Quinta-feira, 16 de Setembro de 2010
Sonhos
Augusta Clara


E os sonhos que nós sonhamos quando já não estamos a dormir?! Naquela fronteira em que tudo é, ainda, possível.

Insistimos, insistimos e eles continuam. Como os meninos que queriam que os deixassem continuar a acreditar no Pai Natal. Já nem sabemos se temos os olhos fechados ou abertos. Têm um narrador e tudo se desenrola a contento. E, quando não, a história começa a encravar. Repete uma frase, repete, repete, como um velho disco riscado. Damos-lhe um empurrão, ao narrador ou à história? Retoma-se o fio…na parte em que se era feliz. Tudo se recompõe e a felicidade é tão fácil!

E o narrador sabe tudo, de nós, dos outros e do que lhes vai na mente, do nosso destino, do que estava para ser mau mas vai ser bom, de todos os enredos que fazem a delícia de uma boa história. Pode endireitar tudo este narrador dos nos sonhos semi-acordados. É o amola tesouras da nossa alma. Raia o sol e ele toca aquela gaita como as canas dos índios e chama-nos para o sonho a construir. O tempo é muito pouco, temos que o aproveitar bem.

Até que a névoa se rasga. Todas as manhãs. Que crueldade!

E era tudo possível. Mas já não é outra vez.

Que mecanismo me faz isto? Que maquiavélico mestre desenrola a cena toda, me torna feliz, enrola o tapete, cerra o pano, fecha as luzes, acende o dia? Leva-me os actores?

Para que quero eu o dia?

Se eu fosse poeta, era muito fácil contar-te este sonho porque a poesia é o sonho escrito. Tudo faz sentido. E tu mo explicarias.

Um dia vou sonhar que o sonho é verdadeiro e vou acordar de repente. Apanho-o pelos calcanhares. E, então, talvez, tu fiques mesmo comigo.


publicado por Carlos Loures às 08:00
link do post | comentar

16 comentários:
De Luis Moreira a 16 de Setembro de 2010 às 10:20
Muito bonito.


De adão cruz a 16 de Setembro de 2010 às 10:26
Quando acordo de sonhos maus fico feliz. Quando são bons sinto tudo isso que descreves tão bem


De augusta.clara a 16 de Setembro de 2010 às 11:16
Vocês são uma delícia de amigos


De carlos loures a 16 de Setembro de 2010 às 11:42
Então Augusta Clara, escreves tão bem... olha, por que não mandas mais textozinhos?

assinado:
Conde Drácula


De augusta.clara a 16 de Setembro de 2010 às 12:03
Ai, Conde Drácula, tens o condão de me fazer rir, coisa de que eu sempre gostei muito :) Mas, olha, vou-te dizer uma coisa: desgraçado de quem caia no Estrolabio. Fica com a saúde arruinada para sempre. Eu já estou com um desarranjo hormonal: activou-se-me para aqui uma glândula qualquer e, agora, tenho sempre um texto às voltas na cabeça. E eu, antes, não sofria disto.


De carlos loures a 16 de Setembro de 2010 às 12:14
É isso é. Uma pessoa com a tua formação académica que agrega a poesia à massa genética e anda com textos embrulhados «numa glãndula qualquer", diz bem dos transtornos que o Estrolabio provoca nas criaturas. Tenho estado a ver se consigo que seja classificado como droga leve - entre o absinto e o haxixe - paga menos impostos embora o pedigree seja de escalão inferior.


De augusta.clara a 16 de Setembro de 2010 às 14:21
Acredito, Adão, porque agora me lembrei que aquele lindíssimo poema "O Meu Sonho Azul", que levaste à maratona, me dá uma sensação semelhante.


De paxiano a 16 de Setembro de 2010 às 16:15
Sonhar acordado é o sonho mais possível que desemboca numa torrente poética. É aquele lusco-fusco onde pairamos sem destino.
Belo texto.


De augusta.clara a 16 de Setembro de 2010 às 18:44
Você com esse nome tão apaixonado porque é que não escreve um texto sobre Pedro e Inês? E, assim, deixava de se cansar tanto a filosofar sobre os textos dos outros. Fui Clara?


De clara castilho a 16 de Setembro de 2010 às 22:24
Foste claríssima, Augusta Clara. Vou baralhar: e os sonhos que se repetem, repetem, repetem (bons e maus)? E os que nos proporcionam a resolução de conflitos, em que acordamos e sabemos o que responder a determinada pessoa, sobre determinado assunto? Quer o Freud tenha ou não razão, quer a cara da pessoa seja uma e por detrás esteja outra, etc., o facto é que não passamos sem sonhar! A dormir, semi-acordados, completamente acordados... Ah! e este sonho comum que todos fazemos ao mesmo tempo? Não é também um sonho?


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
HOLA...¿NECESITA PRESTAR DINERO PARA PAGAR CUENTAS...
Bom-dia Senhoras e Senhores.Sou uma mulher de negó...
Sou uma mulher de negócio Portuguesa e ofereço emp...
Dude, if you were trying to sound portuguese let m...
Olá Andreia! Sei que esta publicação já é antiga. ...
Patricia Deus vai abençoar você e sua empresaMeu n...
Meu nome é Fábio João Pedro e eu sou de Portugal. ...
Meu nome é jose matheus Giliard Alef sou do brasil...
Bom dia a todosMeu nome é Damián Diego Alejandro, ...
Olá a todosEu sou Tainara izabella paola e sou da ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links