Quarta-feira, 15 de Setembro de 2010
Novas Viagens na Minha Terra

Manuela Degerine

Capítulo CVIII

Vigésima quinta etapa: de Brialhos a Padrón (continuação)

D. Urraca e D. Afonso VII banharam-se nestas caldas. No que me toca: não ficarei hoje a conhecer a piscina municipal na qual, diz Gérard Rousse, corre água termal a vinte e sete graus. (Não se pode descobrir tudo de uma vez.)

Neste momento... procuramos restaurar-nos. Também queremos comprar bom pão, intento de concretização sempre incerta; uma rapariga muito simpática sai do café, onde parámos, para indicar a padaria Maran – na rua Pepe Rada. Chegamos lá... O padeiro informa que o pão se encontra ainda no forno e só começa a vendê-lo daqui por meia hora. Não temos pressa... Resolvemos passear pela cidade. Retornamos à ponte, deambulamos pelo centro, encontramos a fonte das Burgas, sentamo-nos no largo da igreja... Vemos pouca gente pelas ruas. Avistamos a terceira representante da gastronomia germânica; faz-nos grandes adeuses (dispenso o contacto com tal variedade peregrina). Voltamos à Pepe Rada. Há um pão de centeio simples e outro com passas. Compramos de ambos. Logo que saio da padaria, provo o da fruta seca – e volto atrás para pedir outro pedação. É uma delícia refinada. Com muitas passas e tudo o necessário: a cor, o odor, o peso, a resistência... O sabor. (Entretanto também comprei fruta fresca: prossigo o caminho com uma mochila penosa.)

As vias romanas XIX (de Bracara Augusta a Asturica Augusta) e XX (per loca marítima) cruzavam-se aqui. Tantas camadas de história e histórias, de vidas vividas não são me indiferentes, caminho pensando no que terá sido a região na época romana, na Idade Média... sem todavia deixar de atentar no que é agora. Na Galiza, como em tantos outros lugares, confronto-me com as pedras... Algumas, que fazem – ou fizeram – parte das vias, da ponte, das igrejas, permanecem aqui há dez ou vinte séculos, enquanto quem as fez ou mandou fazer desapareceu há tanto tempo e, no fim de contas, da pluralidade de sonhos, dores, talentos, egoísmos, futilidades, paixões, ambições, frustrações que habitaram aqueles homens e mulheres pouco mais resta que estas pedras. Nós agora pensamos compreender as pedras, embora continue não pouco por esclarecer; mas sentimos muito maior dificuldade em imaginar a personalidade de D. Urraca.

A saída da cidade é rápida. Caminhamos poucas centenas de metros no passeio, à beira da estrada que atravessa Caldas de Reis; logo viramos para um caminho de terra. Aparece outro caminhante. Chama-se Victor. É colombiano e trabalha na manutenção de elevadores; como hoje é sábado e, depois de amanhã, feriado na Galiza, aproveita os três dias para caminhar até Santiago. Inquire se, sem credencial, poderá dormir nos albergues de peregrinos. Digo-lhe que tente: talvez lá lha forneçam. Seguimos juntos durante cerca de dois quilómetros; depois ele avança.

Paramos à beira do campo onde uma família, o pai, a mãe e o filho adolescente semeiam milho. Saúdo em português.

Respondem-me em galego. Ah, enfim... Há momentos em que não nos compreendemos – basta repetirmos. Agora semeiam para os animais mas, noutros tempos, também coziam pão de milho. (Devem ser proprietários de um espigueiro.) A circunstância de semearem o milho num sábado talvez indique que, pelo menos o pai, tem outra actividade profissional. Não entro em questionamentos que possam parecer indiscretos. Noto a surpresa do adolescente por verificar que falo a língua da aldeia; claro: a maioria dos passantes comunica em inglês ou castelhano.

Admiram-se por eu vir de Lisboa, decerto por ser pouco comum; não manifestam o pavor ou a desconfiança dos portugueses aos quais, noutras paragens, respondi o mesmo. (Sozinha? Ou é maluca ou anda a observar!) Aqui a passagem de forasteiros tem feito parte do quotidiano ao longo dos séculos.

tags:

publicado por Carlos Loures às 10:00
link do post | comentar

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
No dia 08/01/1974, faleceu o furriel Zeca Rachide,...
Cheguei aqui pelo link no blogue O Cantinho da Jan...
Apply now for all kinds of loans and get it urgent...
Sou do Bat. Caç. 4613/72 que foi para Angola em fi...
Aí meu Deus eu tenho um pavor a esses bichos! Un d...
ei pessoal do bat cav 1927 e ex combatentes boa pa...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
I recebeu um empréstimo em um notável credores, ho...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links