Terça-feira, 12 de Julho de 2011
Águas de Portugal - outro charco de falências e dívidas - por Luis Moreira

 

 Ontem falamos aqui da privatização ou não da AdP. Está em cima da mesa essa possibilidade e começam a aparecer os números, os índices, esses malditos que nos dão uma visão bem menos romântica da AdP.

 

"O presidente da AEPSA chamou hoje a atenção para a difícil situação financeira da Águas de Portugal (AdP), devido ao facto das tarifas serem, em média, 40 por cento inferiores aos custos.

Há várias empresas em falência técnica e a própria AdP deve mais de 2,9 mil milhões de euros, "o que dificulta a contracção de mais empréstimos", indicou o mesmo responsável."

 

E, as câmaras, devem cerca de 300 milhões de euros à empresa. Está montado o circo que todos vamos pagar, como acontece em todas as empresas públicas.Durante anos ninguém soube nada de nada, tínhamos uma nascente de água transparente e límpida, afinal não passa de um mal cheiroso charco.

 

E, qual é a solução? Aumentar as tarifas, diz o presidente do monstruoso grupo que participa em 42 empresas em várias actividades: água, recolha e tratamento de resíduos urbanos e energias.

 

"Privatizar não é a formula mágica para resolver os problemas  mas este modelo (o actual) está esgotado" disse ainda o presidente da associação do sector. " "Estão a ser consideradas como receitas valores teóricos que não entraram nas contas e que alguém vai pagar, não se sabe quem", salientou.

 

Basta ir a um sector público e começar a analisá-lo, a falar nele, tirá-lo da vida vegetativa em que há muito o meteram, "ameaçar" com a "privatização" e logo a verdade, filha da transparência, aparece para nosso desencanto. Que incentivos têm as câmaras para poupar água se sabem que não a pagam?

 

Onde há monopólio, há isto. Sem concorrência é como guiar sem volante. Bate , de frente, no primeiro obstáculo.

 



publicado por Luis Moreira às 13:00
link do post | comentar

4 comentários:
De JM a 12 de Julho de 2011 às 13:44
"E viró disco e tocó mesmo!"

Tudo serve, realmente, para justificar a sanha privatizadora que, subitamente e não por acaso, invadiu a nossa praça.

A chamada "crise da dívida" e, porque não a acção dos últimos governos (friso bem, dos últimos) em tudo contribuíram para chegarmos a este ponto.

A existência de serviços estratégicos assegurados por empresas públicas ou por entidades geridas com modos semelhantes aos das empresas privadas, sempre foi quanto a mim um erro, pois estes deveriam ser assegurados por meros serviços públicos.

É que, realmente, fazer empresas cumprir preços "políticos" sem lhes pagar as respectivas indeminizações não dá!

E o que é mais engraçado disto tudo, é que, por exemplo, no sector dos transportes, onde isso também acontece, o estado que certamente paga às empresas privadas as indeminizações compensatórias não é tão lesto a fazer o mesmo às empresas do sector público, obrigando-as, quando têm prejuízos, a ir ao mercado para se financiarem ( e digo paga porque não estou a ver, por exemplo, o Barraqueiro a receber só o preço equivalente ao passe social e a continuar a trabalhar com o estado, porque nada me diz que o estado também não pague ao Barraqueiro).

Por outro lado dá imenso jeito, pois se fossem meros serviços públicos a prestar este serviço, estes "custos" teriam que, obrigatoriamente, figurar no Orçamento Geral do Estado e. logo, tornariam o défice muito mais real.

Depois e só depois, vem a questão das câmaras não pagarem, aí sim, se fossem os serviços fossem prestados por privados, que remédio tinham senão pagar, mas depois, como iriam registar isso mais cedo nas suas contas, lá aumentava o défice
(o facto de só se registarem as despesas quando se pagam, também dá um certo jeito, né?)

Para mim, que se queira que determinados serviços estejam nas mãos dos privados, tudo bem, é uma questão ideológica e deve ser assumida como talo, agora vir invocar razões económicas para o caso é que não está bem. OK?

Até porque, se se considerar que esses serviços são essenciais e devem ter preços inferiores ao seu real custo, então terá que ser o Estado a continuar a subsidiar esses preços, portanto a privatização desses serviços, tirando o valor ganho na privatização, não terá qualquer ganho para o Estado.

Teríamos assim, mais PPP (parcerias público-privadas), desta vez ao contrário, mas onde, mais uma vez os lucros ficariam para os privados e os prejuízos para o Estado.



De Luis Moreira a 12 de Julho de 2011 às 15:14
Como lhe digo o importante é encontar soluções.A AdP não teria chegado a este gigantismo e a esta situação se o dinheiro tivesse dono. Quanto às PPP a culpa é do estado que faz contratos irregulares com o risco todo para o seu lado e os benefícios para o lado dos privados.
E se o Estado deixasse de brincar aos empresários e fizesse o que só o estado pode fazer? Reformar a Justiça, por exemplo?
Mas, como vê isto é insustentável. O país está como está porque as "remunerações compensatórias" ( chame-lhe o que quiser), não passam de impostos que os contribuintes pagam. Tudo somado...


De JM a 12 de Julho de 2011 às 16:10
Ainda bem que fala na reforma da justiça!

Ainda não há muito tempo que os dois maiores partidos (na altura PS e PSD) chegaram a acordo para uma reforma da justiça

Cadê ela?


De Luis Moreira a 12 de Julho de 2011 às 16:17
Pois, o problema é esse. Canalizem as energias, os meios, para o que é importante e só o estado pode fazer e deixem-se de negócios que, nas mãos do estado, são sempre ruinosos. Com uma Justiça capaz, mercados com regulação forte e independente de interesses e controlo do que é verdadeiramente estratégico na economia e isto vai lá.Ninguém pode estar em todo o lado e fazer tudo.O resultado é o que se vê.


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Aí meu Deus eu tenho um pavor a esses bichos! Un d...
ei pessoal do bat cav 1927 e ex combatentes boa pa...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
I recebeu um empréstimo em um notável credores, ho...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Recebi um empréstimo de um credores excepcionais, ...
Para a sua atençãoMais preocupação por seus proble...
Carlos Loures a Anália já aqui disse tudo. Ter em ...
Caro Carlos Loures, Obrigada pela sua resposta. Es...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links