Sábado, 10 de Julho de 2010
Manuel da Fonseca, um grande poeta português, no Terreiro da Lusofonia. O Adriano Correia de Oliveira também veio


Na voz de Adriano Correia de Oliveira, escutámos um poema de Manuel da Fonseca – «Tejo que levas as águas» («Poemas para Adriano». 1972), com música do próprio Adriano.


Manuel da Fonseca nasceu em Santiago do Cacém em 1911 e faleceu em Lisboa em 1993. Fez parte do grupo do «Novo Cancioneiro». Na sua valiosa obra destacam-se-se «Rosa dos Ventos», uma colectânea de poemas, (1940), o livro de contos «Aldeia Nova»(1942), «Fogo e as Cinzas» (1953) e os romances «Cerromaior», «Seara de Vento» (1958), «Poemas Dispersos» (1958). É considerado uma das figuras cimeiras do movimento neo-realista. No entanto, na sua escrita, particularmente na poesia, existem ressonâncias de um gongorismo que o aproxima de Federico García Lorca e mesmo dos poetas surrealistas.

Era presidente da Sociedade Portuguesa de Escritores quando esta instituição atribuiu o Grande Prémio da Novelística a Luandino Vieira pelo seu livro «Luuanda», facto que determinou o encerramento, por parte das forças policiais, da SPE (que viria depois a ser refundada sob a designação de Associação Portuguesa de Escritores)
.
Dos seus «Poemas Dispersos», escolhemos este:

Solidão

Que venham todos os pobres da Terra
os ofendidos e humilhados
os torturados
os loucos:
meu abraço é cada vez mais largo
envolve-os a todos!

Ó minha vontade, ó meu desejo
— os pobres e os humilhados
todos
se quedaram de espanto!…
(A luz do Sol beija e fecunda
mas os místicos andaram pelos séculos
construindo noites
geladas solidões.)


publicado por Carlos Loures às 08:00
link do post | comentar

10 comentários:
De carlos loures a 10 de Julho de 2010 às 09:38
Manuel da Fonseca, além de grande escritor, era uma pessoa admirável. Não tive a felicidade de privar muito com ele, mas das poucas vezes em que tive esse privilégio, guardo recordações. As quais, em breve, compartlharei com os leitores do Estrolabio.


De Sales a 10 de Julho de 2010 às 15:34
Manuel da Fonseca é hoje um escritor desconhecido das novas gerações e merecia que o não fosse. Privei algumas vezes com ele na Soc. Port. de Escritores (a que foi encerrada) e num café da baixa q. ñ recordo o nome. Era também um grande contadores de histórias que gostávamos de ouvir. A "Seara de Vento" é um livros inesquecível. Ainda bem, Carlos, que publicaste esta memória


De carlos loures a 10 de Julho de 2010 às 16:02
Olha, Sales, proponho-te uma coisa - que tu, o Manuel Simões e eu (se houver mais alguém que o tenha conhecido pessoalmente, que se acuse) relatássemos em conjunto as nossas recordações. Terei estado mais vezes com ele, em reuniões, mas só por duas vezes cheguei à fala. E de ambas guardo a memória.


De António Gomes Marques a 10 de Julho de 2010 às 17:55
Como sabes, Carlos, privei bastante com o Manuel da Fonseca, particularmente na Livraria que o Telmo tinha em frente da Igreja de S. Roque, no Largo Trindade Coelho. Foi ali que o Manuel da Fonseca me apresentou o Baptista Bastos, há já muitos anos.
Para além das conversas, sempre ricas, que tínhamos, o que melhor recordo são as histórias que ele nos contava e que, lamentavelmente, ele não passou a escrito, apesar da insistência dos amigos. Era um homem sem vaidades e, se é que se justifica a vaidade num escritor, poucos teriam razão para a ter como o Manuel da Fonseca. Nunca lhe ouvi uma palavra depreciativa sobre outros escritores e/ou poetas, acima da qualidade literária ele colocava a amizade, mas é claro que se percebia quando ele também apreciava a obra dos outros.
No próximo ano vai comemorar-se o centenário do seu nascimento, como também o do Alves Redol, a estas comemorações estando ligada a Associação Promotora do Museu do Neo-Realismo e, naturalmente, o próprio Museu. Os programas destas comemorações estão em discussão e ainda não é o momento para os divulgar, divulgação essa que, claro, não será feita por mim em primeira-mão, mas voltarei ao assunto quando for o momento.


De carlos loures a 10 de Julho de 2010 às 17:58
E vão quatro! Quem mais privou com o Manel? O Fernando Correia da Silva?


De paladar da loucura a 10 de Julho de 2010 às 21:31
O Fernando Correia da Silva e a filha (eu)! Alguns sábados bem passados com a companhia também do saudoso Mário Henrique Leiria.


De carlos loures a 10 de Julho de 2010 às 23:13
Já somos seis! Em 15 de Outubro do próximo ano, comemora-se o centenário do seu nascimento. Proponho que organizemos uma série composta por depoimentos de cada um de nós.


De clara castilho a 12 de Julho de 2010 às 16:41
Bolas! Também estive numas almoçaradas, a convite do Vitorino. Mas acrescento o que disse Matilde Rosa Araújo, sobre a ida de escritores a escolas, falar com crianças sobre as suas obras. "Uma vez, o Manuel da Fonseca (era uma pessoa muito boa, muito amigo, mas de uma estatura muito pequena) foi a uma escola. Uma aluno perguntou: "Senhor director, onde está o escritor?"
"É este!"
"Não pode ser, tão pequeno!"


De António Gomes Marques a 15 de Julho de 2010 às 14:40
Oh, Carlos! Podemos contar muitas histórias que envolvam o Manel, mas esta que nos conta a Clara Castilho é de espanto. Presumo que o Director da Escola terá ficado embatocado, mas o Manel terá ficado feliz, parece que estou a vê-lo sorrir de prazer! Como eu gostaria de ter sabido desta história com o Manel vivo!


De carlos loures a 15 de Julho de 2010 às 16:16
É uma história muito boa e não devíamos antecipá-la (cuidados de editor!). Aliás, no nosso almoço, contei-a aos mais próximos com a ajuda da Clara.

Encontrei-o duas vezes, em situações muito diferentes. De ambas tenho coisas a contar - de uma delas, numa festa do aniversário do Mário Henrique Lieria, tenho diversas. Não vou sequer dar pistas. - Quer saber? - Leia em breve num estrolabio perto de si! Estás a ver? Assim é que se faz negócio.


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
bom dia meu tio de nome joao da cunha fernandes da...
Sou James Roland, de Portugal. Alguns meses atrás,...
Oferece empréstimos de dinheiro variando de 5000 a...
Here is a good news for those interested. There i...
oferta para todosOlá, volto para todos os indivídu...
esse dalmaso nao e brasileiro ele deu depoimento e...
Meu nome é Patricia Martins, de Portugal, um pai s...
Dia bom, Meu nome é Laura Pablo, eu quero testemun...
Afinal em que ficamos? Esta coisa do Daflon do Ven...
UPDATE ON LOAN REQUIREMENT If you are in need of ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links