras nucleares, eram mais fáceis e a malta candidata a bióloga pedia depois a transferência para a Faculdade de Ciências.

Fosse hoje, teria lá ficado e estava agora a competir com o Adão na área das Neurociências.

Tinha tantos sonhos, então, que até sonhava ganhar o Nobel.



E a vida continuou com as peripécias do costume no meio das quais aconteceu a Revolução de Abril – esta não do costume, evidentemente -em que me envolvi até ao pescoço e que me fez atrasar o fim do curso. Mas foi, sem dúvida, a época mais feliz da minha vida.

Trabalhei num laboratório do Estado onde fui investigadora e fiz o equivalente a doutoramento. E digo o equivalente porque, embora em tudo igual às exigências e à situação profissional dos doutorados na universidade, o, na altura, primeiro-ministro Cavaco Silva teve a brilhante ideia de não deixar circular os investigadores entre os Laboratórios do Estado e a Universidade.

Não cheguei a Roosevelt mas, também, não queria. Só queria ganhar o Nobel e ser feliz que, no fundo, é o que toda a gente quer.

Não ganhei o Nobel e a felicidade é muito subjectiva e saltitante. E nunca é eterna.

O resto da história não conto. Faz parte da minha vida privada que nunca gostei de ver na praça pública, embora alguns episódios, esses sim, dessem verdadeiras obras de ficção.



Ficam para quando eu me tornar escritora.


publicado por Carlos Loures às 19:30
link do post | comentar

17 comentários:
De Luis Moreira a 6 de Novembro de 2010 às 19:38
És uma "mulher coragem" e inteligente e bonita que eu bem vi os teus olhos na foto. De qualquer forma, como já percebeste há muito a esmagadora maioria teve "polio" nos neurónios...


De augusta.clara a 6 de Novembro de 2010 às 20:01
Ahahaha! É que os neurónios também entram nesta história :)


De augusta.clara a 6 de Novembro de 2010 às 20:15
Luís, desculpa rir-me e obrigada pela tua simpatia mas achei graça porque o vírus da polio afecta mesmo neurónios, sobretudo os ligados ao sistema motor.


De carlos loures a 6 de Novembro de 2010 às 20:19
Um beijinho, Augusta Clara. Este texto autobiográfico é uma autêntica certidão de corajosa integridade.


De maria monteiro a 6 de Novembro de 2010 às 21:07
um grande beijinho e ... que continuem a existir sonhos.
maria


De Luis Moreira a 6 de Novembro de 2010 às 21:25
Eu sei, mas referia-me aos neurórios que o Adão coloca muitas vezes aqui a descoberto. Os da imbecilidade...


De augusta.clara a 6 de Novembro de 2010 às 21:34
Beijos a vocês e está tudo apresentado.


De adao cruz a 6 de Novembro de 2010 às 22:50
Só agora pude ler o teu belíssimo texto, Augusta, depois de ajudar a deitar os netinhos.
Se sentiste a revolução de Abril como a época mais feliz da tua vida, que melhor Nobel querias tu, Augusta? Falo a sério e com emoção. Podiam dar-me todos os Nobel, que eu não os trocaria pela dádiva de, como tu, reconhecer a revolução de Abril como a época mais feliz da minha vida. Para além disso tens uns olhos bonitos.

Junto ao rio dos teus olhos
há sempre um poema
que tem o sabor da amora
o perfume das palavras
o som de um violino que chora.


De Luis Moreira a 6 de Novembro de 2010 às 23:07
Uma das grandes alegrias da minha vida. 25 de Abril, sempre!


De augusta.clara a 6 de Novembro de 2010 às 23:23
Ainda tenho que voltar aqui a agradecer as palavras e o lindíssimo poema do Adão.


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
HOLA...¿NECESITA PRESTAR DINERO PARA PAGAR CUENTAS...
Bom-dia Senhoras e Senhores.Sou uma mulher de negó...
Sou uma mulher de negócio Portuguesa e ofereço emp...
Dude, if you were trying to sound portuguese let m...
Olá Andreia! Sei que esta publicação já é antiga. ...
Patricia Deus vai abençoar você e sua empresaMeu n...
Meu nome é Fábio João Pedro e eu sou de Portugal. ...
Meu nome é jose matheus Giliard Alef sou do brasil...
Bom dia a todosMeu nome é Damián Diego Alejandro, ...
Olá a todosEu sou Tainara izabella paola e sou da ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links