Terça-feira, 21 de Dezembro de 2010
Noctívagos, insones & afoins - A televisão é para estúpidos?
Carlos Loures


A frase que dá o título a esta série de crónicas que hoje inicio, foi dita pelo escritor e editor Luiz Pacheco (1925-2008) , que aqui à direita nos pisca o olho tornando-nos cúmplices das suas digressões pelo seu pequeno inferno pessoal. No decurso de uma entrevista conduzida por João Paulo Cotrim: quando este lhe perguntou se a televisão estava a matar a literatura, Pacheco respondeu desabridamente – «A televisão não mata nada! A televisão é para estúpidos!»


Não sei se Cotrim, com a sua pergunta, não estaria a aludir à clássica passagem do romance Nôtre-Dame de Paris, de Victor Hugo, quando o arcediago abre a janela da sua cela, contempla por algum tempo a Nôtre-Dame, estende a mão para o livro impresso aberto na sua mesa e, lançando um olhar triste para a igreja, profere a conhecida frase: ceci tuera cela.», isto matará aquilo.

Groucho Marx (1890-1977), o genial actor norte-americano, costumava dizer a frase que a par com a de Pacheco, inspiraram este trabalho - «Acho a televisão muito educativa – logo que alguém a liga vou para outra sala ler um livro».

No fundo, as duas frases dizem a mesma coisa, por palavras e com intensidades diferentes. Em ambas está presente o pressuposto da prevalência do livro como instrumento e como veículo de cultura. No título desta série de crónicas, substituí o pachequiano ponto de exclamação por um ponto de interrogação.


--------------------------------------------------------------------------------

Porque não me parece que, de modo algum, a televisão seja para estúpidos.

O próprio Pacheco, na mesma entrevista, emendava a mão, a frase saída num impulso, confessando depois que, tendo recusado ter televisor até pouco tempo antes, fora recentemente «apanhado pelo fascínio do pequeno ecrã», vendo tudo (e de tudo dizendo mal) – telenovelas, séries, concursos…

Ray Bradbury (1920), numa entrevista dada há meses a um jornal, coloca esta questão a que aludi, a da sobrevivência do livro face à concorrência da televisão e, sobretudo, desde há uma década, da Internet e das novas tecnologias da informação em geral, de uma maneira muita clara. Adiante referir-me-ei mais pormenorizadamente a essa entrevista do autor de Fahrenheit 451.

Este trabalho irá sendo publicado em pequenos textos, como este, que sairão com intervalos razoáveis entre cada crónica. O seu objectivo central é indagar até que ponto a impulsiva afirmação de Pacheco, segundo a qual «a televisão é para estúpidos», constitui um pressuposto válido. É óbvio que Luiz Pacheco se referia à dependência da televisão que afecta muitas pessoas e não ao meio televisivo em si. Dependência que, nos fins do século XIX e início do XX, incidiu sobre os romances em fascículos, como “A Toutinegra do Moinho”, de Émile Richebourg, vendido em fascículos semanais distribuídos ao domicílio; depois, em meados do século XX nas rádio novelas, do género da “Força do Destino” ou no “Simplesmente Maria”, muitas vezes seguidas também em fotonovelas, proliferando as revistas especializadas. Finalmente chegaram as telenovelas, primeiro as brasileiras, depois as portuguesas, as mexicanas, as venezuelanas…

Digamos que as pessoas têm necessidade de compensar as suas vidas descoloridas e monótonas com doses de sonho e de insólito, venha esse complemento de romances, de rádio novelas, telenovelas ou reality shows.

A televisão é para estúpidos? Não.

É dirigida por estúpidos? Também não.

A televisão é um invento notável que, bem utilizado, poderia, sem deixar de divertir, ser um poderoso meio informativo e um instrumento de difusão cultural.


Poderia.












publicado por Carlos Loures às 03:00
link do post | comentar

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Sou James Roland, de Portugal. Alguns meses atrás,...
Oferece empréstimos de dinheiro variando de 5000 a...
Here is a good news for those interested. There i...
oferta para todosOlá, volto para todos os indivídu...
esse dalmaso nao e brasileiro ele deu depoimento e...
Meu nome é Patricia Martins, de Portugal, um pai s...
Dia bom, Meu nome é Laura Pablo, eu quero testemun...
Afinal em que ficamos? Esta coisa do Daflon do Ven...
UPDATE ON LOAN REQUIREMENT If you are in need of ...
Olá, sou ivani suarez, atualmente morando em santi...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links