Terça-feira, 2 de Novembro de 2010
Esposas por correspondência
Charles Oliver Hinton & Minnie Ann Oliver North
1893 (foto de casamento) --
Tawas City, Iosco County, Michigan, EUA

Carla Romualdo

Há uns tempos descobri na internet um livro que me pareceu de grande interesse: “Histórias Verdadeiras de Noivas por Correspondência na Fronteira” (“Hearts West: True Stores of Mail-Order Brides on the Frontier”,  lançado em 2005, nos Estados  Unidos, e da autoria de Chris Enss. 

Não estivesse eu a atravessar uma cura de desintoxicação da compra compulsiva de livros e já me tinha posto a fazer contas ao câmbio do dólar para mandá-lo vir. Sendo assim, resigno-me apenas a imaginá-lo. A resenha que li interessou-me: histórias reais de casamentos acordados por correspondência no velho Oeste americano. E, ao que parece, há lá de tudo: casamentos felizes que duraram décadas mas também desilusões que levaram a moça a regressar ao fim de uma hora com o seu prometido.

Imaginem-se, caros leitores masculinos, algures no selvagem Oeste, garimpeiros sujos e solitários, à espera do golpe de sorte que vos vai fazer descobrir o Eldorado. Quando regressam para o vosso pardieiro, já noite escura, encontram quatro paredes frias e manchadas pelo fumo do tabaco, uma caçarola suja, ainda com a crosta da refeição anterior, uma cama gelada na qual nem as ceroulas de lã vos impedirão de tiritar.  E para quê tanto esforço árduo se, ainda que venham a fazer fortuna, não terão com quem partilhá-la? Que fariam, amigos leitores, num cenário destes?

Sentavam-se à luz de um coto de vela e garatujavam um anúncio. “Mineiro solitário e honesto, com boas perspectivas, procura esposa para partilhar fortuna”. E depois era esperar pelas respostas e concertar os encontros que poderiam mudar a vossa vida para sempre.


E com a chegada das noivas por correspondência, as cidades enlameadas do Oeste começaram, pouco a pouco, a mudar. Para além dos bares e dos bordéis que já existiam (ninguém disse que não havia mulheres por lá, apenas faltavam “esposas”), construíram-se casas familiares, escolas, teatros, bibliotecas, lojas, igrejas. A civilização, tal como a conhecemos. Para a maioria, o El Dorado nunca apareceu mas a vida dos garimpeiros adoçou-se bastante.

Tal método de casamento parece irracional à luz dos nossos valores actuais? Desumano? Um acordo comercial despojado de romantismo? Meus amigos, se dizem isso é porque não assistiram a um divórcio feio. Aposto que nenhum dos casamentos feitos naquelas circunstâncias e que tenha acabado mal teve um final tão feio como os casamentos em que a paixão deu lugar ao ódio. Aqueles em que as pessoas sabem demasiado bem o que fazer e dizer para magoar o outro e não se inibem de fazê-lo até à saciedade.

Leio regularmente e com o maior dos interesses a secção dos classificados de jornal normalmente designada como “Outros” e na qual cabem coisas tão díspares como a venda de uma auto-grua de lança telescópica ou o anúncio do homem de ciência que procura um sócio capitalista para desenvolver uma tecnologia de leitura das auras que permitirá conhecer a resposta a todos os mistérios que atormentam a Humanidade desde que esta surgiu sobre a face da Terra. 

É nessas páginas que normalmente se publicam os anúncios que levam por título “Cavalheiro”, e nos quais os ditos cavalheiros, habitualmente maiores de 60 anos e quase invariavelmente “com situação económica estável” procuram senhoras de idade semelhante, sem vícios nem compromissos, para relação séria.  São os nossos garimpeiros de hoje, estes a quem talvez as paixões já tenham oferecido uns quantos fracassos amorosos, e que se  resignaram a confiar no acaso,  e a esperar a esposa que lhes toque na rifa e venha, com mão suave e decidida, bater-lhes à porta de solitários empedernidos.  


publicado por CRomualdo às 19:30
link do post | comentar

4 comentários:
De Luis Moreira a 2 de Novembro de 2010 às 19:41
Um dia, numa viagem de avião, calhou-me um tipo dos seus sessenta anos, cabelo e bigode pintados, que tinha acabado de ficar noive, e a única preocupação que tinha era arranjar uma noiva. Eu, que na altura tinha, 30 anos e que andava, desesperadamente, a dizer à minha namorada que ainda era cedo, fiquei estarrecido com aquela pressa. Como fico admirado, não com os anúncios, mas com o dizer que querem uma mulher com mais de 45 anos. Porra, eu a colocar um anúncio queria uma com menos de 45 anos. Ficava com a certeza que eu morria primeiro e que ela cumpria o testamento vital...


De Luis Moreira a 2 de Novembro de 2010 às 19:41
...acabado de ficar viúvo...


De adao cruz a 2 de Novembro de 2010 às 22:52
Carla, bonito texto como só tu sabes fazer. Sem dúvida, que esses garimpeiros existem entre nós e sempre existiram, desde o volfrámio até aos dias de hoje. Postos à distância do oeste americano dão uma certa nostalgia e e criam abundante matéria para filmes. Mas temos cá muito disso, como dizes e bem. Com uma diferença, é que são elas, muitas vezes, senão a maior parte das vezes, a fazer as propostas e os anúncios.E ao vivo. Basta ir, por exemplo, pelo que me contam, porque nunca lá fui,à nossa vizinha danceteria "Arrastopé". E eu até acho bem. Ver aquelas formosuras dos sessenta-setenta!


De augusta.clara a 3 de Novembro de 2010 às 01:18
Ó tripeirinhos, não digam mal dos casamentos por anúncio porque vocês têm aí um exemplo feliz, o da Agustina,


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
No dia 08/01/1974, faleceu o furriel Zeca Rachide,...
Cheguei aqui pelo link no blogue O Cantinho da Jan...
Apply now for all kinds of loans and get it urgent...
Sou do Bat. Caç. 4613/72 que foi para Angola em fi...
Aí meu Deus eu tenho um pavor a esses bichos! Un d...
ei pessoal do bat cav 1927 e ex combatentes boa pa...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
I recebeu um empréstimo em um notável credores, ho...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links