Domingo, 22 de Agosto de 2010
Novas Viagens na Minha Terra
Manuela Degerine

Capítulo LXXXVI

Vigésima primeira etapa: de Valença ao Porrinho (continuação III)



Após a área de descanso de Orbenlle, chegamos à zona industrial. O meu roteiro, que só conta a linha recta, indica uma travessia de três quilómetros, mas outros guias assinalam seis – a mim pareceram-me dez. Vai até ao Porrinho: fábricas e camiões. Caminhamos à direita, numa orla que não é passeio, embora se situe acima da estrada; a frequência das passagens desenhou um carreiro por entre as ervas. Com se não bastasse, começou a chover com força e o vento, mais o deslocamento de ar causado pelos camiões, tornam a caminhada difícil, para além de desagradável. Há o barulho dos camiões que, não raro, apitam, quando nos vêem; para nos ouvirmos, temos que gritar. Há o ar poluído. Há o risco que a proximidade de tantos camiões sempre implica. Passamos por fim, numa ponte metálica, por cima da linha dos comboios, caminhamos por debaixo de um viaduto...

Aqui... O nosso Gérard achando, com muita razão, o ambiente soturno, dá-nos um ar da sua graça. Não resisto à tradução integral da gerárdica prosa.

Neste restaurante sem pretensões, nota-se que os clientes são conhecidos. Não há ementa, prato do dia para todos, apenas as toalhas de oleado são, em cada mesa, todas diferentes. Hoje servem uns filetes de peixe a boiar no molho com azeite, cebola e pimento, tudo assado num prato de barro; salada mista (alface, tomate e cebola); várias fatias de uma carne demasiado cozida num molho condimentado, acompanhadas com batatas que, por seu lado, se apresentam pouco fritas; para a sobremesa um pudim em recipiente de plástico; tudo regado com uma garrafa de bom vinho galego: uma refeição divina. Chegado ao café, quando peço a adição, o dono, que já tem idade, faz um gesto significando: “tem calma”.

Dez linhas e meia sobre o café Stop. O caro Gérard Rousse não é francês, é uma caricatura de francês: se fala de comida, ganha corpo e humor. Rimo-nos ao ponto de, com a ajuda da chuva, que nos torna pitosgas, acabarmos por não ver o celebrado café Stop. Caminhamos agora à beira de uma estrada com muito movimento, algumas casas rurais, um bocado de horta, vestígios de outra época, frequentes edifícios industriais, stands de automóveis, diversos cafés e restaurantes. Acabamos enfim por virar na direcção do centro. Perdemos as setas do Caminho e Gérard, tão prolixo no café Stop, despacha-nos com “ a seguir” e “mais adiante”. Seguimos em frente, pela rua principal, situando, de maneira incerta, onde nos encontramos.

No primeiro supermercado, compro chapata tradicional, um pão excelente, queijo artesanal, maçãs e bananas. Inquirimos onde fica o albergue dos peregrinos. Devemos prosseguir pela mesma rua. Continua a chover... Atravessamos a linha do comboio. Chegamos por fim ao albergue.

A família franco-germânica continua prostrada nos beliches. E também encontramos o senhor espanhol; cujos pés não vão pior.

Os meus aliás também não. Hoje não me doem e, quando me descalço, não encontro bolhas novas, parece-me até que as outras começam a sarar...

A roupa molhada, que tiro da mochila, cheira mal. Deve começar a apodrecer ou algo de semalhante. Que fazer? Opto por voltar a lavá-la para a vestir amanhã, mesmo molhada; e arrumo a que hoje sujei, esperando que, em breve, a possa lavar e secar. Porém, depois de lavar a roupa que lavei ontem e não cheguei a vestir, noto que continua a cheirar mal. Ensaboo segunda vez e passo por água abundante. O cheiro persiste. Que fazer?

Maria, que tem experiência neste tipo de viagens, responderia à minha pergunta. (Por onde andará ela?)

Bem... Talvez o mau cheiro passe quando a roupa secar.

Vou carimbar a credencial, pago 5 euros, recebo um lençol e uma fronha em fibra sintética – uma solução higiénica.

A alberguista explica-me o que são callos á galega – um parente das tripas à moda do Porto e da dobrada com feijão. A receita que ela me mostra na Internet leva grão; dou-me conta de, acaso por a ortografia ser diferente da portuguesa, não compreender tudo.

O albergue tem chão de xisto: muito bonito e de fácil limpeza. E a cozinha, sem oferecer grande variedade de utensílios, permite fazer um chá e poisar a comida num prato – o mais importante. A senhora que faz a limpeza tem a paciência de me explicar – duas vezes – o uso da vitrocerâmica.

Depois do jantar damos um passeio pelo centro do Porrinho. Vê-se que foi uma cidade bonita, restam alguns edifícios, os paços do concelho, várias capelas, uma praça, uma ruela... O resto não é feio: um normal complemento urbano da zona industrial. Há nesta cidade um ambiente que me encanta sem poder explicá-lo; algo como uma saudade. Percorro as ruas pensando que haverá, por detrás destas janelas, que vejo iluminadas, alguns galegos com quem gostaria de falar, que me contariam o Porrinho de agora, se não também o de antes, me falariam da cultura galega, me diriam, não em castelhano, o que é viver aqui no ano de 2010. O turista, peregrino ou não, é alguém que anda por fora; como Eça de Queirós sublinha numa carta. (Há lugares em que me é indiferente, mas aqui preferia andar por dentro.)


publicado por Carlos Loures às 10:00
link do post | comentar

1 comentário:
De Luis Moreira a 22 de Agosto de 2010 às 12:24
Porrinho, e as suas fábricas, uma delas de rações para animais que pertencia a uma empresa onde eu trabalhava aqui em Portugal.Fui lá alguma vezes a caminho da Corunha, sede da empresa.


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Olá Sr. / Sra.Você precisa de empréstimos para o p...
HOLA...¿NECESITA PRESTAR DINERO PARA PAGAR CUENTAS...
Bom-dia Senhoras e Senhores.Sou uma mulher de negó...
Sou uma mulher de negócio Portuguesa e ofereço emp...
Dude, if you were trying to sound portuguese let m...
Olá Andreia! Sei que esta publicação já é antiga. ...
Patricia Deus vai abençoar você e sua empresaMeu n...
Meu nome é Fábio João Pedro e eu sou de Portugal. ...
Meu nome é jose matheus Giliard Alef sou do brasil...
Bom dia a todosMeu nome é Damián Diego Alejandro, ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links