Quinta-feira, 26 de Agosto de 2010
Notas de cêntimo (7) Produtividade (2)
Carlos Mesquita


Como se vê pelo título e subtítulo, 7 a 2 é resultado magro para a produtividade, e nem há notas de cêntimo. A produtividade em Portugal, segundo um relatório de 2008 da Associação Industrial Portuguesa (AIP) será 70,8 por cento da média europeia. O presidente da AIP dizia o ano passado, que o facto de Portugal produzir menos 30% que a média dos restantes países europeus era uma vergonha; que nenhum país consegue afirmar-se competitivamente, crescer e desenvolver-se, sem que a produtividade aumente significativamente. Numa coisa temos sido produtivos, a fazer e encomendar estudos e relatórios sobre a produtividade e a competitividade, para só falar destes. Dizem todos o mesmo acerca das causas, diferem nos remédios consoante os interesses particulares de quem paga os estudos; umas razões são estruturais como o perfil produtivo tradicional, baseado em mão-de-obra intensiva de baixo custo, a braços com a concorrência de outros países sem leis laborais e que praticam dumping fiscal e ambiental. Situação impossível de resolver sem investimento na reconversão dos sectores que herdámos, para outras especializações com incorporação de maior valor acrescentado. Isto é dito e repetido há muito, mas ainda ninguém disse como se faz mantendo a “obsessão do deficit” e vendo os juros da dívida a aumentar.

Seria melhor primeiro tentar perceber porque o investimento tem diminuído impossibilitando a mudança de perfil produtivo e igualmente a criação de mais fontes de riqueza. O motivo porque não há mais investimento está intimamente ligado aos dois factores fundamentais da nossa falta de produtividade, a economia informal e a falta de regulamentação das condições concorrenciais. As mudanças artificiais no tecido empresarial, efectuado com fundos da CEE, transformando cada operário especializado ou chico-esperto em empresário, principalmente no período cavaquista, com um IAPMEI louco financiando capacidade industrial instalada várias vezes superior às nossas necessidades, teve o seu epílogo no tempo guterrista, em que para manter os indicadores de emprego, apareceu o “plano Mateus” de regularização de dividas, que foi o balão de oxigénio para empresas inviáveis continuarem a destruir aquelas que tinham todas as condições para hoje ainda existirem. Era impossível uma empresa que pagasse as suas contribuições à segurança social e ao desemprego, que tivesse os empregados e instalações no seguro, etc. concorrer com outras que nada disso pagavam (nem o IVA) e continuavam a laborar com a cumplicidade do Estado.

A lei Mateus foi cumprida por apenas 6% dos aderentes, marca o fim de uma geração de empresários, que não se metem noutra, e marca também a data em que Portugal interrompeu um período de crescimento que ainda não conseguiu reencontrar.

(continua)


publicado por Carlos Loures às 11:00
link do post | comentar

1 comentário:
De Luis Moreira a 26 de Agosto de 2010 às 12:00
É isto mesmo, a incapacidade de renovar o tecido empresarial de criar um ambiente favorável às PMEs, produtoras de bens transaccionáveis, viradas para a exportação. A CGD deveria apoiar estas empresas em vez de andar nas AG das TMN,GALP e outras e fazer negócio "Finos" com a Cimpor...


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Olá Sr. / Sra.Você precisa de empréstimos para o p...
HOLA...¿NECESITA PRESTAR DINERO PARA PAGAR CUENTAS...
Bom-dia Senhoras e Senhores.Sou uma mulher de negó...
Sou uma mulher de negócio Portuguesa e ofereço emp...
Dude, if you were trying to sound portuguese let m...
Olá Andreia! Sei que esta publicação já é antiga. ...
Patricia Deus vai abençoar você e sua empresaMeu n...
Meu nome é Fábio João Pedro e eu sou de Portugal. ...
Meu nome é jose matheus Giliard Alef sou do brasil...
Bom dia a todosMeu nome é Damián Diego Alejandro, ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links