Segunda-feira, 19 de Julho de 2010
Novas Viagens na Minha Terra
div class="separator" style="clear: both; text-align: center;">


Manuela Degerine

Capítulo LIII

Décima quinta etapa: de S. João da Madeira ao Porto

Levantamo-nos às cinco e meia, duche rápido e, desta vez, rápida arrumação da mochila: antes das seis já entrámos na ambulância. Mesmo dormindo bem, senti frio de noite. Agora vou arrepiada: vesti a camisola e as meias molhadas.

Durante o trajecto, o bombeiro fala da crise industrial nesta região, depois deixa-nos perto da N1 e vai buscar um doente para o conduzir ao hospital. Nós tomamos o pequeno-almoço num café e logo começamos a caminhar.

Calculamos que o nosso amável bombeiro nos tenha poupado dois quilómetros de caminhada, se contarmos o início no centro de S. João da Madeira. Uma boa ajuda. E da periferia já ontem os percursos, primeiro para um lado, depois para o outro, nos deram uma razoável percepção... Que Maria teria de boa vontade dispensado.


Hoje a etapa é de 33 quilómetros, agora um pouco menos, que antevemos assaz desagradáveis, atravessando os subúrbios do Porto. Ontem debatemos o assunto com Paul e Gerhardt. Paul é adepto dos transportes públicos nos arredores das cidades, não achando necessário expor-se à eventual violência urbana ou, não menos perigoso, aos riscos decorrentes da inexistência de caminhos. Tanto ele como Martine, à entrada e à saída de Coimbra, apanharam autocarros. Protesto que perderam Coimbra vista de Santa Clara, ele não replica porém eu adivinho, os silêncios franceses são eloquentes: a cidade não lhe pareceu tão bela que justifique as minhas idas e voltas. Maria, após as atribulações na saída de Lisboa, tenciona apanhar agora um autocarro. Não a dissuado de o fazer; encontrar-nos-emos nos bombeiros. No que me toca, não digo sim nem não – quero ver primeiro. Estou aqui para conhecer, não é? Claro que, se me sentir em perigo, apanho uma camioneta.

Maria, mais uma vez, não dormiu o suficiente: mostra-se hoje de muito mau humor. Desconfio que, de modo obscuro e contraditório, me torna responsável, de certa maneira, pela falta de atractivos turísticos da N1, à beira da qual, durante longos quilómetros, mais de duas horas, teremos de caminhar. Se eu não fosse tão teimosa, ela estaria agora no Porto. Ficando eu em S. João da Madeira, Maria sentiu-se na obrigação de também ficar; ou vamos a pé ou não vamos e, se me recuso a suprimir esta parte do trajecto, ela também se sente forçada a continuar. Não ignora que, saltando uma etapa, corremos o risco de interromper esta viagem, pois há sempre qualquer boa razão para saltar a seguinte e, quando damos por isso, estamos a viajar de autocarro: perdemos uma aventura. No entanto ela preferia, neste momento, visitar o Porto, preparando-se para apanhar, mais tarde, um autocarro na direcção de Vilarinho – escapando desta feita também à saída do Porto.

Por isso, acelera. Não volto a encontrá-la antes de S. João de Ver. Eu sinto-me bem aqui: num aprazível recreio. Os últimos cinco anos, por escolas de Bezons e Sartrouville e agora, nos últimos meses, a doença da minha mãe, levam-me a relativizar as dificuldades; o que faço é um passeio, muito agradável e formador, de vários pontos de vista. Não obstante a dor nas costas, causada pelo peso da mochila, sinto-me ainda contente: o que vejo, sem ser turístico, faz parte do meu país e não me interessa menos do que os monumentos.

Começo a cruzar-me com peregrinos.

- Fátima é por aqui!

- Por aqui é Santiago de Compostela.

- O Papa vai lá?!...

Uma ou outra vez, acrescentam:
- Encontrámos uma espanhola que também segue para Santiago...
- Eu sei: vamos juntas.
- Ela já está longe!

Quando, quase duras horas mais tarde, viro à direita, deixando a N1, começa a chover. Mau, mau... Por ora cai uma morrinha que não molha nem deixa de molhar. Talvez não dure. Paro para tirar – pela primeira vez: do fundo da mochila – a capa e o blusão.

O caminho de Santiago acompanha agora, de vez em quando, alguns metros de uma estrada romana.
Chego a S. João de Ver. Desço a rua com uma senhora que insiste para me oferecer um chá. Agradeço mas não aceito; não quero incomodá-la. Mais adiante há um café e uma mercearia, calha bem, preciso de comprar fruta e uma sandes. Entro primeiro na mercearia, escolho três maçãs, entrego-as à senhora da caixa – mas ela não as pesa.

- São oferecidas.

Protesto que quero pagar, porém ela recusa o dinheiro – e acrescenta:

- A sua amiga está no café. Vá lá...

Entro então no café. Onde de facto encontro Maria, sentada à frente de um galão e de um prato com sonhos.

- Prova! Estão uma delícia!

Eu, desconfiando que são oferecidos, provo um, está de facto muito bom, adio a compra da sandes.

 Entretanto o dono do café insiste para eu beber algo. Não o querendo ofender, aceito um copo de leite. Explica-nos que dão sempre o necessário aos peregrinos que passam. Têm pena que alguns passem sem parar... Pergunto como se chamam. Ela, Maria Emília Pinto da Rocha. Ele, António Couto Leandro. O senhor António conta-me que trabalhou em França porém, apenas economizou o suficiente para abrir o café e a mercearia, regressou à terra. Agradeço e despeço-me. Comovida com esta generosidade e um pouco desconfortável: se soubessem que não vou a Santiago por razões religiosas teriam a mesma a atitude?


publicado por Carlos Loures às 10:00
link do post | comentar

1 comentário:
De Luis Moreira a 19 de Julho de 2010 às 12:24
Não podem ter, Manuela, lá se ía o negócio. Mas é bem generoso e faz parte da nossa forma de estar.


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Sou James Roland, de Portugal. Alguns meses atrás,...
Oferece empréstimos de dinheiro variando de 5000 a...
Here is a good news for those interested. There i...
oferta para todosOlá, volto para todos os indivídu...
esse dalmaso nao e brasileiro ele deu depoimento e...
Meu nome é Patricia Martins, de Portugal, um pai s...
Dia bom, Meu nome é Laura Pablo, eu quero testemun...
Afinal em que ficamos? Esta coisa do Daflon do Ven...
UPDATE ON LOAN REQUIREMENT If you are in need of ...
Olá, sou ivani suarez, atualmente morando em santi...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links