Domingo, 19 de Setembro de 2010
Beijo
Ethel Feldman


Fico com o teu beijo, porque esse me inspira, sejas tu o anjo ou diabo, nele me detenho por um pedaço e beijo o teu beijo como se nunca tivesse antes beijado. Branco enquanto vazio, pausa que teimas na escrita. Sente, pequeno príncipe, meu beijo no teu. Entre nós uma rosa nasce em forma de flor, entre nós a dor é partilhada com amor.

 Diana esculpia a areia. Umas vezes eram sereias, doutras os minorauros ganhavam a forma provisória. Quando o mar se aproximava e levava com ele a arte, Diana sorria. Ver a vida ganhando vida, ver a vida deixando a vida era o exercíco diário da menina que tinha nascido já vai um par de anos. Ninguém sabia de onde vinha, nem onde se escondia nos dias de chuva. Nos dias de sol, Diana aparecia na praia do Nosso Senhor. Quando a madrugada adivinhava bom tempo, Diana corria e despia-se até o sol chegar e cobrir-lhe a vontade com calor. Nessas horas não se entendia se era o desejo de Diana quente, ou se era o sol que aquecia a areia. Quando adivinhava gente, Diana cobria-se de branco e começava a esculpir. Um dia Diana esculpiu um homem. Delicadamente contornou o corpo daquele ser. Pela primeira vez quis proteger a sua escultura do mar. Deitou-se sem peso em cima do homem que acabara de nascer. Assim quando o mar se aproximasse ela lutaria por cada pedaço da sua arte. Diana sentiu o mar molhar os corpos. Debaixo dela seu homem ganhava peso e Diana teve esperança de ganhar ao mar a derrota anunciada. Quando devagar o seu primeiro amor partiu, Diana chorou e praguejou contra a natureza que tudo tirou. Teimosa moldou um coração longe do mar, mas choveu e o coração desfez-se na areia. Esquecida dos dias em que disciplinada moldava a impermanência, Diana voltou a chorar.

As noites na aldeia eram solitárias. De longe ouviam-se as ondas a cantar ritmadamente. Diana dormiu na areia na esperança de uma nova manhã. De manhãzinha tentou moldar outro homem, mas seu coração ainda chorava pelo primeiro e Diana deixou de tentar.

Triste cantou a ladainha que ouvira da avó desde que nascera:


Sente, pequeno príncipe, meu beijo no teu. Entre nós uma rosa nasce em forma de flor, entre nós a dor é partilhada com amor. Todos os dias o mar te leva. Todas os dias voltas a nascer. Se já não és o mesmo. Pouco me importa. És certamente o homem nascido comigo na areia. Neste vai e vém, beija meu beijo e volta a nascer....

Diana vestida de branco é lenda em toda Setembro. O pescador perde-se por ela, a mulheres se ficam viúvas praguejam contra a sereia.

Entre nós uma rosa nasce em forma de flor. Entre nós a dor é partilhada com amor. Todos os dias o mar te leva. Todas os dias voltas a nascer. Neste vai e vém, beija meu beijo e volta a nascer....


publicado por Carlos Loures às 08:00
link do post | comentar

5 comentários:
De adão cruz a 19 de Setembro de 2010 às 10:20
mar derramado na areia fina
beijando o corpo feito casa
a paz da tarde adormecida
sem corpo para morar.


De Luis Moreira a 19 de Setembro de 2010 às 11:32
Diana vestida de branco é toda Setembro

o mar morre na areia do teu regaço

envolve-te na brancura de um abraço

já sem amor, já sem tempo


De paladar da loucura a 19 de Setembro de 2010 às 14:29
não há tempo que seja tempo nesse doce olhar, amaciado pelo tempo, no tempo de estar. venha o abraço desejo de estar contigo e contigo, até o tempo acabar.
Beijo aos dois


De augusta.clara a 19 de Setembro de 2010 às 15:30
Muito lindo Ethel! Faz-me lembrar "A Menina do Mar" da Sophia.


De paladar da loucura a 19 de Setembro de 2010 às 15:39
Obrigada, Augusta. Beijinho :)


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
HOLA...¿NECESITA PRESTAR DINERO PARA PAGAR CUENTAS...
Bom-dia Senhoras e Senhores.Sou uma mulher de negó...
Sou uma mulher de negócio Portuguesa e ofereço emp...
Dude, if you were trying to sound portuguese let m...
Olá Andreia! Sei que esta publicação já é antiga. ...
Patricia Deus vai abençoar você e sua empresaMeu n...
Meu nome é Fábio João Pedro e eu sou de Portugal. ...
Meu nome é jose matheus Giliard Alef sou do brasil...
Bom dia a todosMeu nome é Damián Diego Alejandro, ...
Olá a todosEu sou Tainara izabella paola e sou da ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links