Quarta-feira, 9 de Junho de 2010
Outra Constituição, outra Democracia, uma Terceira República – 23
Carlos Leça da Veiga

Que Constituição temos nós?

Mal vão as coisas quando o poder cai nas mãos dos lagalhés

Há mais de trinta anos, na refrega do 25 de Abril de 1974, face ao desenrolar dos acontecimentos políticos, económicos, culturais e sociais vividos pela população portuguesa era impossível que, já nessa época, os parlamentares eleitos – figuras supostas excelsas, porquanto escolhidas pelos seus estados-maiores partidários – não tivessem impresso no seu saber político que a sociedade portuguesa, desde os últimos anos do fascismo, tinha em mente objectivos de justiça social dalgum modo radicais, nos quais o homem tinha de afirmar-se como agente transformador, depositário e defensor de tudo quanto a si respeita fosse isso obra da natureza, fosse fruto da cultura. Ignorá-lo não podia e não devia ser aceite por quem teve o topete de afirmar-se como representante, na Constituinte, dos eleitores portugueses.

Não é possível admitir que a maioria daqueles iluminados, afinal uns lagalhés, então, por palavras e actos seus, não tivesse presente no acto de deliberar, aquilo que, com maior ou menor diferenciação e em várias escalas, estava bem patente nas efusivas e determinadas intenções político-sociais manifestadas pela generalidade da população portuguesa, tal como ficaram subentendidas, senão mesmo exibidas, naquele período inesquecível posterior à vitória nacional do 25 de Abril de 74 e que, não muito depois, ficaram bem evidenciadas nos resultados eleitoras subsequentes, mau grado, tanto nessa circunstância, como nas seguintes, com espanto geral e indignação de muitos, a generalidade das intenções da população fosse claramente desrespeitada e, de verdade, jamais acatada com a dimensão mais exigível.

Aos eleitos, por força das suas maiorias, fica a dever-se o atropelo a que o país foi votado. No caso português bem pode repetir-se uma passagem que o Professor Paul Ginsborg, da Faculdade de Letras de Florença, deixou escrita na sua obra de 2006, «La democrazia che non c`è» e que reza: “Aos participantes, mesmo que intencionados em empenhar-se a nível cívico no futuro, não são oferecidas estruturas nem instrumentos duradouros” e, noutro passo, “os cidadãos activos e divergentes raras vezes são reconhecidos pelos políticos, administradores ou especialistas como uma dádiva preciosa para uma renovada esfera pública democrática”.

A ordenação jurídico-política fundamental que foi proposta ser produzida pelos Constituintes derivou do voto maioritário dado pela população portuguesa nas primeiras eleições livres. Foi um voto cujo sentido político e social tinha sido forjado, muito principalmente, ao longo da “noite negra” do salazarismo e que, com toda a legitimidade, foi agigantado com o 25 de Abril.

Com um espanto quase mundial, a população portuguesa, até à repressão do 25 de Novembro, viveu numa afirmação constante do seu pulsar político com vista a uma transformação radical da vetustez comportamental da sociedade portuguesa e, sobretudo, da sua manifesta injustiça social. As inesquecíveis manifestações da vontade da população portuguesa cujo vigor sócio-político subjacente, mau grado um arregimentar partidário muito vincado, apesar disso e até contra isso, dalgum modo, não só demonstraram uma notável capacidade de intervenção política como, também, conseguiram afirmar, com destaque assinalável, uma bastante autonomia. Propunham-se, no essencial, assegurar um rol volumoso de reformas, quantas delas fruto consequente e natural duma repressão política velha de cinquenta anos e do seu clima de injustiça social que, por isso mesmo, como inevitável e com toda a razoabilidade, tinham de vir a demonstrar-se agressivas e apresentar-se – era uma exigência da História – com pendor e peso revolucionários.

Infelizmente as vontades manifestadas pela massa populacional portuguesa não tiveram bom fim, porquanto acabaram retalhadas pelo discursar pouco edificante e enganador – mas bem trabalhado – dos aparelhos partidários detentores do monopólio do acesso a São Bento que, desde então – primeira desilusão – até hoje – a desilusão continuada – flutuam entre a falta de verdade e o canto das sereias.

Nada melhor para caracterizar a maneira como, sobretudo, desde os finais dos anos cinquenta do século passado estava a viver-se em Portugal e que, em 1974, com a liberdade alcançada pelo Movimento da Forças Armadas acabou, por fim, por poder exprimir-se do que atender-se, com a atenção merecida, a uma passagem de quanto foi escrito numa crónica jornalista de 2008, no jornal «Noticias Médicas», pelo psiquiatra Dr. António Coimbra de Matos que, com a simplicidade mais adequada, com uma frontalidade digna de nota e sem floreados interpretativos ou arremedos ideológicos, caracteriza muitíssimo bem a viragem sócio-cultural portuguesa a estabelecer-se desde esses anos transactos e que, em 1975, no mais fundamental, era inadmissível não ser amplamente conhecida pelos famigerados, porém, malfadados Constituintes. Daquele distinto pensador, para elucidar, transcrever-se-á um segmento dum seu texto publicado no qual está escrito “era o dealbar da revolução democrática portuguesa, o despertar da vida intelectual autónoma no povo, nos estudantes e nos jovens. Era o tempo de desejar outra coisa e querer um destino diferente para si, para a sociedade e para a vida. As pessoas interrogavam-se, projectavam-se inovadoras paisagens do mundo e ensaiavam novas soluções e outros modos de viver e conviver. Já não era, ou começava a não ser, o tempo dos sonhos de reprodução do passado e dos devaneios românticos. Era, sim, o tempo dos sonhos-projecto, da construção/co-construção de um novo mundo, mais livre, solidário, vivo, expansivo e promissor”.

A realidade nacional mostrou à evidência que nada disto esteve presente na mente dos Constituintes e que na sua obra acabada – muito mal acabada – contentaram-se, tão-somente, com afirmações bombásticas de meras intenções justicialistas sem que, em socorro da sua implantação, nada tivesse sido escorado com o vigor e a decisão políticas bastantes para terem uma efectividade, uma eficácia, uma eficiência e uma segurança coerentes, consistententes e duradoiras. Em 1932, Fernando Pessoa, deixou escrito, “A tragédia mental de Portugal presente é que, como veremos, o nosso escol é estruturalmente provinciano”. Estaria, também, a ler o futuro?

Todas as grandes preocupações e precisões legalistas foram dirigidas para os clássicos direitos, liberdades e garantias pessoais deixando uma imensa margem de interpretação, como, mais tarde, haveria de convir, para os articulados atinentes aos direitos sociais.


publicado por Carlos Loures às 21:00
link do post | comentar

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Olá,Esta mensagem foi enviada de James Ben GROUP P...
bom dia meu tio de nome joao da cunha fernandes da...
Sou James Roland, de Portugal. Alguns meses atrás,...
Oferece empréstimos de dinheiro variando de 5000 a...
Here is a good news for those interested. There i...
oferta para todosOlá, volto para todos os indivídu...
esse dalmaso nao e brasileiro ele deu depoimento e...
Meu nome é Patricia Martins, de Portugal, um pai s...
Dia bom, Meu nome é Laura Pablo, eu quero testemun...
Afinal em que ficamos? Esta coisa do Daflon do Ven...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links