Sexta-feira, 23 de Julho de 2010
Gira, gira – o incontornável fatalismo do tango

Carlos Loures

Aqui há tempos,  contei como, ao traduzir um livro do grande escritor argentino Ernesto Sábato, («Heróis e Túmulos») me vi em palpos de aranha. Estudara língua e literatura castelhana, mas a cada passo surgiam vocábulos que desconhecia e que os dicionários, incluindo o da Real Academia, não registavam. Escrevi então ao Sábato dando-lhe conta da minha dificuldade e ele, muito amavelmente, enviou-me um extenso glossário com termos argentinos e, inclusivamente com modismos «porteños», ou seja, bueno-airenses.

Nesta série de textos que tenho vindo a dedicar ao fado e ao tango – na demanda de paralelismos entre estes dois géneros de canção urbana – vou hoje abrir um parêntesis para vos falar de uma composição de Carlos Gardel em que, para além do fatalismo que irmana o tango com o fado – surge um desses particularismos do castelhano que se fala na Argentina - a começar pelo título, Yira, Yira (pronunciado de forma semelhante á do português) – em castelhano dir-se-ia «Gira, gira», pronunciando-se como fonema fricativo velar surdo – velar, por ser articulado junto do véu palatino (os portugueses quando querem falar portunhol, resolvem o problema, transformando o «g» ou o «j» em «r» – exemplo – rúlio iglésias).

Na letra do tango cantado pelo Gardel, existem casos de argot porteño semelhantes aos que me saíram ao caminho quando traduzia Sábato. Mas neste caso, se não perceberem todas as palavras, perceberão o sentido que é profundamente singelo e tristemente verdadeiro – quando se cai em desgraça não se pode contar com ninguém. Cair na miséria é considerado um crime. Bater às portas pedindo ajuda, trabalho, calor humano, é inútil. Até amigos, a quem se deu a mão e se ajudou quando precisaram, se afastam incomodados. Um necessitado é uma pessoa incómoda. – um desgraçado é como um leproso. Os amigos, afinal, são só para (as boas) ocasiões. Ora leiam e depois ouçam. A música e a letra são de Enrique Santos Discépolo (1901-1951). Há uma interpretação razoável do Julio Iglesias, mas não há nada como ouvi-la na voz de Carlos Gardel.

Cuando la suerte qu’es grela
fayando y fayando
te largue parao…
Cuando estés bien en la vía,
sin rumbo, desesperao…
Cuando no tengas ni fe,
ni yerba de ayer
secándose al sol…
Cuando rajés los tamangos
buscando este mango
que te haga morfar…
La indiferencia del mundo
que es sordo y es mudo
recién sentirás.
Verás que todo es mentira
verás que nada es amor
que al mundo nada le importa
Yira… Yira…
Aunque te quiebre la vida,
aunque te muerda un dolor,
no esperes nunca una ayuda,
ni una mano, ni un favor.
Cuando estén secas las pilas
de todos los timbres
que vos apretás,
buscando un pecho fraterno
para morir abrazao…
Cuando te dejen tirao,
después de cinchar,
lo mismo que a mí…
Cuando manyés que a tu lado
se prueban la ropa
que vas a dejar…
te acordarás de este otario
que un día, cansado,
se puso a ladrar.
Verás que todo es mentira
verás que nada es amor
que al mundo nada le importa
Yira… Yira…



Há alturas em que me sinto (creio que acontece com todos), como disse Discepolín, na pele do otário que um dia, cansado, se pôs a ladrar. Alturas em que me apetece mesmo uivar.


tags: ,

publicado por Carlos Loures às 12:00
editado por João Machado em 17/02/2011 às 19:44
link do post | comentar

5 comentários:
De clara castilho a 23 de Julho de 2010 às 22:36
"Um necessitado é uma pessoa incómoda. – um desgraçado é como um leproso. Os amigos, afinal, são só para (as boas) ocasiões. "- Caramba, Carlos! Que mau humor. Nisto não estamos de acordo. Já com o final - "Há alturas em que me sinto...na pele do otário que um dia, cansado, se pôs a ladrar. Alturas em que me apetece mesmo uivar", aí, amigo, são muitas as vezes. Faço por exteriorizar, mandar para fora, de forma mais "civilizada" e aceitável socialmente, pois coisa que não quero são úlceras de estômago.


De carlos loures a 23 de Julho de 2010 às 23:16
Não é mau humor - é idade. Infelizmente é assim que as coisas funcionam - se cais em desgraça, de uma forma geral, todos te viram a cara. As excepções a esta regra (que as há), são os amigos, não os que se dizem amigos, os que verdadeiramente o são. E são sempre tão poucos... Mas vale a pena lutar por conservá-los; sobretudo, não os perder por ninharias.


De Luis Moreira a 24 de Julho de 2010 às 01:13
É verdade!Uma vez um amigo meu de infância fez-me algo muito mau.Aguentei dois dias, fui ao pé dele ,dei-lhe um abraço e disse-lhe que não o queria perder por tão pouco.E nunca mais falamos no assunto!


De Anónimo a 23 de Agosto de 2010 às 22:06
Existe o verbo "girar" em espanhol (mesmo no "casteSHano" portenho), que corresponde ao nosso "girar" - claro que pronunciado com o "g" espanhol.

Mas "yirar" (pronunciado em portenho como o nosso "girar" ou "shirar") é, na verdade, o lunfardo para "andar"...

Digo isso porque sempre ADOREI este tango e uma vez pesquisei, curioso.:)


De Luis Moreira a 23 de Agosto de 2010 às 23:04
Obrigado, meu caro.Volte sempre!


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
bom dia meu tio de nome joao da cunha fernandes da...
Sou James Roland, de Portugal. Alguns meses atrás,...
Oferece empréstimos de dinheiro variando de 5000 a...
Here is a good news for those interested. There i...
oferta para todosOlá, volto para todos os indivídu...
esse dalmaso nao e brasileiro ele deu depoimento e...
Meu nome é Patricia Martins, de Portugal, um pai s...
Dia bom, Meu nome é Laura Pablo, eu quero testemun...
Afinal em que ficamos? Esta coisa do Daflon do Ven...
UPDATE ON LOAN REQUIREMENT If you are in need of ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links