Terça-feira, 15 de Março de 2011
Os eternos rivais - por Raúl Iturra

 

 

 

 

 

 

Os eternos rivais de que falo não são o gato e o cão da minha imagem. Antes fossem! Porque os eternos rivais são pessoas de dois países fronteiriços, sempre de costas viradas, o mais forte sempre a invadir o mais fraco. Como o leitor pode adivinhar, estou a falar do nosso pequeno país Portugal, e do gigante que o rodeia a Espanha. Digo pequeno, por ser a povoação de não mais de dez milhões de habitantes, enquanto a Espanha conta com trinta e nove milhões. As relações entre estes dois países nem sempre foram harmoniosas, apesar dos desencontros terem sido esporádicos. Claro que exagero que estes países sejam como o cão e o gato. Em tempos, Isabel de Castilha, podia ter sido pretendente ao trono de Portugal por ser filha de uma Infanta Portuguesa, Isabel da casa de Avis. Isabel de Castilha, filha de Juan II de Castilla e da sua segunda mulher, Isabel de Portugal (1428-1496), nasceu em Madrigal de las Altas Torres (Ávila) a 22 de Abril, Quinta-Feira Santa, de 1451, no paço que hoje é ocupado pelo Monasterio de Nuestra Señora de Gracia. Lugar e data de nascimento, têm sido historicamente discutidos, ninguém, há época, estava consciente da importância que essa menina teria no futuro Juan II de Aragón, que tratou de negociar em segredo com Isabel a boda do seu filho Fernando. Foi bem sucedido, após grandes batalhas de Corte por causa de serem primos, mas o Vaticano dispensou este impedimento, passando

 

Assim Fernando de Aragón a ser príncipe consorte de Isabel. Ora, durante seu reinado unificou a Espanha, ganhou as guerras com os emiratos árabes que ocupavam a península e enviou-os para a sua terra, tal como aos mouros que regressaram à sua terra Natal, Marrocos. O resto da história está no meu livro Esperanza, uma história de vida, editado por Estrolabio, 2010, Lisboa, texto que pode ser acedido em: http://estrolabio.blogs.sapo.pt/. Para acabar com a História de vida de Isabel, que recebeu do Vaticano o título da Católica pelas suas proezas de converter, sem medo do perigo, toda a península hispânica, ao catolicismo, confiando em Cristóvão Colombo para circum-navegar os mares proibidos ou temidos, até encontrar uma terra, que denominara Índias Orientais, convicto que estava de ter descoberto uma outra passagem para a Índia, contudo, ao reparar no seu engano navegou pela costa, mais tarde mapeada e cartografada por Américo Vespucio, desta dádiva de Colombo à sua protectora Isabel. Outro motivo, ainda, para ser chamada Isabel a Católica, enobrecer o descobridor, que passou a ser duque de Carvajal, com os seus descendentes ainda vivos e endinheirados.

 

Até este ponto, não parece haver uma rivalidade eterna entre as duas monarquias, pelo contrário, havia parentesco de consanguinidade entre os habitantes dos dois reinos. No caso de Isabel, e apesar dos esforços do seu irmão, Enrique IV, para a casar com Afonso V de Portugal, o que não veio a ocorrer porque Isabel o achou demasiado velho. Contudo, Enrique IV, que pelo Tratado de los Toros de Guisando teria de aprovar o matrimónio de Isabel, continuava, mesmo após a rejeição de sua irmã por Afonso V, a querer a aproximação ao reino de Portugal, pela via do matrimónio, restando-lhe a sua filha Juana que veio a casar com Juan II de Portugal, filho de Afonso V de Portugal. Assim, Isabel, como membro da família real, iria para o reino vizinho e, à morte do seu esposo, o trono de Portugal e de Castela passaria para D. João II de Portugal e sua esposa, Juana la Beltraneja. Qual, porém, a rivalidade? A rivalidade era casar a Isabel com o Rei de Portugal, ou a filha, Juana a Beltraneja, com o Infante herdeiro do trono português.

 

 

Vivem dois factos de rivalidade: os habitantes do Sul do Estado Espanhol, tinham invadido e ocupado, como se fosse a sua nação, o Alentejo e o Algarve. Afonso Henriques, o primeiro rei de Portugal, que não expulsou nem mouros nem judeus, pensou como uma afronta à coroa de Portugal esta ocupação: os espanhóis já tinham ocupado o Norte, com a criação do Reino de Galicia pelos Reis Católicos, agora

estavam também cercados pelo Sul, as melhores terras de Portugal por causa da cortiça da árvore do Sobreiro, e as oliveiras, muito abundantes, no Algarve. Era o comércio dos espanhóis. O rei não hesitou um minuto, avançou com o seu exército e correu com os espanhóis e mouros, na famosa batalha de Ourique, em 1139, sendo aclamado rei pelos soldados que combatiam ao seu lado. Em 1143, assinou o tratado de Zamora, com o seu primo consanguíneo Rei de Castela, com o objectivo de se tornar independente do reino de Leão e Castela. Mas um assunto é o parentesco, outro a autonomia de um reino. O Tratado de Zamora foi um diploma resultante da conferência de paz entre D. Afonso Henriques e seu primo, Afonso VII de Leão e Castela. Celebrado a 5 de Outubro de 1143, esta é considerada como a data da independência de Portugal e o início da dinastia afonsina.

 

Vitorioso na batalha de Ourique, em 1139, D. Afonso Henriques beneficiou da acção desenvolvida, em favor da constituição do novo Reino de Portugal, pelo arcebispo de Braga, Dom João Peculiar. Este procurara conciliar os dois primeiros e fez com que eles se encontrassem em Zamora nos dias 4 e 5 de Outubro de 1143 na presença do cardeal Guido de Vico.

 

Pelos termos do tratado, Afonso VII concordou que o Condado Portucalense passasse a ser Reino, tendo D. Afonso Henriques como seu "rex" (rei). Embora reconhecesse a independência, D. Afonso Henriques continuava a ser vassalo, pois D. Afonso VII para além de ser rei de Leão e Castela era Imperador de toda a Hispânia. Contudo, nunca D. Afonso Henriques prestou vassalagem ao Imperador, sendo caso único de entre todos os reis existentes na península Ibérica.

 

A soberania portuguesa, reconhecida por Afonso VII em Zamora, só veio a ser confirmada pelo Papa Alexandre III em 1179, mas o título de "rex", que D. Afonso Henriques usava desde 1140, foi confirmado em Zamora, comprometendo-se então o monarca português, ante o cardeal, a considerar-se vassalo da Santa Sé, obrigando-se, por si e pelos seus descendentes, ao pagamento de um censo anual.

 

Corria a voz de um milagre: entre espanhóis e mouros, o número dos combatentes portucalenses era minoritário, apesar da diferença numérica de homens de um e outro lado, a batalha foi ganha pelos portucalenses. Apenas que esta história do milagre de Ourique começou a ser usada e transferida bem mais tarde, surge pela primeira vez no século XIV, muito depois da batalha. Ourique, a partir daí, serve de argumento político para justificar a independência do Reino de Portugal: a intervenção pessoal de Deus era a prova da existência de um Portugal independente por vontade divina e, portanto, eterna.

 

Mas, um facto mais grave aconteceu em 1640: a Restauração. Duzentos anos antes desta batalha que finalizou a invasão espanhola a Portugal, depois de Filipe II de Espanha ter ocupado Portugal, em 1580, a ilha Terceira nos Açores estava controlada pelo António Prior do Crato, que pensava, só ele, em alianças com a Inglaterra e a França. Em 1582 uma expedição francesa para o estabelecer nos Açores foi derrotada, e, em 1589, falhou uma tentativa inglesa, liderada por Drake e Jonh Norris, para tomar Lisboa. Como a história é conhecida, não vou cansar o leitor com a narrativa de todas as batalhas para retomar a Independência. A revolta da Catalunha, a guerra com a França e duas revoltas populares de portugueses contra os usurpadores, em 1634 e 1637, não chegaram a ter proporções perigosas, mas em 1640 o poder militar Espanhol ficou reduzido pela guerra com a França e a revolta na Catalunha, e o ataque armado dos portugueses, foi o início para o caminho da (re) independência. 500 anos de dominação espanhola, é suficiente para explicar o título deste ensaio.

 

Há uma anedota que não posso deixar de contar, demonstrando que o humor ainda existe, apesar de todas as guerras, batalhas e crises:

 

 

 

Dois agricultores, um português e um espanhol, conversam: 

- Qual é o tamanho da sua herdade? - pregunta o espanhol.

Responde o português: - Para os padrões portugueses, o meu monte tem um tamanho razoável. Trezentos hectares, e a sua?

Responde o espanhol: - Olha, eu saio de casa de manhã, ligo o meu jipe e, ao meio-dia, ainda nem percorri metade da minha propriedade.  

- Eu sei o que isso é! - diz o português sem se descoser. Eu também já tive um jipe espanhol; são uma merda! Só dão chatices...

 

 Sem comentários, o texto fala por si, resulta da dominação espanhola em Portugal por tanto tempo. A anedota mostra a arrogância do espanhol, a simpatia e acolhimento e uma forma pacata de reagir do português, para não ser também ele arrogante. Finalmente, esta história expõe a sagacidade e inteligência do nosso compatriota.

 

E coloriu colorado, este conto tem acabado…

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 




publicado por Luis Moreira às 14:00
link do post | comentar

1 comentário:
De Carlos Loures a 15 de Março de 2011 às 14:53
Raúl, meu caro Amigo - Muito útil esta lição de História. Em todo o caso, digo que reflecte muito a posição oficial espanhola. Como sabes, os factos históricos têm diversas interpretações - não existe uma verdade histórica inequívoca: crónicas e documentos podem ter leituras diferentes. Vou apenas focar um pormenor - a existência formal de Espanha ou, caso se prefira, do estado espanhol, apenas foi consagrada nas cortes de Cádis (1812). Até então os reinos de Castela e de Aragão, embora com um monarca comum, mantinham a sua independência. Portugal nunca esteve formalmente integrado em Espanha - manteve a sua condição de reino independente, com seus foros e privilégios. O Olivares quis acabar com essa independência e um dos factores para as revoluções portuguesa e catalã de 1640 foi esse desiderato de unificar a Península sob uma mesma coroa.
Um outro exemplo (e mais não darei) a Beltraneja, nome pejorativo posto pelos castelhanos e sugerindo que não era filha de Henrique IV, mas sim de um tal d. Beltrão, era em Portugal conhecida pela «Excelente Senhora». Foi com esta manobra suja que Isabel subiu ao trono. Para os castelhanos é considerada uma excelsa rainha, uma grande estadista. Aqui em Portugal não é assim tão apreciada. O nosso D. João II, esse sim, um grande estadista - censurou a Isabel e a Fernando de Aragão, seus primos, o uso da palavra Espanha para designar o conjunto dos seus dois estados. Espanha ou Espanhas era à época sinónimo de Península Ibérica.



Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
No dia 08/01/1974, faleceu o furriel Zeca Rachide,...
Cheguei aqui pelo link no blogue O Cantinho da Jan...
Apply now for all kinds of loans and get it urgent...
Sou do Bat. Caç. 4613/72 que foi para Angola em fi...
Aí meu Deus eu tenho um pavor a esses bichos! Un d...
ei pessoal do bat cav 1927 e ex combatentes boa pa...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
I recebeu um empréstimo em um notável credores, ho...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
Eu fiz uma descoberta que eu gostaria de compartil...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links