Quinta-feira, 23 de Dezembro de 2010
Coimbra, uma cidade com um coração de bronze
(Pormenor de foto de José Magalhães)

Quando falamos de Coimbra, logo lhe associamos uma ideia - a da Universidade. Numa visão estereotipada que a magnífica canção de Raul Ferrão e José Galhardo acentua, Coimbra é muitas vezes descrita na óptica saudosista de quem lá estudou e, com o avançar dos anos, foi progressivamente associando a cidade à sua juventude.  Para muitos, Coimbra é um ícone nostálgico dessa longínqua juventude. E a quem não nasceu ou não vive em Coimbra, essa é a visão mitificada que lhe chega. Porque as descrições que mais pesam na construção do imaginário vêm de ex-estudantes e dão-nos essa ideia - a de que a cidade apenas existe em função da Academia.

Coimbra não é apenas a cidade que acolhe a que é considerada a mais antiga e emblemática das  universidades  portuguesas – a urbe já existia antes de, em 1308, o rei D. Dinis ter transferido o estudo geral para a sua Coimbra. Em 1290, o papa Nicolau IV autorizara a criação em Lisboa de uma universidade. Mas os institutos que a constituíam andaram durante cerca de dois séculos e meio de Lisboa para Coimbra e vice-versa - em 1308 foram para Coimbra, em 1328, voltaram a Lisboa e em 1354 para Coimbra, regressando a Lisboa em 1357. E é neste ano que uma bula do papa Gregório IX autoriza a Universidade a outorgar os graus de bacharel, licenciado e doutor. Só em 1537, a Universidade voltaria a Coimbra e até à reforma pombalina do Ensino, será a única instituição do Ensino superior em Portugal. Com excepção da Universidade de Évora, nascida do Colégio do Espírito Santo gerido pela Companhia de Jesus e  criada pela bula Cum a nobis, do papa Paulo IV,  em 1559. Mas não foi a instalação da Universidade que tornou a cidade importante.

Foi a importância de Coimbra que aconselhou a instalação ali da Universidade. O conceito de capital não existia com o sentido que hoje lhe damos – a capital do reino era onde a Corte estivesse instalada. E Coimbra era uma das cidades onde, sobretudo durante a primeira dinastia, a Corte permanecia mais tempo.. Seis reis ali nasceram. Não conto com o Fundador que, segundo o Professor Luís Krus, ali terá nascido também. Mas não queremos entrar nessa discussão, sabendo-se que vimaranenses e viseenses disputam acerrimamente a posse do berço de Afonso I. Coimbra teria argumentos para entrar nessa corrida. Mas chega-lhe este facto indesmentível: foi ali que Afonso Henriques quis ser sepultado - e ali repousam os seus restos mortais, na Igreja de Santa cruz, sob um túmulo magnífico construído no século XVI.

Aeminium foi o nome que os Romanos deram à cidade que nascera junto do rio Aeminium (Mondego).  Foi, na era cristã, sede de Diocese, substituindo a cidade romana de Conímbriga. Com a invasão moura, Coimbra, situada na zona tampão entre território cristão e árabe, passou a ser um importante entreposto comercial. Mudou de mãos com frequência - em 871 era o Condado de Coimbra mas só em 1064 a cidade foi  reconquistada por Fernando Magno de Leão. A cidade cresceu e prosperou, governada por Sesnando, um moçárabe. O Conde D. Henrique e D. Teresa, quando lhes foi concedido o Condado Portucalense, passaram a residir em Coimbra, D. Afonso Henriques ali instalou a sua Corte, podendo dizer-se que foi a primeira capital de Portugal, condição que só perdeu em 1255, quando a Corte se mudou para Lisboa. Nesse século XII em que foi cabeça do reino a cidade apresentava um tecido urbano revelador de diferenças sociais – na parte alta da cidade (Almedina) residiam nobres e clérigos, enquanto na parte baixa, junto ao rio, se situavam habitações e tendas de artífices e mercadores. Quando em 1537 a Universidade transitou, desta vês definitivamente, de Lisboa para Coimbra, a importância da instituição sugou todo o protagonismo da urbe – Coimbra passou a viver em função da sua Universidade e só no século XIX a mancha urbana se expandiu para lá das muralhas que acabaram por desaparecer no furacão da Reforma Pombalina.
A Universidade passou a ser o coração da cidade que viveu durante séculos quase ao ritmo das badaladas da Cabra. Um coração de bronze. Numa edição que, como a nossa, se debruça principalmente sobre os aspectos culturais da vida coimbrã, a Universidade surgirá com frequência. E, confirmando essa omnipresença, será com os Antigos Orfeonistas Universidade que abrimos esta edição inteiramente dedicada  a Coimbra. Cantando a canção de Raul Ferrão e José Galhardo que hoje associamos indissoluvelmente à bela cidade do Mondego.

Começou no Estrolabio o dia de Coimbra!


publicado por Carlos Loures às 01:00
link do post | comentar

1 comentário:
De Luis Moreira a 23 de Dezembro de 2010 às 01:18
Belo começo.O texto muito bom e o céu da foto do Zé Magalhães...


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
O grupo Maria Isco fornece ajuda para resolver a c...
Olá, eu nome Madame Aniello LIZI um indivíduo que ...
Agora fiquei curioso com esta autoria. Em que livr...
Testemunho de um empréstimoConsegui obter um empré...
Caro Sr / Sra,Antes de qualquer outra palavra, pri...
OláEu sou Ibrahim Mohammed do Emirado árabe unido,...
Eu sou um disposo privada de um fons de that em ro...
Eu sou um disposo privada de um fons de that em ro...
Potrebuješ pôžičku? Máte nízke kreditné skóre a ne...
Atenção; Você é um homem de negócios ou uma mulher...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links