Quarta-feira, 28 de Julho de 2010
Novas Viagens na Minha Terra

Manuela Degerine

Capítulo LXII

Décima sexta etapa: em Vilarinho (continuação)

São cinco horas. Cumpre comer no tacho, por isso despacho-me, incapaz de me expor, em tal figura, perante olhos alheios: quero jantar enquanto estou sozinha. Por outro lado, levantando-me, todos os dias, às seis horas, mudei de fuso horário e sinto há muito apetite.

Estou a acabar de jantar. Pus na massa queijo de ovelha e uma colher de azeite, este também encontrado no armário, salpiquei com tomilho e orégãos, que trago ad hoc de Tomar (são leves). Ficou muito boa: comi o equivalente de uma pratada. Concluída a refeição com uma maçã e uma laranja, já saboreio um pedaço de chocolate preto, refeita do cansaço e do frio, quando oiço vozes no exterior.

Abro e vejo quatro mulheres, com imensas mochilas, cobertas com todo o equipamento jamais inventado para proteger os caminhantes da chuva, desde que há chuva e caminhantes, as quais inquirem onde ficam os outros quartos. Explico que outros quartos não há e, para dormir, mesmo aqui, restam três lugares. Todavia elas passam dez minutos a meter as chaves em todas as fechaduras daquela correnteza de portas. E acabam por voltar:

- Não se importa que fiquemos aqui as quatro?

- À vontade!

São finlandesas. Duas magras, duas gordas, duas mais velhas, duas mais novas, uma mãe, uma filha e duas amigas… Dito assim parecem uma dúzia, é normal, foi assim que me pareceram: numerosas e barulhentas. Trazem, para além das mochilas gigantes, dos impermeáveis delas e de tudo o que lhes pertence, diversos sacos cheios de comida. Entram, espalham tudo, as mochilas, os sacos, as varas, as botas, as peúgas, as camisolas, os impermeáveis de impermeáveis – deixa de haver um centímetro livre para pôr um bico de pé no chão. Escapo-me para cima do beliche. Inquirem se achei o percurso agradável.

- Não.

- Ah!

Já comentei o assunto com os irlandeses, não quero glosar outra vez o trajecto do Porto a Vilarinho. Claro que na Maia podem criar uma passagem para peões, a qual servirá para turistas e peregrinos mas, sem dúvida, servirá ainda mais para os habitantes, porém a zona industrial e o resto do percurso... São o que são. Não adianto conversa. Aviso que não há água quente. Elas declaram que não transpiraram durante o dia – acredito.

Começam a tirar fotografias. Primeiro três, com as poses e os sorrisos, depois outra tira a fotografia, as seguintes três mudam de pose e repetem o sorriso. Pedem que lhes tire várias fotografias. Pegam no meu bordão, que estorva os movimentos, colocam-no por detrás das oito varas. Fazem ginástica por cima das bagagens. Depois preparam o jantar, continuando a tirar fotografias, tomate, pimento, chouriço, queijos, fruta, bolos, vai um sorriso para a máquina, apresentados por toda a bancada, em cima dos papéis de embalagem – não há pratos. Bebem cerveja, mais fotografias, com uma Sagres na mão, com duas cerejas na orelha, com a rodela de chouriço num palito... Muitos risos.

A certa altura, uma mostra de longe, sorrindo desvanecida, como objecto prodigioso e nunca visto, em plástico colorido, o conjunto de faca e colher, numa ponta, garfo, na outra ponta. Cada uma possui o seu, diferente apenas na cor: azul, verde, amarelo e vermelho.

Olho – tentando aprofundar o que vai naqueles cérebros. Será que comunicam aos iberos a invenção do garfo? Ou do plástico? Terei feito tal cara... A senhora sublinha logo, inquieta e pressurosa, antes que me apodere, fuja quiçá com ele, que não oferece o objecto prodigioso, precisa dele para a viagem. Aquele fenómeno continua aliás a não me maravilhar: conheço o objecto, há décadas, nos serviços de piquenique, tanto em Portugal, como em França. Trata-se aliás de uma tendência frequente no design nórdico: a reciclagem – e actualização – de formas existentes. Aqui a inovação, se alguma há, está nas cores.

Oferecem-me então batatas fritas. Não, obrigada. Já comi, não tenho fome; e mesmo que tivesse... Não aceito prendas de toda a gente. A mãe da mais nova oferece-me uma embalagem de manteiga, que sem dúvida lhe deram ontem no avião e traz portanto há vinte e quatro horas na mochila – não, obrigada!

Num romance de E. M. Forster (Um Quarto Com Vista), uma personagem defende que, só depois de lhes fazerem um exame, deviam autorizar os ingleses a atravessar o Canal – para não envergonharem o país. Talvez não fosse má ideia os finlandeses organizarem, digamos: um estágio de formação para os viajantes. Ou algo assim. Caso contrário, os outros europeus, que raro encontram finlandeses, correm o risco de ficar com esta imagem grotesca.


publicado por Carlos Loures às 10:00
link do post | comentar

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Sou James Roland, de Portugal. Alguns meses atrás,...
Oferece empréstimos de dinheiro variando de 5000 a...
Here is a good news for those interested. There i...
oferta para todosOlá, volto para todos os indivídu...
esse dalmaso nao e brasileiro ele deu depoimento e...
Meu nome é Patricia Martins, de Portugal, um pai s...
Dia bom, Meu nome é Laura Pablo, eu quero testemun...
Afinal em que ficamos? Esta coisa do Daflon do Ven...
UPDATE ON LOAN REQUIREMENT If you are in need of ...
Olá, sou ivani suarez, atualmente morando em santi...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links