Terça-feira, 20 de Julho de 2010
Novas Viagens na Minha Terra
Manuela Degerine



Capítulo LVIII

Décima sexta etapa: do Porto a Vilarinho (conclusão)

Ainda com o coração aos pulos, sigo a direcção apontada pela seta – aos sobreviventes. Lívida e cega (a chuva é um irresolúvel problema para quem como eu usa óculos: sem lentes não vejo porém, com gotas de água nas lentes, também não vejo ou, na melhor das hipóteses, capto imagens deformadas por minúsculas lupas), recriminando-me, uma vez mais, pela insensatez desta aventura. Devera seguir o Camino Francés, que tantos milhares de peregrinos percorrem cada ano, não correria o risco de saltar os separadores nas vias rápidas, não é Portugal, certo, mas é Europa, oitocentos quilómetros em França, sem riscos nem surpresas, outros tantos em Espanha – estes já na península ibérica.

Subo a encosta. A temperatura continua fresca, portanto não transpiro e, consequência da emoção, sinto uma intensa vontade de urinar; nenhum café à vista. Passo por um local onde se organizam banquetes de casamento: bonito solar com bonitos jardins. Estão a enfeitar a sala, chega o bolo de noiva, nota-se grande azáfama... Inquiro se posso ir à casa-de-banho. Conduzem-me ao responsável que, apesar de tão ocupado, me acolhe com simpatia e insiste em oferecer uma bebida; conversamos um pouco. Saio mais reconciliada com a Maia.

Continuo a subir a encosta, chego a uma praça, a igreja com azulejos, avanço por uma calçada provinciana, avisto o solar da quinta de Santa Cruz, rosas pelo muro abaixo, vinha por cima dos muros – a parte mais antiga e preservada da Maia.

Interrogo-me, enquanto caminho, pois hoje a veia é filosófica, obrigando-me a questionar, por que razões a calçada, o muro branco, as pedras de granito, as folhas de videira me parecem belas. Que critérios que me levam a qualificar esta rua como bonita e os prédios, do outro lado, como feios? Em primeiro lugar, há nesta rua o granito – e sou, mais do que outras pessoas, sensível aos atractivos da pedra: a cor, o brilho, as formas, os desenhos, o contacto... Depois, enquanto as ruas de prédios repetem um número restrito de formas, o que vejo aqui é único: as pedras, cortadas com tamanhos distintos, foram ajustadas num painel único, que se prolonga na calçada, se completa na vinha e na roseira... Em seguida há uma harmonia de volumes entre o meu corpo e o espaço por onde circulo. E, por fim, como passam poucos carros, resulta o silêncio, o sossego, a qualidade do ar que agora aprecio. Ou seja: o equilíbrio, a variedade e a singularidade, tal como o bem-estar que em mim suscita são (alguns) componentes do belo. Isto é ou não válido para os outros, mas mantém-se fácil de explicar – porém como analisar com rigor a estética das pedras? O conjunto é portanto subjectivo e outros acharão Almada mais bela: a variedade dos graffiti, a novidade na esquina da rua, os prédios em tons vários de humidade, aquilo a que, num eufemismo que me diverte, amigos meus designam como vivo. (Eu, quando saio da ponte 25 de Abril, olho para os centros comerciais, um deles de cor roxa, para variar… Pela forma imaginei uma mesquita: fazem afinal sacrifícios a Hermes.) Quando era professora, surpreendia-me por alunos de família portuguesa, com pais originários de aldeias trasmontanas, descreverem imagens de Óbidos como casas velhas; e, embora eu sublinhasse a diferença entre velho e antigo – não os convencia.

Dirijo-me para a zona industrial, que longamente atravesso até Gemunde; e que não entra, de maneira nenhuma, para mim, na categoria do belo. Viro enfim na direcção de Vilar de Pinheiro e, mais adiante, de Vilar e Gião. Interrogo-me se Vilar e Vilar de Pinheiro serão a mesma terra, os mapas de que disponho não me esclarecem todavia, como o destino de hoje é Vilarinho, outra terra com nome semelhante, deduzo que não.

O roteiro indica 7,5 quilómetros entre Gemunde e Gião. Atravesso vários aglomerados urbanos, penso que é Vilar, ainda não, informam os habitantes. Percorro, uma vez mais, um território de povoamento disperso, nem realmente urbano, nem francamente rural, vários pedaços de paisagem entrariam na categoria do meu belo, se não olhasse para o que está ao lado. Quintas, solares, vinhas, prados, de mistura com entulho, barracões, buracos no alcatrão, candeeiros horrendos, azulejos de cozinha, colunas e mais colunas...

Continua a chover. Uma chuva que não molha os pés mas obriga vestir a capa e o impermeável. Há areia no chão; por isso tenho, de dez em dez minutos, que me apoiar no bordão, levantar um pé ou o outro, tirar o croc, às vezes até, tirar a meia, sacudir uma pedra. Sigo na beira de estradas estreitas, quase sem berma, com curvas frequentes e muita circulação automóvel; apesar de a paisagem começar a ser mais rural e, não raro, até bonita, não é um percurso agradável. De vez em quando, há uma paragem de autocarro: sento-me um pouco, para aliviar os ombros.

Atravesso Mosteiró quando noto, com o focinho entre as grades de um quintal: um rafeiro.


publicado por Carlos Loures às 09:21
link do post | comentar

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
No dia 08/01/1974, faleceu o furriel Zeca Rachide,...
Cheguei aqui pelo link no blogue O Cantinho da Jan...
Apply now for all kinds of loans and get it urgent...
Sou do Bat. Caç. 4613/72 que foi para Angola em fi...
Aí meu Deus eu tenho um pavor a esses bichos! Un d...
ei pessoal do bat cav 1927 e ex combatentes boa pa...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
I recebeu um empréstimo em um notável credores, ho...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links