Domingo, 22 de Agosto de 2010
Neofrugalismo!



Luís Moreira
Os porugueses estão rendidos ao neofrugalismo», diz o Público.

O que é o neofrugalismo? Uma nova tendência musical, uma vanguarda
literária, um sistema ocidental de feng-shui?

Não: uma coisa sensata, «a tendência mundial de consumo que foi prevista em finais de 2008 num relatório do falido banco de investimento Merril Lynch».

Há males que vêm por bem. Mas há coisas que convém situar no tempo.

O «neofrugalismo» é, realmente, o modo como vivem os povos do Norte da Europa, muito longe dos padrões de consumo norte-americano e, convenhamos, português nas últimas décadas.

Ir ao restaurante uma vez por semana, ou menos; pensar bem antes de entrar numa loja de electrodomésticos, fazer contas antes de imaginar o novo computador, não acumular objectos desnecessários, jantar em casa — aquilo que o «neofrugalismo» propõ é, antes de mais, um modo de vida de país desenvolvido.

Quantos dos meus amigos suecos ou noruegueses vão jantar fora por mês? Muito,
muito menos do que os portugueses. Quantas vezes trocam de carro ao longo da vida? Muito menos do que tem sido o padrão de consumo português e infinitamente menos do que é a norma norte-americana.

Ao ler as estatísticas queixosas da indústria automóvel, por exemplo, não é possível evitar um encolher de ombros quando se lê que «este ano se venderam menos xxx carros do que no ano passado»; a doutrina do crescimento infinito, boa para excel e para gestores saídos da Procter & Gamble, tinha de ser posta em causa algum dia. Não só por causa da crise demográfica e porque os recursos do planeta são moderadamente finitos mas porque não é sensato imaginar um mundo em que o destino de todas as economias é a delapidação contínua do património familiar em bens de consumo insensatos.

A chamada mediocridade nórdica (que não é apenas assunto de poesia mas, já agora, está lá, desde o Havámal) tem a ver com isto: consumir menos, sujar pouco, contentar-se com a modéstia, produzir melhor. É um modo de vida que não pode ser
confundido apenas com o «neofrugalismo», ou seja, como uma tendência irremediável de consumo.

Menos iPods por ano, menos carros, menos desperdício, saber cozinhar, aproveitar o tempo para ler, menos idas ao cinema, etc.; ou seja, estar menos dependente, viver de acordo com as possibilidades.

Francisco José Viegas

PS: Com os agradecimentos devidos!



________________________________________________________________________________


publicado por Luis Moreira às 13:30
link do post | comentar

3 comentários:
De adão cruz a 22 de Agosto de 2010 às 15:15
Amigo Luís. No mês de Julho, eu e uns familiares fizemos uma viagem de carro pela França, e ficámos admirados com o parque automóvel dos franceses. Muito inferior, em qualidade, ao nosso. Carros pequenos utilitários, sendo raro ver-se uma "bomba". Ali pelo centro da França vimos passar por nós um mercedes topo de gama. Fartámo-nos de rir quando verificámos que a matrícula era portuguesa. Nas redondezas de La Rochelle, uma outra "bomba" passou por nós, e lá de dentro, com o vidro aberto, sai uma voz estridente "vivó puârto".


De Luis Moreira a 22 de Agosto de 2010 às 16:01
É verdade que nós estamos muito mal habituados, não gastamos dinheiro no médico nem em cultura mas temos uma televisão última gama e um carro cinco estrelas. Há muito por onde poupar.Restaurantes cheios, Algarve cheio, ( eu vou à China em Outubro, e disseram-e na agência de viagens que vão 3 aviões -3, cheios ).Amigo Adão, esta é a sociedade da irracionalidade, do individualismo, do desperdício.E não há desculpas, já sabemos no que vai dar.


De Beduíno Ascético a 22 de Agosto de 2010 às 16:44
Tudo isso tem de ser pago: a pronto, a prestações ou por penhoras. Em termos colectivos pagaremos todos quando dermos o tombo mestre. o meu raciocínio foi sempre simples. Se ia para comprar um par de sapatos perguntava-me: os que tens não te chegam para os pés? São incómodos? estão rotos? Nããoooo. e desistia de comprar. Assim com os televisores, o computador, a roupa, o pópó e por aí fora. A conclusão foi rápida mas tardia: salvo doenças, educação, cultura, o ser humano precisa de pouco para viver. Se tiver saúde e for bronco, então ainda menos.


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Olá,Esta mensagem foi enviada de James Ben GROUP P...
bom dia meu tio de nome joao da cunha fernandes da...
Sou James Roland, de Portugal. Alguns meses atrás,...
Oferece empréstimos de dinheiro variando de 5000 a...
Here is a good news for those interested. There i...
oferta para todosOlá, volto para todos os indivídu...
esse dalmaso nao e brasileiro ele deu depoimento e...
Meu nome é Patricia Martins, de Portugal, um pai s...
Dia bom, Meu nome é Laura Pablo, eu quero testemun...
Afinal em que ficamos? Esta coisa do Daflon do Ven...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links