Quinta-feira, 2 de Setembro de 2010
Notas de cêntimo - (8) Produtividade (3)
Carlos Mesquita


Neste terceiro texto sobre a produtividade queria ir ao principal entrave competitivo não estrutural, a informalidade, segundo o estudo coordenado pelo governo e desenvolvido pelo Mckinsey Global Institute (MGI). O “não cumprimento das obrigações por parte dos agentes económicos” representa 28% (o maior valor) do diferencial de produtividade; considerado pelo estudo atacável, ou seja, que medidas políticas e administrativas poderiam inverter a situação. A evasão fiscal (IRC, IRS, IVA) a falta de pagamento das obrigações sociais, (segurança social e salário mínimo) e o não cumprimento das normas de mercado, no nosso país compensa. A prová-lo está o número de agentes económicos que optaram pela actividade ilegal, ou semi-legal pois têm porta aberta e toda a população recorre aos seus serviços. Há cada vez mais profissionais a fecharem as suas empresas mantendo a actividade, saindo do mercado normal e optando por trabalhar sem passar factura. Isto acontece porque há mercado, há clientes para esse comércio e indústrias paralelos.

Os números são extraordinários, a economia paralela (estimativa da CGTP) custa ao Estado 14 mil milhões de euros/ano (dois TGVs por ano) valor próximo do défice das contas públicas que é 8,3 do PIB ou seja 14,2 mil milhões de euros. A economia paralela custa tanto num ano como todas as medidas de austeridade tomadas e a tomar para “pôr as contas em ordem”.

É nisto que devemos reflectir em vez dos peanuts das décimas para cima ou para baixo, quer do crescimento económico quer do desemprego. A verdade é que ninguém tem coragem ou saber, nem governos nem oposições para irem ao cerne dos problemas. A discussão política está viciada na fulanização, nos faits divers, nas gafes, porque é fatigante debruçarem-se sobre a natureza dos problemas económicos, para mais quando não há soluções milagrosas ou imediatas. Adiante. O estudo do MGI diz também que os agentes económicos informais detêm uma quota de mercado superior à que obteriam se não beneficiassem das vantagens de preço e margem permitidas pela evasão fiscal e a fuga às obrigações sociais. São uns bruxos. Propõem racionalizar o sistema fiscal, reforçar os mecanismos de auditoria, a aplicação de penalidades acrescidas e consciencialização da opinião pública, e dizem que em Espanha funcionou. Por cá, o que tem acontecido é que devido à crise internacional e nacional, perante a redução natural das receitas dos impostos, o fisco limitou-se a perseguir as empresas, aproveitando uma conjuntura negativa de negação do crédito bancário, para aplicar coimas por tudo e por nada, levando muitas delas com problemas conjunturais de tesouraria a fechar portas. A receita fiscal aumentou, é verdade, mas a médio prazo a morte das galinhas dos ovos de ouro tem consequências. Não é com menos empresas que se conseguem mais receitas; a subida do desemprego é o ajustamento normal ao encerramento quer natural quer provocado de muito do tecido empresarial, as razões fundamentais estão na política tributária e nas políticas de crédito do sistema bancário, ambas promotoras da economia informal. O que o país precisa é de mais economia “oficial”, mais empresas e trabalho legais, que paguem as contribuições devidas. Quando a política discutir a economia politica vamos no bom caminho. Esperemos sentados.


publicado por Carlos Loures às 11:00
link do post | comentar

7 comentários:
De Luis Moreira a 2 de Setembro de 2010 às 12:27
É bem verdade, mas a incapacidade de os sucessivos governos conseguirem inverter a situação tem a ver com a visão que os agentes económicos têm do Estado. Sobem as receitas, sobem ainda mais as despesas. A administração fiscal é olhada com suspeita, só não foge quem não pode como se vê pelas off shores e até pela existência da off shore da madeira, criada, e protegida pelos governos.


De Carlos Mesquita a 2 de Setembro de 2010 às 13:53
A ilustração do texto é da responsabilidade do editor. Tem graça. Aquele fato de trabalho não é para aquela função, mas lá que é informal, é.
Depois das orgias platónicas e dos poemas eróticos, só faltava uma garota pelada. Daqui a pouco é preciso pôr uma bolinha no blogue.

Luís, só ver bem ao longe também é um problema de visão. Há as off shores sim senhor, e bem perto de todos nós, há quase toda a gente a colaborar com a economia paralela.


De augusta.clara a 2 de Setembro de 2010 às 15:53
Mesquita, viraste puritano?


De Luis Moreira a 2 de Setembro de 2010 às 19:00
Grande factor de produtividade,sim senhor...


De Luis Moreira a 2 de Setembro de 2010 às 19:52
Já é uma consequência,Carlos! Fala-se muito na taxa "flat" a ver se trazem a economia paralela para dentro do sistema.Altas tributações, altas fugas ao Fisco.


De Carlos Mesquita a 2 de Setembro de 2010 às 22:18
Desculpem lá a ausência mas uma pessoa de familia resolveu, com este tempo, comer um croissant com creme de ovo; hospital!
Augusta.
Poucas-vergonhas é o que é.
Nunca queimaram um dedinho, senão receavam as labaredas do purgatório.
Luís.
Falam, falam, falam, falam; mas preferem discutir o aumento ou não aumento dos impostos a criar condições para aumentar a base contribuinte.


De augusta.clara a 3 de Setembro de 2010 às 01:37
Oh, Mesquita, estou morta por te ver para saber se ainda és o mesmo gozão de há uns tempos. Lá piada continuas tu a ter bastante. Eu não vou para o purgatório, vou directamente para o inferno que é bem mais divertido.


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Olá,Esta mensagem foi enviada de James Ben GROUP P...
bom dia meu tio de nome joao da cunha fernandes da...
Sou James Roland, de Portugal. Alguns meses atrás,...
Oferece empréstimos de dinheiro variando de 5000 a...
Here is a good news for those interested. There i...
oferta para todosOlá, volto para todos os indivídu...
esse dalmaso nao e brasileiro ele deu depoimento e...
Meu nome é Patricia Martins, de Portugal, um pai s...
Dia bom, Meu nome é Laura Pablo, eu quero testemun...
Afinal em que ficamos? Esta coisa do Daflon do Ven...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links